IBOV

108.013,47 pts

+1,26%

SP500

4.525,45 pts

-1,12%

DJIA

35.004,61 pts

-1,03%

NASDAQ

15.020,01 pts

-1,25%

IFIX

2.807,06 pts

+0,18%

BRENT

US$ 87,54

+0,03%

IO62

¥ 738,00

+0,75%

TRAD3

R$ 4,18

-2,10%

ABEV3

R$ 14,54

-0,27%

AMER3

R$ 33,20

+9,89%

ASAI3

R$ 12,03

+0,92%

AZUL4

R$ 25,27

-1,32%

B3SA3

R$ 12,26

-0,40%

BIDI11

R$ 22,50

+8,69%

BBSE3

R$ 20,68

+1,82%

BRML3

R$ 8,73

+4,55%

BBDC3

R$ 17,62

-0,11%

BBDC4

R$ 21,10

-1,26%

BRAP4

R$ 28,71

+3,05%

BBAS3

R$ 31,01

+0,87%

BRKM5

R$ 49,20

+0,14%

BRFS3

R$ 23,71

+1,67%

BPAC11

R$ 19,90

+5,40%

CRFB3

R$ 15,04

+2,94%

CCRO3

R$ 11,34

+0,08%

CMIG4

R$ 12,96

+1,64%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,08

+1,46%

COGN3

R$ 2,20

-2,22%

CPLE6

R$ 6,49

+2,04%

CSAN3

R$ 21,97

+3,09%

CPFE3

R$ 26,67

+1,79%

CVCB3

R$ 11,56

+4,23%

CYRE3

R$ 14,75

+7,58%

ECOR3

R$ 7,29

+1,67%

ELET3

R$ 33,04

+4,22%

ELET6

R$ 32,35

+3,32%

EMBR3

R$ 20,58

-2,78%

ENBR3

R$ 21,64

+2,36%

ENGI11

R$ 41,31

+0,07%

ENEV3

R$ 12,91

+2,86%

EGIE3

R$ 39,33

+1,60%

EQTL3

R$ 22,20

+1,64%

EZTC3

R$ 18,90

+6,41%

FLRY3

R$ 18,13

+1,62%

GGBR4

R$ 29,04

+1,53%

GOAU4

R$ 12,11

+2,45%

GOLL4

R$ 16,45

+0,42%

NTCO3

R$ 20,87

+3,11%

HAPV3

R$ 10,92

+3,80%

HYPE3

R$ 28,42

+1,39%

IGTA3

R$ 33,24

+0,00%

GNDI3

R$ 63,74

+3,64%

IRBR3

R$ 3,37

+0,59%

ITSA4

R$ 9,62

+0,10%

ITUB4

R$ 23,48

-0,67%

JBSS3

R$ 36,61

+0,02%

JHSF3

R$ 4,95

+1,22%

KLBN11

R$ 25,69

+2,22%

RENT3

R$ 49,85

+0,28%

LCAM3

R$ 22,45

+0,99%

LWSA3

R$ 8,64

+12,64%

LAME4

R$ 6,28

+9,40%

LREN3

R$ 24,85

+5,74%

MGLU3

R$ 6,31

+7,13%

MRFG3

R$ 22,69

+0,30%

BEEF3

R$ 9,87

-1,30%

MRVE3

R$ 11,24

+4,46%

MULT3

R$ 18,75

+2,40%

PCAR3

R$ 19,98

+1,62%

PETR3

R$ 34,25

-0,92%

PETR4

R$ 31,49

-0,47%

VBBR3

20,52

+4,69%

PRIO3

R$ 23,99

+0,29%

QUAL3

R$ 16,64

+3,61%

RADL3

R$ 20,54

-0,19%

RAIL3

R$ 16,73

+2,01%

SBSP3

R$ 35,69

+2,38%

SANB11

R$ 31,52

+0,19%

CSNA3

R$ 26,47

+2,63%

SULA11

R$ 23,77

+5,45%

SUZB3

R$ 61,85

-0,41%

TAEE11

R$ 36,81

+1,74%

VIVT3

R$ 48,69

+2,26%

TIMS3

R$ 12,99

+2,20%

TOTS3

R$ 25,30

+4,67%

UGPA3

R$ 13,23

+3,19%

USIM5

R$ 16,75

+1,27%

VALE3

R$ 88,21

+2,20%

VIIA3

R$ 4,00

+6,66%

WEGE3

R$ 30,50

-0,13%

YDUQ3

R$ 19,37

-1,32%

IBOV

108.013,47 pts

+1,26%

SP500

4.525,45 pts

-1,12%

DJIA

35.004,61 pts

-1,03%

NASDAQ

15.020,01 pts

-1,25%

IFIX

2.807,06 pts

+0,18%

BRENT

US$ 87,54

+0,03%

IO62

¥ 738,00

+0,75%

TRAD3

R$ 4,18

-2,10%

ABEV3

R$ 14,54

-0,27%

AMER3

R$ 33,20

+9,89%

ASAI3

R$ 12,03

+0,92%

AZUL4

R$ 25,27

-1,32%

B3SA3

R$ 12,26

-0,40%

BIDI11

R$ 22,50

+8,69%

BBSE3

R$ 20,68

+1,82%

BRML3

R$ 8,73

+4,55%

BBDC3

R$ 17,62

-0,11%

BBDC4

R$ 21,10

-1,26%

BRAP4

R$ 28,71

+3,05%

BBAS3

R$ 31,01

+0,87%

BRKM5

R$ 49,20

+0,14%

BRFS3

R$ 23,71

+1,67%

BPAC11

R$ 19,90

+5,40%

CRFB3

R$ 15,04

+2,94%

CCRO3

R$ 11,34

+0,08%

CMIG4

R$ 12,96

+1,64%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,08

+1,46%

COGN3

R$ 2,20

-2,22%

CPLE6

R$ 6,49

+2,04%

CSAN3

R$ 21,97

+3,09%

CPFE3

R$ 26,67

+1,79%

CVCB3

R$ 11,56

+4,23%

CYRE3

R$ 14,75

+7,58%

ECOR3

R$ 7,29

+1,67%

ELET3

R$ 33,04

+4,22%

ELET6

R$ 32,35

+3,32%

EMBR3

R$ 20,58

-2,78%

ENBR3

R$ 21,64

+2,36%

ENGI11

R$ 41,31

+0,07%

ENEV3

R$ 12,91

+2,86%

EGIE3

R$ 39,33

+1,60%

EQTL3

R$ 22,20

+1,64%

EZTC3

R$ 18,90

+6,41%

FLRY3

R$ 18,13

+1,62%

GGBR4

R$ 29,04

+1,53%

GOAU4

R$ 12,11

+2,45%

GOLL4

R$ 16,45

+0,42%

NTCO3

R$ 20,87

+3,11%

HAPV3

R$ 10,92

+3,80%

HYPE3

R$ 28,42

+1,39%

IGTA3

R$ 33,24

+0,00%

GNDI3

R$ 63,74

+3,64%

IRBR3

R$ 3,37

+0,59%

ITSA4

R$ 9,62

+0,10%

ITUB4

R$ 23,48

-0,67%

JBSS3

R$ 36,61

+0,02%

JHSF3

R$ 4,95

+1,22%

KLBN11

R$ 25,69

+2,22%

RENT3

R$ 49,85

+0,28%

LCAM3

R$ 22,45

+0,99%

LWSA3

R$ 8,64

+12,64%

LAME4

R$ 6,28

+9,40%

LREN3

R$ 24,85

+5,74%

MGLU3

R$ 6,31

+7,13%

MRFG3

R$ 22,69

+0,30%

BEEF3

R$ 9,87

-1,30%

MRVE3

R$ 11,24

+4,46%

MULT3

R$ 18,75

+2,40%

PCAR3

R$ 19,98

+1,62%

PETR3

R$ 34,25

-0,92%

PETR4

R$ 31,49

-0,47%

VBBR3

20,52

+4,69%

PRIO3

R$ 23,99

+0,29%

QUAL3

R$ 16,64

+3,61%

RADL3

R$ 20,54

-0,19%

RAIL3

R$ 16,73

+2,01%

SBSP3

R$ 35,69

+2,38%

SANB11

R$ 31,52

+0,19%

CSNA3

R$ 26,47

+2,63%

SULA11

R$ 23,77

+5,45%

SUZB3

R$ 61,85

-0,41%

TAEE11

R$ 36,81

+1,74%

VIVT3

R$ 48,69

+2,26%

TIMS3

R$ 12,99

+2,20%

TOTS3

R$ 25,30

+4,67%

UGPA3

R$ 13,23

+3,19%

USIM5

R$ 16,75

+1,27%

VALE3

R$ 88,21

+2,20%

VIIA3

R$ 4,00

+6,66%

WEGE3

R$ 30,50

-0,13%

YDUQ3

R$ 19,37

-1,32%

Opinião: teremos um Dilma 2?

tcschool

19 AGO

3 MIN

Opinião: teremos um Dilma 2?

Por Paulo Amilton Maia Leite Filho, doutor em Economia e Chefe do Departamento de Economia da UFPB

O populismo sempre oferece o caminho do direito fácil sem deveres, de realizações sem esforços. (Sebastián Piñera).

Quando tudo eram flores

O segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff foi caracterizado por uma recessão nunca vista na história deste país. Tal fato aconteceu porque no primeiro mandato o governo empreendeu um conjunto de políticas públicas que levaram o orçamento público a ter déficits crescentes.

Na ocasião não se percebeu por conta das maquiagens proporcionadas pela contabilidade criativa empregada pelo secretário do tesouro nacional à época.

Relembro tal fato porque parece que teremos a repetição do mesmo cenário de gastos acima da capacidade de arrecadação do primeiro governo Dilma.

O plano inicial do atual governo era bem liberal. Com anúncios de privatizações, reformas tributárias e trabalhistas pró mercado com a intenção de manter a inflação em níveis aceitáveis e crescimento econômico elevado, de tal forma que a reeleição em 2022 fosse crível.

As pedras no caminho

Mas aí veio o Covid-19 para estragar a festa. Num primeiro momento, se ensaiou um respeito obsequioso ao orçamento, com o governo se posicionando contra a concessão de várias transferências de renda, tanto diretamente para as famílias como para as empresas.

O Congresso Nacional informou que aquele respeito não seria levado em consideração e encaminhou várias propostas de transferências, sendo a mais comentada a ajuda emergencial a pessoas em situação de vulnerabilidade pela perda de renda devido ao distanciamento social.

A princípio o governo rejeitou a ideia, denominando-a de o caminho seguro ao socialismo. Depois passou a aceitar, mas no valor R$200. A Câmara dos Deputados, na pessoa de seu presidente Rodrigo Maia, indicou que seria de R$500. Seguindo o ditado do Barão de Itararé, que dizia, “sou pela moralidade, mas se não for possível, que locupletemos todos”, aumentou para R$600 e apenas em três vezes. Depois percebeu que o caminho seguro ao socialismo podia ser, na realidade, o caminho seguríssimo para a reeleição, e prorrogou por mais dois meses. Com o anúncio pelo Datafolha da pesquisa que indica substancial melhora nos índices de aceitação da população ao governo, principalmente nas camadas mais pobres e no eleitorado nordestino, já fala em torná-lo permanente. Ou seja, que locupletemos todos.

As mudanças trazidas pela pandemia

A pandemia provocou uma reviravolta no atual governo. Com medo do impeachment, trocou a estratégia política e de comunicação. Na área política, mandou embora, ou mandou calar a boca, a maioria dos apoiadores raiz do governo ao dar a articulação política no congresso ao Centrão.

Na área de comunicação, nomeou um expoente deste bloco político, senhor Fábio Farias, para o ministério das comunicações. Este exigiu que as entrevistas no cercadinho cessassem e, além do mais, mandou que ele passasse a falar português e abandonasse seu típico Bolsonarês castiço.

No campo econômico, passou a flertar com atitudes bem populistas. O teto de gasto passou a ser um problema. Privatizar, nem pensar. Usar o mercado para financiar projetos estruturadores aproveitando dos juros baixos atuais, nem de longe. Precisasse abrir os cofres públicos para garantir apoio dos políticos.

Provavelmente, o atual governo tenta não sofrer das consequências políticas da interrupção da ajuda emergencial. Como bem lembrou o professor Affonso Celso Pastore em sua coluna semanal no Estadão de 16/08/2020, Richard Thaler, prêmio Nobel de economia de 2017, dizia que as pessoas avaliam de forma mais forte perdas do que ganhos. Ou seja, a perda do benefício terá mais impacto negativo do que a satisfação de um dia o ter recebido.

Para não ver sua popularidade ir de morro abaixo, e ver todo seu esforço de se reconstruir ao controlar sua verborragia insana, o presidente já começou o discurso político para que o teto do gasto seja abandonado. Pediu mais patriotismo aos empresários e que o ministro Paulo Guedes não seja tão radical na defesa do controle de gastos.

Conclusão

Dilma dizia que gastos sociais eram vidas e que controle orçamentário era privilégio de sociedades ricas e menos desiguais. Para Bolsonaro, gastos sociais representam sua continuidade política. Com o estouro e maquiagem do orçamento, Dilma viu seu segundo mandato ser encurtado.

Com o desrespeito a lei do teto de gastos, o governo atual promete outro estouro. A história vai dizer se vai acabar em outro encurtamento de mandato presidencial. Mas o populismo de soluções fáceis sempre cobra seu preço. Como dizia Nicolau Maquiavel, quem sempre procura facilidades, termina encontrando dificuldades.

A sua escola como investidor

Aprenda tudo sobre contabilidade

E-BOOK

Aprenda tudo sobre contabilidade

Neste e-book — “Contabilidade”, trazemos informações e conceitos importantes sobre contabilidade financeira.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.