IBOV

106.927,79 pts

+1,32%

SP500

4.653,75 pts

-0,20%

DJIA

35.874,63 pts

-0,10%

NASDAQ

15.548,25 pts

-0,41%

IFIX

2.782,90 pts

+0,66%

BRENT

US$ 86,14

+0,09%

IO62

¥ 705,00

-2,35%

TRAD3

R$ 4,60

+3,37%

ABEV3

R$ 15,10

+0,73%

AMER3

R$ 30,31

+2,43%

ASAI3

R$ 12,13

+0,91%

AZUL4

R$ 26,33

+1,07%

B3SA3

R$ 12,22

+5,43%

BIDI11

R$ 23,85

+7,91%

BBSE3

R$ 19,45

+1,40%

BRML3

R$ 8,40

+7,00%

BBDC3

R$ 17,44

+1,51%

BBDC4

R$ 20,87

+1,60%

BRAP4

R$ 27,52

+0,51%

BBAS3

R$ 30,41

+2,56%

BRKM5

R$ 52,16

+0,21%

BRFS3

R$ 24,30

+1,20%

BPAC11

R$ 19,83

+2,95%

CRFB3

R$ 14,40

+1,40%

CCRO3

R$ 11,39

-0,08%

CMIG4

R$ 12,73

+0,23%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,01

-0,49%

COGN3

R$ 2,16

+3,84%

CPLE6

R$ 6,34

+1,76%

CSAN3

R$ 21,22

+0,80%

CPFE3

R$ 25,95

+0,38%

CVCB3

R$ 11,71

-2,00%

CYRE3

R$ 14,14

-0,35%

ECOR3

R$ 7,18

-0,27%

ELET3

R$ 31,61

+0,60%

ELET6

R$ 31,09

+0,09%

EMBR3

R$ 22,01

-0,58%

ENBR3

R$ 20,80

+1,56%

ENGI11

R$ 40,97

+0,44%

ENEV3

R$ 12,64

+3,86%

EGIE3

R$ 38,39

+0,26%

EQTL3

R$ 22,62

+0,13%

EZTC3

R$ 18,61

+1,63%

FLRY3

R$ 17,93

+2,45%

GGBR4

R$ 28,28

+0,03%

GOAU4

R$ 11,73

-0,08%

GOLL4

R$ 16,93

+1,07%

NTCO3

R$ 21,80

-0,09%

HAPV3

R$ 10,31

+1,37%

HYPE3

R$ 28,00

+3,35%

IGTA3

R$ 33,24

+0,00%

GNDI3

R$ 60,47

+1,59%

IRBR3

R$ 3,54

+0,28%

ITSA4

R$ 9,67

+1,15%

ITUB4

R$ 23,50

-0,76%

JBSS3

R$ 37,39

+0,89%

JHSF3

R$ 4,85

+2,32%

KLBN11

R$ 25,32

-0,66%

RENT3

R$ 51,27

+3,68%

LCAM3

R$ 22,88

+3,43%

LWSA3

R$ 8,39

-4,11%

LAME4

R$ 5,68

+1,97%

LREN3

R$ 23,97

-3,19%

MGLU3

R$ 6,33

+3,94%

MRFG3

R$ 23,51

+3,38%

BEEF3

R$ 10,27

+1,68%

MRVE3

R$ 11,09

+1,37%

MULT3

R$ 18,49

+2,04%

PCAR3

R$ 19,91

+1,47%

PETR3

R$ 34,56

+2,09%

PETR4

R$ 31,45

+3,72%

VBBR3

19,83

-1,49%

PRIO3

R$ 22,90

+3,99%

QUAL3

R$ 15,93

+2,64%

RADL3

R$ 21,04

+0,19%

RAIL3

R$ 16,31

+0,30%

SBSP3

R$ 35,11

-0,39%

SANB11

R$ 31,86

+1,14%

CSNA3

R$ 25,72

-1,75%

SULA11

R$ 23,03

-1,03%

SUZB3

R$ 62,77

+0,38%

TAEE11

R$ 36,06

+0,05%

VIVT3

R$ 46,88

-0,34%

TIMS3

R$ 12,63

-0,62%

TOTS3

R$ 25,20

-0,07%

UGPA3

R$ 13,16

-1,64%

USIM5

R$ 16,45

+0,48%

VALE3

R$ 84,69

+0,58%

VIIA3

R$ 3,97

-0,50%

WEGE3

R$ 30,70

+6,04%

YDUQ3

R$ 18,90

+1,66%

IBOV

106.927,79 pts

+1,32%

SP500

4.653,75 pts

-0,20%

DJIA

35.874,63 pts

-0,10%

NASDAQ

15.548,25 pts

-0,41%

IFIX

2.782,90 pts

+0,66%

BRENT

US$ 86,14

+0,09%

IO62

¥ 705,00

-2,35%

TRAD3

R$ 4,60

+3,37%

ABEV3

R$ 15,10

+0,73%

AMER3

R$ 30,31

+2,43%

ASAI3

R$ 12,13

+0,91%

AZUL4

R$ 26,33

+1,07%

B3SA3

R$ 12,22

+5,43%

BIDI11

R$ 23,85

+7,91%

BBSE3

R$ 19,45

+1,40%

BRML3

R$ 8,40

+7,00%

BBDC3

R$ 17,44

+1,51%

BBDC4

R$ 20,87

+1,60%

BRAP4

R$ 27,52

+0,51%

BBAS3

R$ 30,41

+2,56%

BRKM5

R$ 52,16

+0,21%

BRFS3

R$ 24,30

+1,20%

BPAC11

R$ 19,83

+2,95%

CRFB3

R$ 14,40

+1,40%

CCRO3

R$ 11,39

-0,08%

CMIG4

R$ 12,73

+0,23%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,01

-0,49%

COGN3

R$ 2,16

+3,84%

CPLE6

R$ 6,34

+1,76%

CSAN3

R$ 21,22

+0,80%

CPFE3

R$ 25,95

+0,38%

CVCB3

R$ 11,71

-2,00%

CYRE3

R$ 14,14

-0,35%

ECOR3

R$ 7,18

-0,27%

ELET3

R$ 31,61

+0,60%

ELET6

R$ 31,09

+0,09%

EMBR3

R$ 22,01

-0,58%

ENBR3

R$ 20,80

+1,56%

ENGI11

R$ 40,97

+0,44%

ENEV3

R$ 12,64

+3,86%

EGIE3

R$ 38,39

+0,26%

EQTL3

R$ 22,62

+0,13%

EZTC3

R$ 18,61

+1,63%

FLRY3

R$ 17,93

+2,45%

GGBR4

R$ 28,28

+0,03%

GOAU4

R$ 11,73

-0,08%

GOLL4

R$ 16,93

+1,07%

NTCO3

R$ 21,80

-0,09%

HAPV3

R$ 10,31

+1,37%

HYPE3

R$ 28,00

+3,35%

IGTA3

R$ 33,24

+0,00%

GNDI3

R$ 60,47

+1,59%

IRBR3

R$ 3,54

+0,28%

ITSA4

R$ 9,67

+1,15%

ITUB4

R$ 23,50

-0,76%

JBSS3

R$ 37,39

+0,89%

JHSF3

R$ 4,85

+2,32%

KLBN11

R$ 25,32

-0,66%

RENT3

R$ 51,27

+3,68%

LCAM3

R$ 22,88

+3,43%

LWSA3

R$ 8,39

-4,11%

LAME4

R$ 5,68

+1,97%

LREN3

R$ 23,97

-3,19%

MGLU3

R$ 6,33

+3,94%

MRFG3

R$ 23,51

+3,38%

BEEF3

R$ 10,27

+1,68%

MRVE3

R$ 11,09

+1,37%

MULT3

R$ 18,49

+2,04%

PCAR3

R$ 19,91

+1,47%

PETR3

R$ 34,56

+2,09%

PETR4

R$ 31,45

+3,72%

VBBR3

19,83

-1,49%

PRIO3

R$ 22,90

+3,99%

QUAL3

R$ 15,93

+2,64%

RADL3

R$ 21,04

+0,19%

RAIL3

R$ 16,31

+0,30%

SBSP3

R$ 35,11

-0,39%

SANB11

R$ 31,86

+1,14%

CSNA3

R$ 25,72

-1,75%

SULA11

R$ 23,03

-1,03%

SUZB3

R$ 62,77

+0,38%

TAEE11

R$ 36,06

+0,05%

VIVT3

R$ 46,88

-0,34%

TIMS3

R$ 12,63

-0,62%

TOTS3

R$ 25,20

-0,07%

UGPA3

R$ 13,16

-1,64%

USIM5

R$ 16,45

+0,48%

VALE3

R$ 84,69

+0,58%

VIIA3

R$ 3,97

-0,50%

WEGE3

R$ 30,70

+6,04%

YDUQ3

R$ 18,90

+1,66%

O Covid-19 e a economia brasileira (Parte 2)

tcschool

18 MAR

4 MIN

O Covid-19 e a economia brasileira (Parte 2)

Em 02 de março do corrente ano eu escrevi um texto sobre a necessidade urgente de se aprovar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) de número 186/2019 – num ambiente de Covid-19 (Coronavirus) – conhecida como PEC Emergencial.

Esta PEC Emergencial, basicamente, institui mecanismos de ajustes fiscais.

Por Paulo Amilton Maia Leite Filho

Recapitulando o texto Covid-19, a economia brasileira e a PEC Emergencial

No caso da União, o ajuste no teto dos gastos ocorre quando as operações de crédito excedam as despesas de capital. Para os Estados e Municípios, quando as despesas correntes superem 95% as receitas correntes.

Covid-19 efeito na economia brasileira

Afirmei, no texto sobre o efeito do Covid-19 na economia brasileira, que a aprovação deveria ser prioridade no congresso e um dos motivos seria a eminente expansão dos contágios do coronavírus (COVID-19).

Novidades sobre o Covid-19 e a economia brasileira

Pois bem, só se passaram 15 dias e o Covid-19 já está causando reações responsáveis, diga-se de passagem, das autoridades de saúde da União, dos Estados e Municípios.

O número mágico de uma epidemia é R, sendo R0 o número de infecções causadas por um paciente já infectado sem que haja nenhuma reação da comunidade em que o vírus está circulando.

No caso do COVID-19, o R0 é estimado entre 2,6 e 3,9. Ou seja, no mínimo o paciente infectado contamina 2,6 pessoas e no máximo 3,9.

No entanto, a comunidade reage ao estabelecer maneiras deste R0 diminuir.

Como não existe vacina ainda disponibilizada, a única maneira daquilo acontecer é fazer com que os pacientes infectados não entrem em contato com pessoas saudáveis.

Implicações da quarentena do Covid-19 para a economia brasileira

As soluções viáveis para conter o avanço do Covid-19 implicam em confinamento da população.

Confinamento da população implica que várias atividades econômicas não acontecerão. Sem elas, não se gera renda. Estando sem renda, não temos arrecadação de impostos.

Reduzindo a arrecadação de impostos, a situação fiscal, que estava melhorando, tende a ter esta trajetória de melhoria abortada.

Situação da Dívida Bruta brasileira com o Covid-19

A Dívida Bruta (DB) de todos os entes estatais chegou perto de 80% do PIB em 2019, mas houve diminuição para 76,1% em janeiro de 2020, segundo as contas consolidadas do setor público publicadas pelo Banco Central (BACEN).

Isto se deveu basicamente à queda da taxa básica de juros. A projeção é que a dívida deveria atingir 77,9% do PIB no fim de 2020, 78,2% em 2021 e 79,4% em 2022.

Esses números se referem ao conjunto formado pelas administrações da União, Estados e dos Municípios. A maior parte corresponde aos compromissos do poder central.

Com o COVID-19 esta trajetória não mais se confirmará, pois gastos com o controle da propagação serão realizados!

É possível abrir espaço no orçamento para conter o Covid-19?

Para viabilizar aqueles gastos citados na sessão anterior, deve-se abrir espaço no orçamento. Mas esta abertura implica em discussão no congresso.

Contudo, como dizia Gilberto Amado no livro “Presença Política” publicado na década de 20 do século passado:

No Brasil, desaforo é que é combate, Luta política é descompostura

Quando não há alinhamento do congresso com o governo, como está acontecendo agora, com agressões de parte a parte, generalizam-se questões de curto prazo, na qual a preocupação com a sustentabilidade fiscal sumiu e os parlamentares focando no retorno político imediato.

Foi isto que aconteceu na semana passada com a derrubada do veto do presidente Bolsonaro em relação ao Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Um aumento de gastos estimados em R$20 bilhões sem indicação de receita!

O que ocorre na política brasileira e em outros países?

A derrubada do BPC foi um claro recado do congresso de que não está aceitando o tipo de tratamento que a trupe bolsonarista está desferindo na classe política brasileira.

O presidente da França, Manoel Macron, determinou a suspensão do pagamento de impostos por seis meses e abertura de crédito para ajudar as empresas a pagarem salários.

O Banco Central do EUA (FED) diminuiu ainda mais a taxa básica juros para tentar estimular a economia americana.

Provavelmente estas atitudes vão acontecer no Brasil, mas não existe espaço no orçamento.

É possível desrespeitar a lei do teto dos gastos?

Alguns economistas estão advogando sobre o desrespeito à lei do teto de gastos aprovada no Governo Temer. Como se fosse necessário fazer isto!

Esta medida é temerária, dado que as situações de calamidade pública não são sujeitas ao teto. Deve-se ter em mente que a lei do teto de gastos estabeleceu tetos para os poderes.

Neste ano, o judiciário e legislativo devem cumpri-lo. Liberar estes poderes da obrigação do teto certamente vai aguçar o apetite dos mesmos por aumentos salariais.

O que se deve fazer agora?

O que se precisa agora é dirigir recursos para a atividade privada e para aquelas pessoas menos assistidas em termos de renda.

Deve-se priorizar as atividades econômicas pequenas, e até mesmos as informais.

São essas atividades que muitas vezes suprem as cadeias formais da economia. Também se deve cuidar daqueles que estão à margem da sociedade, o vendedor de água mineral que fica nos sinais de trânsito, as empregadas domésticas, etc.

Estes não têm colchão de renda para se proteger.

Neste ambiente, urge a aprovação da PEC 186/2019, a PEC Emergencial, para que o estado brasileiro tenha espaço no orçamento e tome atitudes que minimizem o desastre econômico e social que o COVID-19 tende a fazer na economia brasileira.

A sua escola como investidor

Aprenda tudo sobre contabilidade

E-BOOK

Aprenda tudo sobre contabilidade

Neste e-book — “Contabilidade”, trazemos informações e conceitos importantes sobre contabilidade financeira.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.