Mover

Ferri: 10 motivos para comprar ações da bolsa hoje

Postado por: TC Mover em 26/04/2021 às 16:55
Bolsa

São Paulo, 26 de abril – Salve! Do mesmo criador de “Dez Motivos para Comprar Bolsa Nos 70 Mil Pontos” (não lembra desse vídeo clássico? Vou deixar aqui embaixo), vem aí: “Dez Motivos para Comprar Bolsa Hoje, nos 120 Mil Pontos”.

Na semana passada, o Ibovespa acumulou perda de 0,67%, mas quando olhamos para os últimos seis meses vemos uma alta de 19,07%, longe dos 101,2 mil pontos registrados no final de outubro. “Ferri, ainda tem oportunidade de ganhar nos 120 mil pontos?” Tem. Vem comigo…

Baseado nesses motivos que eu listei aqui, a minha estimativa é que o Ibovespa deva bater entre 150 mil e 160 mil pontos ainda neste ano.


1: Avanço da Reforma Administrativa e da Reforma Tributária

O governo passou a ter base no Congresso Nacional após a troca de comando em fevereiro, o que facilita a governabilidade e o andamento das pautas. As declarações do presidente da Câmara, Arthur Lira, apontam para um avanço nas reformas e das privatizações, inclusive dos Correios e da Eletrobras.

Lira inclusive twittou que vai entregar a reforma tributária no dia 3 de maio no Congresso. Olha aí:



2: Declínio dos casos da Covid-19 no Brasil

A perspectiva de retorno da “vida normal” depende da quantidade de pessoas vacinadas e imunizadas, ou seja, que já se contaminaram alguma vez com a Covid-19. Na sexta-feira, eram mais de 18,7 milhões de pessoas que tinham recebido ao menos a primeira dose da vacina, correspondendo a 13,58% da população.

Caso o Brasil acelere a vacinação, em alguns meses podemos seguir os exemplos de Israel e Estados Unidos. Com isso, o consumo vai voltar reforçado, principalmente em setores que sofreram com o isolamento social, como o de viagens e restaurantes.


3: As ações das empresas estão baratas

As empresas brasileiras estão muito baratas frente a seus pares. Desde várias métricas, a Petrobras, as mineradoras – que, apesar dos ganhos, continuam baratas -, o varejo e o setor bancário são alguns exemplos. Os investidores devem acompanhar os balanços. As mineradoras e empresas de proteína devem mostrar resultados explosivos.

Quanto aos bancos, enquanto o Banco Inter está valendo cerca de R$55 bilhões, com valuation inflado, o BTG Pactual vale perto de R$90 bilhões, incluindo os 100% do Banco Pan. Mais cedo ou mais tarde, o valuation se alinha à realidade.


4: PIB dos EUA e da China

As maiores economias do mundo, Estados Unidos e China, devem apresentar crescimento do PIB, Produto Interno Bruto, do primeiro trimestre em níveis de pós-guerra. O PIB americano deve ficar no patamar de 7% ou 8% na média anual.

Vindo da guerra contra Covid-19, com injeção trilionária de estímulos, a recuperação da economia não vai desacelerar. As bolsas americanas podem estar caras. Mas a Bolsa brasileira a 120 mil pontos está muito barata.


5: Pessimismo

Investidores estrangeiros e pessoas físicas foram responsáveis pela entrada de dinheiro na bolsa brasileira. Pessimistas, os investidores institucionais, que capitalizaram bilhões em fundos e multimercados, não alocaram na bolsa brasileira.

Todo mundo está pessimista com o cenário atual. Mas lembre-se que o “todo mundo” sempre erra.


6: Excesso de liquidez global

Há excesso de dinheiro impresso no mundo ainda sem destino. E o Brasil é o principal mercado emergente, o mais abandonado, com a pior moeda. Espero que o fluxo de liquidez, mais cedo ou mais tarde, volte ao Brasil.


7: Selic atual

O Brasil ainda está acostumado a uma taxa básica de juros alta, entre 10,00% e 20,00%. Vimos a taxa Selic desabar, chegando à mínima histórica de 2,00% ao ano.

Na última reunião do Comitê de Política Monetária, no final de março, a taxa Selic subiu para 2,75% ao ano e tudo indica que aumente mais 0,75 ponto percentual no dia 5 de maio. Ainda assim, o patamar está bem abaixo do que os brasileiros viram por décadas.

O rendimento da renda fixa, que era elevado quando a taxa Selic era alta, despencou. Atualmente, se os juros aumentarem muito, vão para a faixa de 5,00% a 6,00%. É um novo patamar da taxa Selic e os brasileiros ainda não se acostumaram a ele.

Aqueles que ainda não realocaram os investimentos da renda fixa para a bolsa, farão isto quando o noticiário apresentar novos recordes do Bovespa, que devem ser puxados pelos bancos.


8: Superdimensionamento da política

O superdimensionamento da política não reflete a realidade econômica do país. Esse exagero afeta diretamente a bolsa e o câmbio. Há um descolamento entre a realidade brasileira e a visão do mercado, criando uma oportunidade para investir em ações na Bolsa.


9: Aumento da confiança das pessoas

A confiança do empresário e dos consumidores vai aumentar nos próximos meses. As pessoas também estarão mais dispostas a investir em um cenário de retomada da economia e declínio da Covid-19.


10: Todos os caminhos levam à Bolsa

Com a rentabilidade baixa da renda fixa, a agenda econômica andando no Congresso e a crise da Covid-19 caminhando para o fim, há um caminho, na minha avaliação, menos incerto para as pessoas ganharem dinheiro no mercado financeiro hoje: a Bolsa.

Este foi o assunto do Café com Ferri no Instagram. Acompanhe abaixo o programa na íntegra.



Arte: Vinícius Martins / TC Mover

DISCLAIMER: As informações disponibilizadas na coluna são meramente opiniões do COLUNISTA na data em que foram expressas e não declarações de fatos ou recomendações para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários, ou ainda, qualquer recomendação de investimento.


Leia também

Fusão de Soma e Hering gerará lucro adicional de R$200 milhões em até três anos, diz Gabriel Lobo

Hashdex lança hoje primeiro ETF em criptomoedas do Brasil

Avaliada em R$5,1 bilhões, Hering esnoba Arezzo e aceita proposta da Soma

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais