IBOV

108.013,47 pts

+1,26%

SP500

4.544,73 pts

+0,27%

DJIA

35.130,04 pts

+0,28%

NASDAQ

15.100,07 pts

+0,35%

IFIX

2.807,06 pts

+0,17%

BRENT

US$ 87,61

-0,94%

IO62

¥ 741,50

+1,23%

TRAD3

R$ 4,18

-2,10%

ABEV3

R$ 14,54

-0,27%

AMER3

R$ 33,20

+9,89%

ASAI3

R$ 12,03

+0,92%

AZUL4

R$ 25,27

-1,32%

B3SA3

R$ 12,26

-0,40%

BIDI11

R$ 22,50

+8,69%

BBSE3

R$ 20,68

+1,82%

BRML3

R$ 8,73

+4,55%

BBDC3

R$ 17,62

-0,11%

BBDC4

R$ 21,10

-1,26%

BRAP4

R$ 28,71

+3,05%

BBAS3

R$ 31,01

+0,87%

BRKM5

R$ 49,20

+0,14%

BRFS3

R$ 23,71

+1,67%

BPAC11

R$ 19,90

+5,40%

CRFB3

R$ 15,04

+2,94%

CCRO3

R$ 11,34

+0,08%

CMIG4

R$ 12,96

+1,64%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,08

+1,46%

COGN3

R$ 2,20

-2,22%

CPLE6

R$ 6,49

+2,04%

CSAN3

R$ 21,97

+3,09%

CPFE3

R$ 26,67

+1,79%

CVCB3

R$ 11,56

+4,23%

CYRE3

R$ 14,75

+7,58%

ECOR3

R$ 7,29

+1,67%

ELET3

R$ 33,04

+4,22%

ELET6

R$ 32,35

+3,32%

EMBR3

R$ 20,58

-2,78%

ENBR3

R$ 21,64

+2,36%

ENGI11

R$ 41,31

+0,07%

ENEV3

R$ 12,91

+2,86%

EGIE3

R$ 39,33

+1,60%

EQTL3

R$ 22,20

+1,64%

EZTC3

R$ 18,90

+6,41%

FLRY3

R$ 18,13

+1,62%

GGBR4

R$ 29,04

+1,53%

GOAU4

R$ 12,11

+2,45%

GOLL4

R$ 16,45

+0,42%

NTCO3

R$ 20,87

+3,11%

HAPV3

R$ 10,92

+3,80%

HYPE3

R$ 28,42

+1,39%

IGTA3

R$ 33,24

+0,00%

GNDI3

R$ 63,74

+3,64%

IRBR3

R$ 3,37

+0,59%

ITSA4

R$ 9,62

+0,10%

ITUB4

R$ 23,48

-0,67%

JBSS3

R$ 36,61

+0,02%

JHSF3

R$ 4,95

+1,22%

KLBN11

R$ 25,69

+2,22%

RENT3

R$ 49,85

+0,28%

LCAM3

R$ 22,45

+0,98%

LWSA3

R$ 8,64

+12,64%

LAME4

R$ 6,28

+9,40%

LREN3

R$ 24,85

+5,74%

MGLU3

R$ 6,31

+7,13%

MRFG3

R$ 22,69

+0,30%

BEEF3

R$ 9,87

-1,30%

MRVE3

R$ 11,24

+4,46%

MULT3

R$ 18,75

+2,40%

PCAR3

R$ 19,98

+1,62%

PETR3

R$ 34,25

-0,92%

PETR4

R$ 31,49

-0,47%

VBBR3

20,52

+4,69%

PRIO3

R$ 23,99

+0,29%

QUAL3

R$ 16,64

+3,61%

RADL3

R$ 20,54

-0,19%

RAIL3

R$ 16,73

+2,01%

SBSP3

R$ 35,69

+2,38%

SANB11

R$ 31,52

+0,19%

CSNA3

R$ 26,47

+2,63%

SULA11

R$ 23,77

+5,45%

SUZB3

R$ 61,85

-1,59%

TAEE11

R$ 36,81

+1,74%

VIVT3

R$ 48,69

+2,26%

TIMS3

R$ 12,99

+2,20%

TOTS3

R$ 25,30

+4,67%

UGPA3

R$ 13,23

+3,19%

USIM5

R$ 16,75

+1,26%

VALE3

R$ 88,21

+2,20%

VIIA3

R$ 4,00

+6,66%

WEGE3

R$ 30,50

-0,13%

YDUQ3

R$ 19,37

-1,32%

IBOV

108.013,47 pts

+1,26%

SP500

4.544,73 pts

+0,27%

DJIA

35.130,04 pts

+0,28%

NASDAQ

15.100,07 pts

+0,35%

IFIX

2.807,06 pts

+0,17%

BRENT

US$ 87,61

-0,94%

IO62

¥ 741,50

+1,23%

TRAD3

R$ 4,18

-2,10%

ABEV3

R$ 14,54

-0,27%

AMER3

R$ 33,20

+9,89%

ASAI3

R$ 12,03

+0,92%

AZUL4

R$ 25,27

-1,32%

B3SA3

R$ 12,26

-0,40%

BIDI11

R$ 22,50

+8,69%

BBSE3

R$ 20,68

+1,82%

BRML3

R$ 8,73

+4,55%

BBDC3

R$ 17,62

-0,11%

BBDC4

R$ 21,10

-1,26%

BRAP4

R$ 28,71

+3,05%

BBAS3

R$ 31,01

+0,87%

BRKM5

R$ 49,20

+0,14%

BRFS3

R$ 23,71

+1,67%

BPAC11

R$ 19,90

+5,40%

CRFB3

R$ 15,04

+2,94%

CCRO3

R$ 11,34

+0,08%

CMIG4

R$ 12,96

+1,64%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,08

+1,46%

COGN3

R$ 2,20

-2,22%

CPLE6

R$ 6,49

+2,04%

CSAN3

R$ 21,97

+3,09%

CPFE3

R$ 26,67

+1,79%

CVCB3

R$ 11,56

+4,23%

CYRE3

R$ 14,75

+7,58%

ECOR3

R$ 7,29

+1,67%

ELET3

R$ 33,04

+4,22%

ELET6

R$ 32,35

+3,32%

EMBR3

R$ 20,58

-2,78%

ENBR3

R$ 21,64

+2,36%

ENGI11

R$ 41,31

+0,07%

ENEV3

R$ 12,91

+2,86%

EGIE3

R$ 39,33

+1,60%

EQTL3

R$ 22,20

+1,64%

EZTC3

R$ 18,90

+6,41%

FLRY3

R$ 18,13

+1,62%

GGBR4

R$ 29,04

+1,53%

GOAU4

R$ 12,11

+2,45%

GOLL4

R$ 16,45

+0,42%

NTCO3

R$ 20,87

+3,11%

HAPV3

R$ 10,92

+3,80%

HYPE3

R$ 28,42

+1,39%

IGTA3

R$ 33,24

+0,00%

GNDI3

R$ 63,74

+3,64%

IRBR3

R$ 3,37

+0,59%

ITSA4

R$ 9,62

+0,10%

ITUB4

R$ 23,48

-0,67%

JBSS3

R$ 36,61

+0,02%

JHSF3

R$ 4,95

+1,22%

KLBN11

R$ 25,69

+2,22%

RENT3

R$ 49,85

+0,28%

LCAM3

R$ 22,45

+0,98%

LWSA3

R$ 8,64

+12,64%

LAME4

R$ 6,28

+9,40%

LREN3

R$ 24,85

+5,74%

MGLU3

R$ 6,31

+7,13%

MRFG3

R$ 22,69

+0,30%

BEEF3

R$ 9,87

-1,30%

MRVE3

R$ 11,24

+4,46%

MULT3

R$ 18,75

+2,40%

PCAR3

R$ 19,98

+1,62%

PETR3

R$ 34,25

-0,92%

PETR4

R$ 31,49

-0,47%

VBBR3

20,52

+4,69%

PRIO3

R$ 23,99

+0,29%

QUAL3

R$ 16,64

+3,61%

RADL3

R$ 20,54

-0,19%

RAIL3

R$ 16,73

+2,01%

SBSP3

R$ 35,69

+2,38%

SANB11

R$ 31,52

+0,19%

CSNA3

R$ 26,47

+2,63%

SULA11

R$ 23,77

+5,45%

SUZB3

R$ 61,85

-1,59%

TAEE11

R$ 36,81

+1,74%

VIVT3

R$ 48,69

+2,26%

TIMS3

R$ 12,99

+2,20%

TOTS3

R$ 25,30

+4,67%

UGPA3

R$ 13,23

+3,19%

USIM5

R$ 16,75

+1,26%

VALE3

R$ 88,21

+2,20%

VIIA3

R$ 4,00

+6,66%

WEGE3

R$ 30,50

-0,13%

YDUQ3

R$ 19,37

-1,32%

Entenda como as privatizações impactam a sua vida

tcschool

30 SET

5 MIN

Entenda como as privatizações impactam a sua vida

Neste texto, discutiremos sobre as privatizações e como podem afetar a sociedade de modo geral. No atual governo, como estratégia de melhorar o desempenho econômico do país, existe uma agenda contendo prazos e nomes das estatais na mira da privatização.

Neste sentido, para compreendermos mais sobre as principais questões que envolvem a privatização e seu impacto na sociedade, falaremos sobre os seguintes pontos:

  • Privatização: o que é e para que serve?
  • Papel político: como andam os projetos de privatizações na agenda do atual governo?
  • Impacto social: entenda como as privatizações impactam a sociedade, incluindo os investidores.
  • Conclusão

Boa leitura!

Privatizações

Leia mais sobre mercado de ações:

Privatização: o que é e como funciona?

Primeiramente, devemos destacar que a pauta sobre privatização sempre esteve presente nos diversos governos que passaram pelo país e não é novidade que esse tema sempre gerou muitas discussões. Há quem defenda as vantagens e os possíveis benefícios das privatizações, e há também as opiniões contrárias as quais desacreditam que essa medida seja capaz de melhorar o funcionalismo público.

Dessa forma, essa divergência de visões gera um embate acalorado entre as partes políticas e a sociedade em geral. Um dos problemas que acompanha essa discussão infinita é justamente a demora para a concretização de alguma medida eficaz para impulsionar a economia e eficiência dos serviços públicos.

Além disso, um ponto muito importante, se não o mais importante, é que, enquanto não se resolve tais questões, as atividades básicas do país, como saúde, segurança e educação, sofrem com a falta de recursos e de melhoras nos processos internos, como um bom planejamento orçamentário, por exemplo.

E para quem ainda não conhece o significado das privatizações ou desestatizações, pensem na situação em que o governo concede ou vende, por meio de leilões públicos, as empresas estatais para a iniciativa privada. E por que isso? Principalmente para obtenção de eficiência, redução de gastos e maior geração de recursos. Assim, o foco é no crescimento econômico. Esses são os principais benefícios que acompanham as privatizações.

Papel político: como andam os projetos de privatizações na agenda do atual governo?

Antes de chegar no curso atual das privatizações, vamos voltar um pouco e revisitar um dos períodos mais marcantes no Brasil no que tange às privatizações. O auge ocorreu no governo FHC, entre o período de 1991 a 2000, onde foram privatizadas cerca de 65 empresas estatais de diversos setores da economia: elétrico, petroquímico, financeiro, informática, telecomunicação, entre vários outros. Toda essa força tarefa do governo, na época, gerou uma receita de 78,61 bilhões de dólares.

Com isso, ainda sobre o governo FHC, empresas expressivas como a Vale do Rio Doce e Eletropaulo, são exemplos das estatais que passaram pelo processo de privatização na época. Após tais acontecimentos, em 2005 um estudo foi publicado na Revista Brasileira de Economia, analisando o efeito das privatizações sobre o desempenho econômico e financeiro das empresas, encontraram o seguinte resultado da pesquisa:

Fonte: Scielo

Em tal estudo, os autores Anuatti, Barossi, Carvalho e Macedo, (2005), ao analisarem o período de 1987 a 2000 com uma amostra de 102 empresas privatizadas, chegaram à conclusão de que estas empresas se tornaram mais eficientes depois de privatizadas. Medidas como lucratividade, eficiência operacional, redução no endividamento e aumento na liquidez corrente, foram pontos positivos após a privatização.

