IBOV

108.941,68 pts

-0,14%

SP500

4.389,62 pts

-2,06%

DJIA

34.213,89 pts

-1,43%

NASDAQ

14.422,54 pts

-2,85%

IFIX

2.810,25 pts

+0,20%

BRENT

US$ 87,62

-0,68%

IO62

¥ 752,50

+1,96%

TRAD3

R$ 4,55

+2,24%

ABEV3

R$ 14,69

+1,38%

AMER3

R$ 34,97

+2,31%

ASAI3

R$ 12,02

+0,58%

AZUL4

R$ 27,61

+1,61%

B3SA3

R$ 13,64

+2,94%

BIDI11

R$ 25,29

-0,66%

BBSE3

R$ 20,62

+0,34%

BRML3

R$ 9,20

+2,22%

BBDC3

R$ 17,45

-0,51%

BBDC4

R$ 20,86

-1,04%

BRAP4

R$ 27,65

-2,36%

BBAS3

R$ 31,14

+0,41%

BRKM5

R$ 48,20

-2,01%

BRFS3

R$ 22,69

-2,86%

BPAC11

R$ 21,29

+6,98%

CRFB3

R$ 14,87

+1,50%

CCRO3

R$ 12,10

+1,42%

CMIG4

R$ 12,99

-0,15%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,07

-3,27%

COGN3

R$ 2,39

+1,70%

CPLE6

R$ 6,70

+0,60%

CSAN3

R$ 21,98

-1,87%

CPFE3

R$ 27,07

+0,78%

CVCB3

R$ 12,76

-0,07%

CYRE3

R$ 15,72

+3,21%

ECOR3

R$ 7,62

+0,26%

ELET3

R$ 33,99

+1,61%

ELET6

R$ 33,45

+2,38%

EMBR3

R$ 20,53

-2,33%

ENBR3

R$ 21,28

-0,56%

ENGI11

R$ 41,24

+0,04%

ENEV3

R$ 12,93

-0,07%

EGIE3

R$ 39,18

-0,55%

EQTL3

R$ 22,14

-0,53%

EZTC3

R$ 20,51

+3,16%

FLRY3

R$ 19,13

+3,46%

GGBR4

R$ 27,46

-4,08%

GOAU4

R$ 11,47

-3,61%

GOLL4

R$ 17,06

+0,29%

NTCO3

R$ 23,17

+4,27%

HAPV3

R$ 11,62

+3,75%

HYPE3

R$ 29,46

+1,51%

IGTA3

R$ 33,24

+0,00%

GNDI3

R$ 67,53

+3,43%

IRBR3

R$ 3,34

-5,11%

ITSA4

R$ 9,55

-0,62%

ITUB4

R$ 23,30

+0,04%

JBSS3

R$ 36,31

-0,02%

JHSF3

R$ 5,47

+5,80%

KLBN11

R$ 24,75

-3,35%

RENT3

R$ 54,90

+1,42%

LCAM3

R$ 24,46

+0,57%

LWSA3

R$ 9,00

+4,16%

LAME4

R$ 6,55

+2,02%

LREN3

R$ 26,44

+1,14%

MGLU3

R$ 6,90

+3,75%

MRFG3

R$ 22,44

+0,40%

BEEF3

R$ 9,86

+1,02%

MRVE3

R$ 12,04

+2,03%

MULT3

R$ 19,94

+1,78%

PCAR3

R$ 19,50

-2,15%

PETR3

R$ 34,59

+0,34%

PETR4

R$ 31,77

+0,15%

VBBR3

21,40

+0,51%

PRIO3

R$ 23,60

-2,47%

QUAL3

R$ 17,01

+0,41%

RADL3

R$ 21,00

+2,68%

RAIL3

R$ 16,98

-2,86%

SBSP3

R$ 35,98

+0,81%

SANB11

R$ 31,43

+0,83%

CSNA3

R$ 25,75

-2,27%

SULA11

R$ 24,01

-1,47%

SUZB3

R$ 59,59

-1,19%

TAEE11

R$ 37,98

+0,87%

VIVT3

R$ 48,36

-0,08%

TIMS3

R$ 12,92

+0,38%

TOTS3

R$ 26,63

+0,98%

UGPA3

R$ 13,85

+1,46%

USIM5

R$ 15,86

-4,28%

VALE3

R$ 84,91

-2,07%

VIIA3

R$ 4,35

+3,32%

WEGE3

R$ 30,61

-0,42%

YDUQ3

R$ 20,42

+2,10%

IBOV

108.941,68 pts

-0,14%

SP500

4.389,62 pts

-2,06%

DJIA

34.213,89 pts

-1,43%

NASDAQ

14.422,54 pts

-2,85%

IFIX

2.810,25 pts

+0,20%

BRENT

US$ 87,62

-0,68%

IO62

¥ 752,50

+1,96%

TRAD3

R$ 4,55

+2,24%

ABEV3

R$ 14,69

+1,38%

AMER3

R$ 34,97

+2,31%

ASAI3

R$ 12,02

+0,58%

AZUL4

R$ 27,61

+1,61%

B3SA3

R$ 13,64

+2,94%

BIDI11

R$ 25,29

-0,66%

BBSE3

R$ 20,62

+0,34%

BRML3

R$ 9,20

+2,22%

BBDC3

R$ 17,45

-0,51%

BBDC4

R$ 20,86

-1,04%

BRAP4

R$ 27,65

-2,36%

BBAS3

R$ 31,14

+0,41%

BRKM5

R$ 48,20

-2,01%

BRFS3

R$ 22,69

-2,86%

BPAC11

R$ 21,29

+6,98%

CRFB3

R$ 14,87

+1,50%

CCRO3

R$ 12,10

+1,42%

CMIG4

R$ 12,99

-0,15%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,07

-3,27%

COGN3

R$ 2,39

+1,70%

CPLE6

R$ 6,70

+0,60%

CSAN3

R$ 21,98

-1,87%

CPFE3

R$ 27,07

+0,78%

CVCB3

R$ 12,76

-0,07%

CYRE3

R$ 15,72

+3,21%

ECOR3

R$ 7,62

+0,26%

ELET3

R$ 33,99

+1,61%

ELET6

R$ 33,45

+2,38%

EMBR3

R$ 20,53

-2,33%

ENBR3

R$ 21,28

-0,56%

ENGI11

R$ 41,24

+0,04%

ENEV3

R$ 12,93

-0,07%

EGIE3

R$ 39,18

-0,55%

EQTL3

R$ 22,14

-0,53%

EZTC3

R$ 20,51

+3,16%

FLRY3

R$ 19,13

+3,46%

GGBR4

R$ 27,46

-4,08%

GOAU4

R$ 11,47

-3,61%

GOLL4

R$ 17,06

+0,29%

NTCO3

R$ 23,17

+4,27%

HAPV3

R$ 11,62

+3,75%

HYPE3

R$ 29,46

+1,51%

IGTA3

R$ 33,24

+0,00%

GNDI3

R$ 67,53

+3,43%

IRBR3

R$ 3,34

-5,11%

ITSA4

R$ 9,55

-0,62%

ITUB4

R$ 23,30

+0,04%

JBSS3

R$ 36,31

-0,02%

JHSF3

R$ 5,47

+5,80%

KLBN11

R$ 24,75

-3,35%

RENT3

R$ 54,90

+1,42%

LCAM3

R$ 24,46

+0,57%

LWSA3

R$ 9,00

+4,16%

LAME4

R$ 6,55

+2,02%

LREN3

R$ 26,44

+1,14%

MGLU3

R$ 6,90

+3,75%

MRFG3

R$ 22,44

+0,40%

BEEF3

R$ 9,86

+1,02%

MRVE3

R$ 12,04

+2,03%

MULT3

R$ 19,94

+1,78%

PCAR3

R$ 19,50

-2,15%

PETR3

R$ 34,59

+0,34%

PETR4

R$ 31,77

+0,15%

VBBR3

21,40

+0,51%

PRIO3

R$ 23,60

-2,47%

QUAL3

R$ 17,01

+0,41%

RADL3

R$ 21,00

+2,68%

RAIL3

R$ 16,98

-2,86%

SBSP3

R$ 35,98

+0,81%

SANB11

R$ 31,43

+0,83%

CSNA3

R$ 25,75

-2,27%

SULA11

R$ 24,01

-1,47%

SUZB3

R$ 59,59

-1,19%

TAEE11

R$ 37,98

+0,87%

VIVT3

R$ 48,36

-0,08%

TIMS3

R$ 12,92

+0,38%

TOTS3

R$ 26,63

+0,98%

UGPA3

R$ 13,85

+1,46%

USIM5

R$ 15,86

-4,28%

VALE3

R$ 84,91

-2,07%

VIIA3

R$ 4,35

+3,32%

WEGE3

R$ 30,61

-0,42%

YDUQ3

R$ 20,42

+2,10%

A diferença entre liquidez e solvência

lincoln-silva

05 AGO

7 MIN

A diferença entre liquidez e solvência

A preocupação das empresas com sua estrutura de capital pode ser verificada em dois elementos: liquidez e solvência. Nesse artigo, vamos entender a diferença desses índices utilizados para avaliar a capacidade de pagamento da companhia. Para facilitar a leitura, separei o texto nos seguintes tópicos.

  • Liquidez e Solvência
  • Por que você deve dar atenção a isso
  • O que é importante olhar
  • Case: Via Varejo
  • Conclusão

Boa leitura!

liquidez e solvência

Liquidez e Solvência

Liquidez e Solvência são dois conceitos muito semelhantes, mas com ligeira diferença. Aqui está uma metáfora para elucidar como os termos se relacionam.

Na imagem abaixo, temos um copo à esquerda contendo água representando os ativos totais e um copo à direita com líquido vermelho representando os passivos totais. Os ativos são maiores do que os passivos.

Se derramarmos a mesma quantidade de líquido de ambos os copos, levando o passivo a zero, ainda teremos ativos suficientes. Essa situação chamamos de solvência.

ativos e passivos

Fonte: Elaboração própria

No segundo caso, os ativos são novamente maiores que os passivos, mas a natureza dos ativos é diferente. A água, representando os ativos, está congelada.

Se tivéssemos que derramar a mesma quantidade de líquido de ambos os copos, tentando zerar o passivo, não teríamos sucesso, pois os ativos não são líquidos.

ativos e passivos

Fonte: Elaboração própria

Essa situação é chamada de falta de liquidez. Precisamos fazer a água derreter.

Em termos financeiros, os ativos líquidos são coisas como dinheiro, contas a receber e estoque. Já os ativos não líquidos são imobilizados, ágio e outros ativos intangíveis. Em essência, há solvência, mas não há liquidez.

Na terceira situação, os ativos são menores do que os passivos. Se derramarmos a mesma quantidade de líquido de ambos os copos, tentando zerar os passivos, ficaremos sem ativos.

Isso é insolvência: não ter capacidade de pagar o que é devido em dia. Neste cenário, se os ativos são líquidos ou não, pouco importa.

ativos e passivos

Fonte: Elaboração própria

Liquidez

Para Gitman (2004), “A liquidez de uma empresa é medida por sua capacidade de cumprir as obrigações de curto prazo à medida que vencem”. Ou seja, a liquidez nada mais é do que a capacidade da companhia de pagar suas obrigações.

Essa análise é feita quando comparamos as contas do ativo e do passivo por meio de quatro indicadores:

  • Indicador de liquidez imediata;
  • Liquidez seca;
  • Indicador de liquidez corrente; e
  • Liquidez geral.

Aqui no blog TC School temos um artigo onde explicamos cada um desses índices:

Para Sá (2004), a geração de liquidez importa mais do que o lucro, pois o maior risco de uma empresa quebrar vem da falta de liquidez.

Insolvência

Já a insolvência refere-se a incapacidade da empresa de cumprir com suas obrigações no longo prazo, ou seja, quando o passivo é maior que o ativo (situação de passivo a descoberto).

Índices de Incerteza TC Matrix

Na plataforma do TC, em TC Matrix, você tem acesso gratuito aos índices de incertezas do TC, calculado pelo nosso time de especialistas.

O índice mede a incerteza macroeconômica observada pelos agentes do mercado.

Dessa forma, quanto maior o índice maior a incerteza na economia e, consequentemente, o risco para o investidor.

Além disso, você também tem acesso ao risco de insolvência das empresas listadas na bolsa de valores.

O modelo desenvolvido pelo TC, prevê a receita líquida das companhias com base em modelos quantitativos, com risco de erro na previsão em caso de crises no mercado ou transformações relevantes no modelo de negócios.

Esse modelo é reavaliado trimestralmente.

Taurus S.A. (TASA4)

Vamos agora olhar o caso da Taurus Armas S.A.

A Taurus é uma companhia brasileira que fabrica revólveres e ferramentas manuais, tendo se consolidado no mercado nacional e norte americano desde a década de 80 e hoje é uma das maiores fabricantes de armas leves do mundo. 

Até o terceiro trimestre de 2020, a Taurus estava em uma zona de insolvência com passivo a descoberto. Entretanto, quase 80% do endividamento era de longo prazo.

Dessa forma, podemos observar que a empresa tinha liquidez para continuar as atividades.

balanço taurus

Fonte: TC Matrix

A companhia chegou a estar muito alavancada, com uma Dívida Líquida/Ebitda chegando a 11x no final de 2018.

alavancagem-taurus

Fonte: RI Taurus

Contudo, a empresa passou por uma reestruturação, conseguindo controlar e reduzir sua dívida. Além disso, conseguiu aumentar a sua produção de forma significativa.

