Fintechs apostam em aquisições de outras techs do mercado

Fintechs apostam em aquisições de outras techs do mercado

bianca-bezerra

13 JAN

3 MIN

Fintechs apostam em aquisições de outras techs do mercado

Nos últimos anos, as empresas techs brasileiras têm se destacado, tanto em relação à concorrência quanto em crescimento e expansão de produtos e serviços.

Não é por acaso que hoje os consumidores precisam pesquisar qual é o melhor banco digital.Isso ocorre em razão das diversas opções de marcas, produtos e serviços disponíveis.

Até novembro de 2021 haviam sido realizados 227 acordos de aquisição e fusão no Brasil, sendo que a maioria deles envolvia empresas do segmento de serviços financeiros. Para você ter uma ideia, do total de negociações, 21,5% envolveram fintechs, um total de 49 transações.

No artigo de hoje vamos entender um pouco mais sobre esse movimento no mercado brasileiro.

  • Principais fusões e aquisições de 2021
  • Investimentos cross-border
  • Perspectivas para 2022

Boa leitura!

Principais fusões e aquisições de techs em 2021

O ecossistema de inovação brasileiro está aquecido e isso é claramente observado por meio das negociações recentes realizadas no mercado. A plataforma SaaS Omie, por exemplo, adquiriu o banco digital Liniker por R$ 120 milhões. 

Em dezembro, o EBANX — empresa de pagamentos que conecta consumidores a empresas globais —, que já era dona da LABS, anunciou a aquisição da Remessa Online por US$ 229 milhões, ou seja, R$ 1,2 bilhão. 

Outro movimento que impactou fortemente o mercado foi o de abertura de capital na bolsa de valores. Além disso, a possibilidade de expansão e realização de IPO fora do Brasil.

Em dezembro, o Nubank chegou à NYSE (Bolsa de Valores de Nova York) e a perspectiva é que outras fintechs brasileiras adotem o mesmo movimento ao longo de 2022.

Investimentos cross-border

Quando se fala em investimentos internacionais e um mercado de fintechs, não podemos deixar de mencionar o crescimento nas fusões e aquisições de fintechs entre países, também conhecido como cross-border.

De acordo com a Retivit, de janeiro a outubro de 2021 esse tipo de negociação cresceu 98% em todo o mundo se comparado com o mesmo período de 2020. Especificamente no Brasil, os investimentos em cross-border alcançaram um patamar de 30% das transações.

A expressão cross-border, que pode ser traduzida livremente como “comércio transfronteiriço”, é uma tendência que reflete negociações que ultrapassam fronteiras.

Nesse sentido,  observando os mercados nacionais e internacionais, percebe-se que o crescimento desse tipo de negócio é um ponto relevante na expansão das fintechs brasileiras.

Ainda mais, muitas fintechs encontraram no cross-border a possibilidade de garantir o crescimento por meio da aquisição de empresas menores.

Com recursos financeiros em caixa e a necessidade de manter a relevância no mercado, a aquisição de outras techs, até mesmo localizadas em outros territórios, ajuda a ampliar a área de atuação, fortalecer o negócio e contribuir para o desenvolvimento de uma forma geral.

Até mesmo empresas de grande porte e fintechs com maior relevância têm usado estratégias desse tipo. Além disso, combinando negócios envolvendo fusão e aquisição como forma de crescer de forma mais rápida e orgânica.

Se em 2021 tanto startups quanto fintechs focaram suas estratégias em expansão de mercado e na compra e fusão com outros negócios. Sendo assim, a perspectiva é que o momento continue, devido a uma perspectiva de cenário aquecido e uma visão de mercado focada em desenvolvimento.

Nesse sentido, para manter a relevância no mercado, essas empresas devem estabelecer uma estratégia que leve em consideração não apenas a capacidade do negócio, mas também as oportunidades que se apresentam dentro de seu setor.

No caso das fintechs, investir em fusões e aquisições de outras techs é sinônimo de acesso ao conhecimento, inovação, tecnologias, experiências e novos talentos.

Perspectivas para as techs em 2022

Todo esse movimento de aquisição e fusão entre as fintechs marcou o ano de 2021 e deve seguir uma crescente no decorrer de 2022.

A razão pela qual as fintechs investem em aquisições ou fusões de outras techs pode não ser necessariamente a expansão do mercado. No entanto, podem buscar acesso a novas tecnologias, o aumento de sua avaliação de valor no mercado e até mesmo o interesse de alcançar novos talentos e marcas.

Por outro lado, quem opta pela venda de uma startup geralmente tem como principal motivação a possibilidade de sobrevivência do negócio e, naturalmente, o interesse nos ganhos financeiros que ela proporciona.

Baixe nosso app grátis! No TC você acompanha as principais notícias e cotações do mercado em tempo real, além de ter acesso a canais exclusivos para interagir com os melhores profissionais.

Estude e conheça! Aprenda com quem realmente entende de investimentos. Tire dúvidas, troque ideias, experiências e construa uma grande rede de networking com investidores de todo Brasil.

A gente também está no Instagram, YouTube e no TikTok. Acompanhe!

Jornalista | Redatora | Criadora de Conteúdo

Análise Fundamentalista

E-BOOK

Análise Fundamentalista

Neste e-book, abordaremos de forma simplificada os principais pontos que você precisa saber para entender a Análise Fundamentalista nas suas decisões de investimento.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.