O que é Goal-Based Investing?

O que é Goal-Based Investing?

tcschool

17 AGO

3 MIN

O que é Goal-Based Investing?

Qual seu objetivo ao investir? Muita gente vai responder simplesmente “ficar rico”. Mas o conceito de riqueza é vago e variável. O que pode ser riqueza pra mim, pode ser pouco para você. Essa abstração dificulta para muitas pessoas a relação com o investimento, há quem precise de objetivos factíveis e claros. E, para isso, existe uma forma bem direta de pensar nos investimentos: Goal-Based Investing.

O “Investimento Por Objetivo”, em tradução livre, é uma forma de investir onde a alocação é definida de acordo com os objetivos pessoais. Não conhece? Pois bem, trataremos dele hoje. Neste texto você encontrará os seguintes tópicos:

  • Por que você investe?
  • Goal-Based Investing: o que é?
  • Trabalho facilitado

Boa leitura!

Leia mais sobre os primeiros passos nos investimentos:

Por que você investe?

Essa foi a pergunta que abriu o texto de hoje. Qual o motivo de seus investimentos? Pergunta pessoal e que não tem certo nem errado como resposta. Entretanto, o objetivo de muitos é claramente enriquecer. Para isso, focam exclusivamente na rentabilidade. A busca por uma rentabilidade maior a cada mês.

Este é o modo mais comum de se investir, principalmente aqui no Brasil. Dessa maneira, a alocação dos ativos tem como base o perfil do investidor e a busca por essa rentabilidade crescente. É o que vemos no dia a dia.

Porém, existe outra maneira de lidar com o patrimônio investido. Crescente nos Estados Unidos, ela ainda não tem grande força aqui no Brasil, mas pode ser uma alternativa para te ajudar a preparar, acompanhar e designar seus investimentos. É o Goal-Based Investing.

Goal Based Investing: o que é?

Pela tradução livre, o Goal-Based Investing significa investir por objetivos. E essa tradução pode ser levada adiante. Com essa filosofia, o investidor faz a gestão de seus recursos com base em metas e objetivos pessoais ou familiares. Assim, a ideia é permitir que se tenha uma visão clara dos investimentos, que serão sempre ligados a conquistas.

Isso não quer dizer que a rentabilidade não fará sentido, ela continuará sendo importante. Mas ela não será a primeira coisa a ser observada na montagem do portfólio. A filosofia indica que o investidor deverá se preocupar em como montar a carteira que fará atingir determinado objetivo. Assim, a pergunta deixar de ser:

“Qual ativo vai render mais no próximo ano?”

E passa a ser:

“Quais ativos me ajudarão a atingir esse objetivo de maneira mais tranquila?”

Dessa forma, dentro esses objetivos, podemos colocar a compra de uma casa, a troca do carro, uma viagem, a aposentadoria, o acúmulo do primeiro milhão. É pessoal e livre. Cada objetivo recebe uma carteira específica de acordo com as condições básicas de:

– Montante necessário

– Tempo

– Liquidez necessária

– Risco permitido.

Diante disso, com essas informações, já deu para perceber que alguns critérios precisam ficar bem claros, não é? É preciso separar objetivos de curto, médio e longo prazo. Com isso, podemos entender melhor as classes de ativos que poderão se encaixar em cada um dos objetivos. E aí você saberá o quão perto está de realizá-los. Além de ter ciência do caminho que deve percorrer até lá.

Trabalho facilitado

Gosto bastante do GBI porque ele ajuda a driblar algumas pegadinhas de nosso cérebro. Ele costuma nos pregar peças para que evitemos sair da zona de conforto. Não é fácil para todo mundo manter a regularidade nos investimentos se não há um objetivo definido. Perde-se de vista o momento de aproveitar o que todo o sacrifício vai proporcionar. E terminamos deixando as coisas pelo meio do caminho.

Ao separar os investimentos por objetivos, vemos claramente o que estamos fazendo por eles e temos a noção de quando virá a parte “boa”. A construção e o acompanhamento da carteira se tornam mais tranquilos. Com os investimentos atrelados à realização de cada objetivo, você sabe por que está se esforçando para poupar aquele dinheiro e quando vai poder ter a “bonificação” por aquele esforço. Além de ter claramente a distância que o separa de cada realização.

Nesse sentindo, o trabalho fica mais tranquilo. Acredito ser uma forma do investidor comum não se perder na montagem da carteira, entender o que faz com cada classe de ativo e evitar ser enganado pelo próprio cérebro.

Investir através do Goal-Based Investing não é o convencional, mas pode ser um grande aliado para o seu futuro.

Raphael Carneiro
Raphael Carneiro
Jornalista e investidor
Trabalha com educação e planejamento financeiro. Possui certificação em Gestão de Finanças Pessoais e atua no mercado financeiro brasileiro há cinco anos.

A sua escola como investidor

Aprenda tudo sobre contabilidade

E-BOOK

Aprenda tudo sobre contabilidade

Neste e-book — “Contabilidade”, trazemos informações e conceitos importantes sobre contabilidade financeira.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.