IBOV

108.013,47 pts

+1,26%

SP500

4.549,99 pts

+0,38%

DJIA

35.136,06 pts

+0,31%

NASDAQ

15.141,36 pts

+0,62%

IFIX

2.807,06 pts

+0,17%

BRENT

US$ 87,92

-0,59%

IO62

¥ 741,50

+1,23%

TRAD3

R$ 4,18

-2,10%

ABEV3

R$ 14,54

-0,27%

AMER3

R$ 33,20

+9,89%

ASAI3

R$ 12,03

+0,92%

AZUL4

R$ 25,27

-1,32%

B3SA3

R$ 12,26

-0,40%

BIDI11

R$ 22,50

+8,69%

BBSE3

R$ 20,68

+1,82%

BRML3

R$ 8,73

+4,55%

BBDC3

R$ 17,62

-0,11%

BBDC4

R$ 21,10

-1,26%

BRAP4

R$ 28,71

+3,05%

BBAS3

R$ 31,01

+0,87%

BRKM5

R$ 49,20

+0,14%

BRFS3

R$ 23,71

+1,67%

BPAC11

R$ 19,90

+5,40%

CRFB3

R$ 15,04

+2,94%

CCRO3

R$ 11,34

+0,08%

CMIG4

R$ 12,96

+1,64%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,08

+1,46%

COGN3

R$ 2,20

-2,22%

CPLE6

R$ 6,49

+2,04%

CSAN3

R$ 21,97

+3,09%

CPFE3

R$ 26,67

+1,79%

CVCB3

R$ 11,56

+4,23%

CYRE3

R$ 14,75

+7,58%

ECOR3

R$ 7,29

+1,67%

ELET3

R$ 33,04

+4,22%

ELET6

R$ 32,35

+3,32%

EMBR3

R$ 20,58

-2,78%

ENBR3

R$ 21,64

+2,36%

ENGI11

R$ 41,31

+0,07%

ENEV3

R$ 12,91

+2,86%

EGIE3

R$ 39,33

+1,60%

EQTL3

R$ 22,20

+1,64%

EZTC3

R$ 18,90

+6,41%

FLRY3

R$ 18,13

+1,62%

GGBR4

R$ 29,04

+1,53%

GOAU4

R$ 12,11

+2,45%

GOLL4

R$ 16,45

+0,42%

NTCO3

R$ 20,87

+3,11%

HAPV3

R$ 10,92

+3,80%

HYPE3

R$ 28,42

+1,39%

IGTA3

R$ 33,24

+0,00%

GNDI3

R$ 63,74

+3,64%

IRBR3

R$ 3,37

+0,59%

ITSA4

R$ 9,62

+0,10%

ITUB4

R$ 23,48

-0,67%

JBSS3

R$ 36,61

+0,02%

JHSF3

R$ 4,95

+1,22%

KLBN11

R$ 25,69

+2,22%

RENT3

R$ 49,85

+0,28%

LCAM3

R$ 22,45

+0,98%

LWSA3

R$ 8,64

+12,64%

LAME4

R$ 6,28

+9,40%

LREN3

R$ 24,85

+5,74%

MGLU3

R$ 6,31

+7,13%

MRFG3

R$ 22,69

+0,30%

BEEF3

R$ 9,87

-1,30%

MRVE3

R$ 11,24

+4,46%

MULT3

R$ 18,75

+2,40%

PCAR3

R$ 19,98

+1,62%

PETR3

R$ 34,25

-0,92%

PETR4

R$ 31,49

-0,47%

VBBR3

20,52

+4,69%

PRIO3

R$ 23,99

+0,29%

QUAL3

R$ 16,64

+3,61%

RADL3

R$ 20,54

-0,19%

RAIL3

R$ 16,73

+2,01%

SBSP3

R$ 35,69

+2,38%

SANB11

R$ 31,52

+0,19%

CSNA3

R$ 26,47

+2,63%

SULA11

R$ 23,77

+5,45%

SUZB3

R$ 61,85

-1,59%

TAEE11

R$ 36,81

+1,74%

VIVT3

R$ 48,69

+2,26%

TIMS3

R$ 12,99

+2,20%

TOTS3

R$ 25,30

+4,67%

UGPA3

R$ 13,23

+3,19%

USIM5

R$ 16,75

+1,26%

VALE3

R$ 88,21

+2,20%

VIIA3

R$ 4,00

+6,66%

WEGE3

R$ 30,50

-0,13%

YDUQ3

R$ 19,37

-1,32%

IBOV

108.013,47 pts

+1,26%

SP500

4.549,99 pts

+0,38%

DJIA

35.136,06 pts

+0,31%

NASDAQ

15.141,36 pts

+0,62%

IFIX

2.807,06 pts

+0,17%

BRENT

US$ 87,92

-0,59%

IO62

¥ 741,50

+1,23%

TRAD3

R$ 4,18

-2,10%

ABEV3

R$ 14,54

-0,27%

AMER3

R$ 33,20

+9,89%

ASAI3

R$ 12,03

+0,92%

AZUL4

R$ 25,27

-1,32%

B3SA3

R$ 12,26

-0,40%

BIDI11

R$ 22,50

+8,69%

BBSE3

R$ 20,68

+1,82%

BRML3

R$ 8,73

+4,55%

BBDC3

R$ 17,62

-0,11%

BBDC4

R$ 21,10

-1,26%

BRAP4

R$ 28,71

+3,05%

BBAS3

R$ 31,01

+0,87%

BRKM5

R$ 49,20

+0,14%

BRFS3

R$ 23,71

+1,67%

BPAC11

R$ 19,90

+5,40%

CRFB3

R$ 15,04

+2,94%

CCRO3

R$ 11,34

+0,08%

CMIG4

R$ 12,96

+1,64%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,08

+1,46%

COGN3

R$ 2,20

-2,22%

CPLE6

R$ 6,49

+2,04%

CSAN3

R$ 21,97

+3,09%

CPFE3

R$ 26,67

+1,79%

CVCB3

R$ 11,56

+4,23%

CYRE3

R$ 14,75

+7,58%

ECOR3

R$ 7,29

+1,67%

ELET3

R$ 33,04

+4,22%

ELET6

R$ 32,35

+3,32%

EMBR3

R$ 20,58

-2,78%

ENBR3

R$ 21,64

+2,36%

ENGI11

R$ 41,31

+0,07%

ENEV3

R$ 12,91

+2,86%

EGIE3

R$ 39,33

+1,60%

EQTL3

R$ 22,20

+1,64%

EZTC3

R$ 18,90

+6,41%

FLRY3

R$ 18,13

+1,62%

GGBR4

R$ 29,04

+1,53%

GOAU4

R$ 12,11

+2,45%

GOLL4

R$ 16,45

+0,42%

NTCO3

R$ 20,87

+3,11%

HAPV3

R$ 10,92

+3,80%

HYPE3

R$ 28,42

+1,39%

IGTA3

R$ 33,24

+0,00%

GNDI3

R$ 63,74

+3,64%

IRBR3

R$ 3,37

+0,59%

ITSA4

R$ 9,62

+0,10%

ITUB4

R$ 23,48

-0,67%

JBSS3

R$ 36,61

+0,02%

JHSF3

R$ 4,95

+1,22%

KLBN11

R$ 25,69

+2,22%

RENT3

R$ 49,85

+0,28%

LCAM3

R$ 22,45

+0,98%

LWSA3

R$ 8,64

+12,64%

LAME4

R$ 6,28

+9,40%

LREN3

R$ 24,85

+5,74%

MGLU3

R$ 6,31

+7,13%

MRFG3

R$ 22,69

+0,30%

BEEF3

R$ 9,87

-1,30%

MRVE3

R$ 11,24

+4,46%

MULT3

R$ 18,75

+2,40%

PCAR3

R$ 19,98

+1,62%

PETR3

R$ 34,25

-0,92%

PETR4

R$ 31,49

-0,47%

VBBR3

20,52

+4,69%

PRIO3

R$ 23,99

+0,29%

QUAL3

R$ 16,64

+3,61%

RADL3

R$ 20,54

-0,19%

RAIL3

R$ 16,73

+2,01%

SBSP3

R$ 35,69

+2,38%

SANB11

R$ 31,52

+0,19%

CSNA3

R$ 26,47

+2,63%

SULA11

R$ 23,77

+5,45%

SUZB3

R$ 61,85

-1,59%

TAEE11

R$ 36,81

+1,74%

VIVT3

R$ 48,69

+2,26%

TIMS3

R$ 12,99

+2,20%

TOTS3

R$ 25,30

+4,67%

UGPA3

R$ 13,23

+3,19%

USIM5

R$ 16,75

+1,26%

VALE3

R$ 88,21

+2,20%

VIIA3

R$ 4,00

+6,66%

WEGE3

R$ 30,50

-0,13%

YDUQ3

R$ 19,37

-1,32%

Reforma Administrativa e a desigualdade no Brasil

tcschool

09 SET

4 MIN

Reforma Administrativa e a desigualdade no Brasil

Por Paulo Amilton Maia Leite Filho

 

No dia primeiro de setembro do corrente ano o IBGE divulgou o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo semestre. O número divulgado foi bem ruim, queda de 11,4% quando comparado ao segundo trimestre de 2019 e 9,7% quando a comparação é feita com o primeiro trimestre deste ano.

Com aquela divulgação, várias vozes se levantaram para que reformas que contribuam com a diminuição do déficit público fossem discutidas no congresso e implementadas pelo governo. Entre estas reformas se destacam a reforma tributária, que já tinha sido enviada pelo atual governo, e a reforma administrativa 2020, que foi idealizada por Paulo Guedes e teve sua primeira parte enviada ao congresso na semana que passou.