Pretensão do atual governo

Antes de tudo, vale ressaltar que o processo de privatização envolve estudos técnicos prévios para avaliar a viabilidade da privatização de determinada estatal, além de estudos de modelagens de venda e consultas públicas, tudo acompanhado pela Secretaria de Desestatização, liderada atualmente por Diogo Mac Cord (defensor das privatizações).

De acordo com a agenda de privatização do atual governo, a meta é que pelo menos 14 estatais sejam vendidas ou encerradas até 2021.

Estatais que estão na meta de privatizações do governo

Fonte: elaboração própria

Todas as 14 empresas listadas acima, já estão com processo em andamento, no PPI (Programa de Parceria de Investimentos) que representa a fase do estudo de viabilidade, ou já estão no PND (Programa Nacional de Desestatização), onde inicia-se de fato o processo de privatização da estatal.

Para se ter uma ideia, estima-se que com a venda da Eletrobras, o governo arrecade cerca de 16 bilhões de reais. Imaginem, o somatório de todas que estão no mesmo processo. Sem sobra de dúvidas seria um tremendo impulso econômico do país. Além de que, com tais privatizações e fechamentos, o governa terá mais recursos para direcionar aos serviços essenciais básicos que carecem de uma grande reforma.

Todavia, nem tudo são flores, apesar dos benefícios serem claros, todo o trâmite desse processo de privatização é carregado de muita resistência de categorias, além de ter que enfrentar uma enxurrada de burocracia. Não é por menos, que o ex-secretário Salim Mattar, deixou o seu cargo, ainda neste ano, alegando a dificuldade na implementação da agenda de privatização.

Salim e o Ministro Paulo Guedes apresentaram diversas vezes a intenção de acelerar o processo das privatizações, mas todas sem sucesso, como o caso Faz-Track. Diante de todos em entraves, me parece que a gaveta do congresso não tem fim nem pressa. Penso em qual seria a maior dificuldade, oposições políticas ou o bem-estar da economia…

Assim, sabendo da agenda das privatizações, vejamos as cenas dos próximos capítulos.

Impacto social: entenda como as privatizações impactam a sociedade, incluindo os investidores

Pensando agora como investidores e cidadãos comuns, vamos refletir sobre como os impactos que a ocorrência de tais privatizações podem vir a nos afetar. Vejamos o exemplo da ELET6, a evolução do seu papel antes e após as notícias sobre a intenção do governo atual na privatização da estatal:

Fonte: Google

Exemplo agora da Telebras:

Fonte: Google

Ambas as empresas, tiveram suas ações valorizadas, após as notícias do governo ainda em 2019 sobre a intenção de privatizá-las. Nesse sentido, não é preciso explicar mais sobre o quão bem o mercado reagem quando o assunto é a privatização de alguma estatal listada em bolsa. O investidor entende, as privatizações geram melhoras significativas no desempenho, lucratividade e na eficiência em geral da empresa, fazendo com que seus papeis venham se valorizar.

Conclusão

Além disso, na sociedade de modo geral, o que pode vir a acontecer com a ocorrência das privatizações, é a expectativa de que os serviços essenciais sejam melhorados por meio dos recursos arrecadados, além de uma melhora significativa na eficiência do serviço prestado pelo governo. Obviamente, que nem tudo é perfeito, sabemos que pontos da cultura nacional, podem vir a afetar negativamente todo o benefício esperado para a sociedade.

Por fim, espero que esse texto tenha ajudado a enxergar como as privatizações impactam tanto os investimentos quanto a nossa vida.

Referências

ANUATTI-NETO, Francisco et al. Os efeitos da privatização sobre o desempenho econômico e financeiro das empresas privatizadas. Rev. Bras. Econ. Rio de Janeiro, v. 59, n. 2, p. 151-175, June 2005.   Available from <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034402005000200001&lng=en&nrm=iso>.access 28 Sept.  2020.  https://doi.org/10.1590/S0034-71402005000200001

Mariângela Araújo
Mariângela Araújo
Contadora e Mestranda em Ciências Contábeis pelo PPGCC/UFPB.
Monitora de cursos no TC School.

A sua escola como investidor

Análise Fundamentalista

E-BOOK

Análise Fundamentalista

Neste e-book, abordaremos de forma simplificada os principais pontos que você precisa saber para entender a Análise Fundamentalista nas suas decisões de investimento.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.