Análise fundamentalista: entenda o price earnings growth

Análise fundamentalista: entenda o price earnings growth

arlindo

28 AGO

4 MIN

Análise fundamentalista: entenda o price earnings growth

Neste artigo, iremos explicar sobre um importante indicador fundamentalista, o price earnings growth – PEG Ratio. Para facilitar o entendimento, o texto está dividido nos seguintes tópicos:

  • Overview: conhecendo o Preço/Lucro
  • Exemplo: analisando o P/L de empresas da bolsa
  • Price earnings growth: conheça esse indicador
  • Exemplo prático: analisando o PEG da Weg e Magazine Luiza
  • Reflexão: como o investidor deve usar essa informação?

Boa leitura!

Ilustração com gráfico representando price earnings growth

Leia mais sobre análise fundamentalista:

Overview: conhecendo o Preço/Lucro

Dentre as medidas de valuation mais utilizadas por analistas, está o índice Preço/Lucro (P/L) (Imam, Barker e Clubb, 2008; Pike, Meerjanssen e Chadwick, 1993). Esta medida nos informa a relação entre o preço por ação, e o lucro por ação em determinado período, sendo um indicador que pode ser lido como “em quanto tempo o lucro por ação me devolve o preço pago pela ação?”

Lucro contábil – Confronto entre as receitas, custos e despesas em um determinado período, seguindo o regime de competência. O lucro é uma medida bastante influenciada pelo custo histórico, ou seja, o valor pago/recebido. Neste sentido, o lucro nos remete a ideia de passado, ou seja, transações que já foram reconhecidas pela contabilidade.

Fórmula que mostra que o lucro é a receita menos os custos e despesas

Preço de mercado – No preço de mercado de uma ação (pelo menos em teoria), estão embutidas todas as expectativas dos investidores com o desempenho futuro da ação. Seguindo essa ideia, o preço da ação seria uma função de sua capacidade de geração de caixa futura, o qual convergiria para o valor econômico do ativo, ou seja:

Fórmula de como calcular valor da ação

Exemplo: analisando o P/L de empresas da bolsa

Primeiramente, é importante ressaltar que todas as análises neste texto possuem fins educativos, não caracterizando recomendação de investimentos. Dessa forma, como exemplo, vejamos o P/L da Itausa (ITSA4) e da Taesa (TAEE11):

Tabela que mostra a mediana de Itausa nos últimos 5 anos sendo de 9,7 e de Taesa de 8,6

Fonte: DFP

A partir da tabela acima, podemos verificar múltiplos P/L de 9,7 e 8,6 para Itausa e Taesa, respectivamente. Nesse sentido, as empresas analisadas apresentam P/Ls medianos em torno de 9, o que, em uma análise um tanto simplista, indicaria um tempo mediano de 9 anos para que o preço pago pela ação fosse devolvido ao acionista.

Empresas maduras costumam apresentar índices de preço lucro bem próximos da média do setor, visto que atingiram a maturidade em seu crescimento, passando agora a distribuir mais seus lucros.

Todavia, para empresas de elevado crescimento, este indicador mais atrapalha do que ajuda em nossas análises. Isto porque o mercado possui expectativas de crescimento para estas empresas, sendo estas expectativas incorporadas aos preços no mercado a vista.

Como falei acima, como é esperado que as empresas jovens cresçam, basear-se no P/L pode distorcer bastante a análise.

Como exemplo, vejamos o indicador preço sobre lucro para as empresas Magazine Luiza (MGLU3) e WEGE (WEGE3).

Tabela que mostra a mediana de Magazine Luiza nos últimos 5 anos sendo de 38,6 e de Wege de 28,1

Fonte: DFP

Veja agora que a mediana do P/L para a Magazine Luíza e Weg está em torno de 38 e 28, respectivamente. Para um investidor desavisado, o indicador P/L indicará que as ações estão bastante caras. Todavia, lembre-se que o preço de mercado está refletindo as expectativas futuras com aquela ação.

Price earnings growth: conheça esse indicador

Uma forma de manter a simplicidade de um múltiplo e ainda assim adicionar a informação do crescimento, o índice price earnings growth (PEG) é um bom indicador para verificar empresas de crescimento e que podem estar subvalorizadas. Podemos mensurar o PEG da seguinte forma:

Fórmula que mostra PEG igual o preço da ação dividido pelo lucro por ação e o resultado dividido pela taxa esperada de crescimento

Importante lembrar que sempre que trabalhamos com múltiplos, é a comparabilidade das variáveis utilizadas. Como estamos utilizando o preço e o lucro por ação, precisamos utilizar a taxa de crescimento do lucro por ação.

Estimando o crescimento

Uma dúvida que pode surgir no uso do PEG está ligada a mensuração da taxa de crescimento utilizada. Uma das formas de realizar esta mensuração, é através do produto do retorno sobre o Patrimônio líquido (ROE) e o montante retido para reinvestimentos, ou seja:

Fórmula que mostra que o crescimento é igual ao ROE multiplicado pelo resultado de um menos a taxa Payout

Para entender melhor sobre a mensuração do crescimento no valuation, veja nosso texto sobre este assunto.

Exemplos práticos: analisando o PEG da Weg e Magazine Luiza

Dessa forma, agora que sabemos calcular o price earnings growth, vamos ver o exemplo da MGLU3 e WEGE3.

Fonte: Comdinheiro

Primeiramente, cabe salientar que o indicador price earnings growth foi extraído diretamente da base de dados. Entretanto, o procedimento ideal é coletar os dados referentes ao preço, lucro por ação e taxa esperada de crescimento de forma separada para assim fazer o cálculo.

Assim, analisando os dados, podemos ver que se olhássemos apenas para o indicador em 31/12/2019, a ação da Weg estaria mais atrativa do que a MGLU3. Entretanto, ao utilizar a mediana, a ação da Magazine Luiza torna-se mais subvalorizada, apresentando um PEG de 2,76.

Reflexão: como o investidor deve utilizar essa informação?

Por fim, deve-se lembrar que apesar dos indicadores serem uma ótima forma de obter informações sobre as empresas, eles possuem limitações. Os indicadores como Preço/Lucro, PEG, ROE e outros, servem para complementar o processo de tomada de decisão, não substituir toda a análise qualitativa e quantitativa. Espero que você consiga utilizar o PEG nas suas análises daqui para frente, tornando a sua decisão de investimentos mais robusta.

Referências

IMAM, S.; BARKER, R.; CLUBB, C. The use of valuation models by UK investment analysts. European Accounting Review, v. 17, n. 3, p. 503–535, 2008.

PIKE, R.; MEERJANSSEN, J.; CHADWICK, L. The Appraisal of Ordinary Shares by Investment Analysts in the UK and Germany. Accounting and Business Research, v. 23, n. 92, p. 489–499, 1993.

Sr Equity Research Analyst | TC Matrix

Análise Fundamentalista

E-BOOK

Análise Fundamentalista

Neste e-book, abordaremos de forma simplificada os principais pontos que você precisa saber para entender a Análise Fundamentalista nas suas decisões de investimento.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.