Ilustração representando reforma administrativa

Leia mais artigos de opinião:

O que é a reforma administrativa 2020

A ideia básica da reforma administrativa é controlar os gastos com a folha salarial dos servidores públicos. Argumenta-se que em 2019 foram desembolsados R$928 bilhões para pagar os servidores públicos federais, estaduais e municipais, o equivalente a 13,7% do PIB. Asseguram que este percentual de gastos é maior do que o despendido em saúde, que representa 3,6% do PIB, e educação, com 6% do PIB.

Reforma administrativa para combater a desigualdade

Outra estatística fornecida pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) assegura que os salários médios pagos aos servidores públicos, principalmente os servidores públicos federais é, em média, 109,83% maiores do que seu equivalente no setor privado. Segundo esses dados, um assistente administrativo no setor público brasileiro recebeu em 2019 aproximadamente R$3.359,90 e seu equivalente na iniciativa privada 1.680,50, uma diferença de 82,5%. Já um auxiliar de escritório no setor público fez jus a um salário de 3.242,54 e seu companheiro de trabalho no setor privado 1.640,43, uma diferença e 97,66%.  Argumenta, ainda, que a produtividade do servidor público é menor do que sua contraparte no setor privado. Sendo assim, advogam uma reforma que corrija essas distorções.

Atendendo a esses reclames, o atual governo enviou a primeira parte de uma proposta de reforma administrativa que tem por objetivo reduzir o número de carreiras no setor público, a restrição do direito à estabilidade, concentrando apenas nas carreiras consideradas de Estado, diminuição salarial no início da carreira do servidor e incentivos ao aumento de produtividade. No entanto, deixa de fora várias categorias, tais como juízes, militares, membros do ministério público e legislativo, ou seja, a elite dos servidores públicos.

A estatística enganosa

Utiliza-se a média salarial para justificar a proposta, mas esta medida não é boa para fazer comparações, dado que ela é refém de valores extremos (outliers).

Admita uma sequência de dez números, sendo os nove primeiros um e o último dez, e a média fosse a medida que representasse os dez elementos desta amostra. Certamente não seria uma boa representação, dado que a média se aproximará do número dez ao invés do valor um. Uma medida melhor para representar a amostra seria a mediana, pois como medida que indica posição não sofre influência dos valores extremos. No nosso exemplo a mediana seria 1, ou seja, o número que espelha melhor a amostra.

Para não cair em armadilhas estatísticas como esta, recomendamos a leitura do texto “Como mentir com estatística“, de Darrel Huff – um clássico.

O quantitativo de funcionários públicos no Brasil em 2019 era 9,77 milhões, que representam 21% da postos formais existentes no país. Admitindo que esta seria a amostra a ser estudada, veríamos que a média dos salários não é uma boa medida que a represente. Tomando a variável salário e o quantil noventa, aquele que representa os melhores salários da amostra, verificamos que não vai haver modificação nenhuma com a reforma, pois são justamente os servidores que ficaram de fora, ou seja, os juízes, desembargadores, membros do ministério público e legislativo. Estes representam os melhores salários e o maior quantitativo de gastos, mas não são numerosos.

Desigualdade enraizada

O que mais caracteriza a sociedade brasileira é sua obscena desigualdade. Em todos os campos que se observa existe desigualdade, cuja mãe é a desigualdade de oportunidades na origem da vida de qualquer brasileiro, ou seja, na primeira infância. Os cidadãos partem com a noção de que alguns terem privilégios em detrimentos de outros é natural. Alguns acham até que ostentar privilégios é um direito divino, já que o cidadão já nasceu numa família que herdou privilégios. Ou seja, foi Deus que o escolheu para desfrutar de uma vida melhor.

Para exemplificar isto, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) concedeu, de forma liminar, um funcionário público a um desembargador de São Paulo para que o mesmo o auxilie em sua casa. E não é um funcionário público qualquer. Tem que ser um que já tenha desenvolvido imunidade ao Covid-19. Ou seja, é uma pessoa que tem a mais absoluta certeza que seu trabalho é mais importante do que qualquer outro e que este o faz merecedor de uma auxiliar para digitar suas sentenças porque ele não pode fazer isto por si só.

Conclusão: reforma administrativa como instrumento de desigualdade

A reforma administrativa proposta por Paulo Guedes só aumenta a desigualdade ao excluir a elite do funcionalismo público. Ela é mais do que necessária, dado que parte dos recursos públicos que poderiam ser investidos em áreas com maior perspectivas para a sociedade brasileira. Porém, não pode ser mais um instrumento para a aumento das desigualdades na sociedade brasileira.

Confira também:

[embedyt] https://www.youtube.com/watch?v=7MHynnmaIls[/embedyt]

A sua escola como investidor

Aprenda tudo sobre contabilidade

E-BOOK

Aprenda tudo sobre contabilidade

Neste e-book — “Contabilidade”, trazemos informações e conceitos importantes sobre contabilidade financeira.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.