Ao analisarmos o risco de insolvência da TASA4 hoje, podemos verificar um índice de 14% contra 28% da média do setor

tc matrix taurus

Fonte: TC Matrix

Por que você deve dar atenção a isso

A diferença entre liquidez e solvência

Podemos dizer que a diferença entre liquidez e solvência está mais ligada aos prazos. A liquidez se comporta da mesma forma que a solvência, mas em um período mais curto.

Uma companhia ilíquida, por exemplo, pode facilmente se tornar insolvente e vice versa.

O índice de solvência é também uma medida de risco, pois uma análise correta pode impedir que uma empresa quebre devido ao seu endividamento crescente.

Nesse caso, não existe um valor ideal para todas as entidades. Um bom índice de solvência vai depender de cada setor. Entretanto, é fundamental olhar mais de perto, fazer uma análise muito além dos números.

O que é importante olhar

É importante destacar que os indicadores de liquidez e solvência não garantem que a companhia estaria em condições de pagar suas dívidas dentro do prazo.

Por exemplo, se uma empresa X possui no ativo apenas R$500.000 em contas a receber que vencem em 10 meses, e no passivo apenas R$100.000 em dívidas com fornecedores que vencem em 6 meses.

Nesse cenário, analisando apenas as contas do balanço patrimonial, poderíamos dizer que a situação de liquidez da companhia é boa, pois a empresa possui para cada R$1 de dívida, R$5 de direitos a receber.

Contudo, na realidade a companhia possui uma situação financeira delicada, tendo em vista que suas dívidas vencem 4 meses antes dos recebíveis. Ou seja, o número sozinho é apenas um número.

Por isso é muito importante olhar para os fatores qualitativos e considerar todos os aspectos antes de tomar uma decisão.

Case: Via (VIIA3)

Em março de 2020, o mercado estava bastante aflito com um possível risco de falência da Via Varejo (VIIA3).

Na época, em um cenário de muita incerteza com a pandemia global, a área de research da XP divulgou um relatório que repercutiu no mercado.

O documento informava que o setor de varejo deveria sofrer com um choque pontual na demanda (pessoas sem sair de casa para comprar e sem ter certeza sobre seus empregos) e um choque adicional na oferta (fornecedores sem conseguir entregar os pedidos).

É sabido que o primeiro trimestre do ano costuma ser ruim para a empresa com relação à geração de caixa. Para se ter uma ideia, no 3T19 a companhia falava sobre a preocupação que o mercado já tinha sobre possíveis problemas de caixa.

Contudo, a nova gestão vinha melhorando os níveis de inadimplência que estavam bem altos:

inadimplência via varejo

Fonte: RI Via

A Via Varejo tinha, de fato, uma alavancagem alta. Contudo, a companhia estava com seus limites de crédito ampliados e a Eleven chegou a enfatizar que a Via Varejo tinha uma linha de crédito adicional de R$ 4 bilhões que garantiria a continuidade do negócio durante a pandemia.

Hoje, o risco de insolvência da empresa está em 27% contra 23% da MGLU3 e 21% da média do setor, permitindo uma noite mais tranquila de sono para os seus acionistas.

tc matrix via

Fonte: TC Matrix

Considerações finais

Portanto, diante de um mercado cada vez mais competitivo e com tantos desafios, é importante que as empresas estejam sempre atentas ao seu bom desempenho financeiro. E uma boa análise dos índices de liquidez e solvência é o que vai permitir uma melhor tomada de decisão.

Baixe nosso app grátis!

No TC você acompanha as principais notícias e cotações do mercado em tempo real, além de ter acesso a canais exclusivos para interagir com os melhores profissionais.

Estude e conheça! Aprenda com quem realmente entende de investimentos. Tire dúvidas, troque ideias, experiências e construa uma grande rede de networking com investidores de todo Brasil.

A gente também está no Instagram e no TikTok. Acompanhe!

Referências

GITMAN, Lawrence J. Princípios da Administração Financeira. 10ª ed. São Paulo: Pearson/Addison Wesley, 2004

SÁ, Carlos Alexandre. Liquidez e Fluxo de Caixa: Um estudo teórico sobre alguns elementos que atuam no processo de formação do caixa e na determinação do nível de liquidez de empresas privadas não financeiras. 74 f. Dissertação de Mestrado, Faculdade Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, Brasil, 2004. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/306

Contador (UFRJ) | Analista de conteúdo do TC School

Análise Fundamentalista

E-BOOK

Análise Fundamentalista

Neste e-book, abordaremos de forma simplificada os principais pontos que você precisa saber para entender a Análise Fundamentalista nas suas decisões de investimento.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.