TC Mover
Mover

Caso IRB Brasil (IRBR3): a divulgação antecipada é um bom sinal?

Postado por: TC Mover em 06/10/2020 às 14:25

Felipe Pontes, doutor em Contabilidade, gestor do Azure Clube de Investimentos, Diretor Educacional do TC e Coordenador de Pesquisa & Desenvolvimento no TC Labs.

 

Começamos esta segunda semana de outubro com a notícia da antecipação da divulgação dos resultados de uma das empresas mais comentadas de 2020. Eu poderia chutar que 100% dos investidores/traders ativos do mercado financeiro brasileiro já conhece a história do IRB Brasil ($IRBR3). 

 

As ações do IRB vêm de uma queda de quase 80% no ano, devido a denúncias de fraude, refazimento das demonstrações contábeis (sim, é refazimento mesmo), nível elevado de short, mentiras sobre Warren Buffett ser ou não ser acionista da companhia etc. Por outro lado, a nova gestão do IRB Brasil vem trabalhando para melhorar a governança, a imagem e os contratos de modo a conseguirem entregar melhores resultados no futuro próximo (pelo menos assim esperam os investidores). 

 

Junto com o fluxo recente de boas notícias divulgadas pelo IRB Brasil e esta notícia de antecipação dos resultados, muitos investidores se questionaram: a antecipação de resultados é uma boa ou uma má notícia?

Já tivemos casos de empresas que resolveram antecipar seus resultados para mostrar uma boa notícia ao mercado. Se você acompanha a Magazine Luiza há alguns anos, deve lembrar que em 2016 suas concorrentes varejistas estavam reportando resultados fracos no 3T16. Isso fez com que as ações da Magalu ($MGLU3) caíssem em torno de 30% em dois dias. Dessa forma, a companhia resolveu antecipar a divulgação dos seus resultados em 7 dias, por meio de um Comunicado ao Mercado, conforme a imagem abaixo:

O resultado disso foi que em poucos dias a empresa conseguiu recuperar toda a queda e muito mais com a divulgação dos seus números. Por outro lado, existem empresas que também postergam a divulgação dos seus resultados, como foi o caso recente da CVC e do próprio IRB Brasil. No dia 30/03/2020 a CVC comunicou ao mercado que não divulgaria os resultados do 4T19 no prazo correto, porque não conseguiram concluir a auditoria no tempo adequado. Isso foi um sinal sobre as más notícias que estariam por vir.

 

Na imagem abaixo, por meio do TC Matrix, sistema gratuito de análise fundamentalista, você pode perceber que as ações da CVCB3 vinham surfando uma boa recuperação, até que a notícia foi divulgada. A ação caiu quase 15% no dia seguinte.

Com o IRB aconteceu algo parecido, quando eles postergaram a divulgação dos resultados do 2T20, em comunicado ao mercado do dia 28/07/2020, isso fez com que as ações que até vinham recuperando bem caíssem forte. Até hoje a ação não recuperou o patamar dos R$ 11,00 que perdeu naquela época.

O que isso tudo quer dizer na prática? O mercado odeia incerteza. Incerteza é risco informacional, que pode fazer com que os investidores percam dinheiro. Por isso que quando ações de empresas como CVC e IRB, que estão num fluxo de notícias negativas, decidem postergar a divulgação dos seus resultados, o mercado interpreta isto como uma notícia ruim e a ação acaba por cair. 

 

O contrário aconteceu em casos como o da Magazine Luiza, que vinha num fluxo positivo de notícias, interrompido por um sinal ruim dos seus concorrentes e do seu segmento de atuação. Desta forma, a Magalu decidiu quebrar o fluxo negativo de notícias com a redução de incerteza divulgando os seus resultados de forma antecipada.

 

Isso quer dizer que a postergação ou antecipação dos resultados, por si só, é um belo sinal de boa ou má notícia? Não necessariamente! Precisamos entender o contexto no qual a empresa está inserida. Vamos voltar ao exemplo do IRB. 

Recentemente nós tivemos um belo fluxo de notícias positivas sobre a companhia:

 

  • Mudanças na governança

 

  • Empresa está buscando sanar dúvidas dos investidores: eles me procuraram ativamente para explicar a questão da alteração da classificação contábil de Itaú e Bradesco

 

 

  • Renegociação e cancelamento de contratos que traziam receita, mas não traziam lucro

 

  • Melhora no índice de sinistralidade: se retirarmos os contratos que não foram continuados, o índice cai de 97% para 73%

 

  • Excluindo-se os contratos descontinuados, teríamos um resultado de underwriting de R$ 23 mi, contra -R$ 138 mi que foram apresentados, e lucro de R$ 36 mi, contra o prejuízo de R$ 64 mi que foi apresentado. Os sinais melhoraram, mas não devemos comemorar antes do jogo acabar

 

  • Standard & Poors atribuiu rating de crédito brAAA com perspectiva estável

Quando vemos isso tudo, com a empresa antecipando a divulgação dos seus resultados, de fato os investidores parecem ter evidências para ficarem mais animados. Todavia, lembre-se de que este é um caso complicado de turn-around, que não vai acontecer do dia para a noite e em um segmento complexo. Todo o cuidado é pouco! 

 

Por fim, você pode estar pensando que isso é muita teoria da conspiração. Mas temos evidências científicas desta relação entre resultados bons e a sua antecipação. Vamos ver?

 

No exterior nós já temos evidências científicas e eu não vou explorá-las neste texto. Vamos focar num estudo recente que foi publicado aqui no Brasil. Os pesquisadores Anderson Vivas, Felipe Ramos e Fábio Moraes, da FUCAPE Business School, publicaram, na Revista de Administração de Empresas da FGV, o trabalho “Más (Boas) Notícias e Postergação (Antecipação) de Divulgação de Demonstrações Financeiras”.

Nesta pesquisa, os autores analisaram uma amostra de 5.356 divulgações de resultados entre 2010 e 2016 aqui no Brasil. Em geral, os resultados nos mostram que quando há uma antecipação, provavelmente teremos uma boa notícia sobre o lucro da empresa. Já quando há uma postergação, a história muda e há uma probabilidade maior de que tenhamos uma notícia ruim sobre o lucro da empresa.

 

No final das contas, você, como investidor, deve avaliar todas as informações disponíveis, o risco e o preço de cada ação para saber se faz sentido ou não iniciar ou manter uma posição comprada ou vendida.

 

No caso do IRB Brasil, veremos no dia 03/11/2020 se a companhia vai divulgar um resultado em linha com os resultados da pesquisa de Vivas, Ramos e Moraes, ou vai fugir do padrão. Aguardemos.

 

  • Assista a Live com Resultado do IRB no Canal do TC School

 

Disclaimers:

 

– Este texto reflete uma opinião pessoal do contribuidores e não representa recomendação de investimento.

 

– O autor possui posição comprada em IRBR3.

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis