TC Mover
Mover

Sanita: Ser Educacional (SEER3) e a boa assimetria com reabertura

Postado por: TC Mover em 14/05/2021 às 14:57
Sérgio Sanita fala sobre a Ser Educacional

Volto a falar essa semana sobre uma empresa que também faz parte de um dos setores mais castigados durante a pandemia que estamos enfrentando nos últimos 14 meses: o setor educacional. A empresa? Ser Educacional (SEER3).


Considerando o curto prazo, a Ser Educacional tem um pivot de alta sendo ativado

Tirando a Ânima (ANIM3), que teve uma bela recuperação desde o crash de março de 2020 e há cinco anos tem a melhor performance entre os pares, o setor educacional vem sofrendo bastante.


Desempenho da Ânima


No caso da Ser Educacional (SEER3), qual foi o histórico de movimentação de preços desde 2020?

No crash, a empresa se desvalorizou 65% em um mês e meio, saindo de R$33,19 e chegando a R$11,60:


Desempenho da Ser Educacional


De lá para cá, além de uma recuperação fraca (comparada com o tamanho da queda) de março a abril de 2020, onde a empresa subiu 61,56%, ela voltou a fazer novas mínimas nos meses seguintes, com desvalorização de mais de 43% e chegando a níveis de preços apresentados em 2016!


Desempenho da Ser Educacional


Desempenho da Ser Educacional


Desempenho da Ser Educacional


Olhando o curto prazo, temos agora um pivot de alta sendo ativado e que nos daria um alvo 1 projetado nos R$15,73 e alvo 2 nos R$17,86, com valorização do preço atual (R$13,97) de 12,60% e 27,80%:



Levando em consideração a MM200, teríamos um potencial de valorização de mais de 35%:



Do lado do risco, um stop factível ficaria abaixo da mínima da semana passada, nos R$12,27, o que daria um pouco mais de 12%:



Fazendo os cálculos, no cenário menos rentável, o risco seria de 1, para um potencial retorno de 1. O que não seria atrativo caso você não tenha um gerenciamento ativo do risco. Para isso, eu usaria o gráfico diário para “adiantar” um ponto de stop caso a operação comece a andar contra você.

Nesse caso, eu olharia o gráfico diário e estoparia a posição caso a MMe9 voltasse a virar para baixo. No momento em que eu escrevi esta coluna, a MMe9 tinha o valor de 13,08. Como ela é bem dinâmica, o valor varia dentro de um mesmo dia:



No cenário mais rentável, onde temos o potencial de ir testar a MM200, teríamos o risco de 1 para um potencial retorno de 2,8, o que é bem atrativo.

Dos indicadores, o que mais me chamou a atenção foi o IFR14.

O IFR14 vai rompendo, confirmando o pivot de alta, corroborando com potencial movimento de alta dos preços.



Temos alguns fatores a considerar para este case:


  1. O afrouxamento das restrições e aumento da população imunizada trará procura pelas escolas particulares, principalmente na tentativa de diminuir a defasagem e qualidade de ensino abaixo de desejável que a grande maioria dos jovens foi submetida em 2020 e grande parte deste ano de 2021;
  2. Apesar de o setor de educação ser um setor difícil e de recuperação um pouco mais demorado do que setores de consumo e lazer, como shoppings e varejo, a assimetria para recuperação nos próximos meses é bem interessante


Considerando esses dois pontos, vejo que há uma boa probabilidade para este case, que pode ser replicado inclusive em outras empresas do setor. O que me levou a escolher a Ser Educacional (SEER3) nesta semana, além do racional por trás da retomada na procura de escolas particulares, foi o bom momento técnico do papel.

Cabe a você avaliar bem os cenários e, de acordo com seu gerenciamento risco, decidir se vale ou não se posicionar no papel nesses níveis de preço.

Como sempre fica o alerta: é muito importante que, além da análise da movimentação dos preços via AT, considere-se o cenário macro e micro atual, perspectivas de curto prazo para o setor e decisões políticas que afetam diretamente a economia, e no Brasil costumam fazer bastante preço, para avaliar se faz sentido investir nessa empresa.


Conheça mais sobre o histórico da Ser Educacional

Fonte: Ser Educacional – RI

1993 – O Grupo Ser Educacional foi constituído em 1993, com a fundação do Complexo Educacional Bureau Jurídico, liderado pelo professor José Janguiê Diniz (“Janguiê”), que realizava cursos preparatórios para concursos, uma novidade na cidade do Recife.

2003 – Em 2003, com a publicação no Diário Oficial da União da portaria 1.109, do MEC, a Faculdade Maurício de Nassau, mantida pelo ESBJ – Ensino Superior Bureau Jurídico Ltda., sucessora do Complexo Educacional Bureau Jurídico, é fundada oficialmente. Em paralelo, autoriza-se o funcionamento dos cursos de Direito, Administração, Comunicação Social e Biomedicina.

A decisão de criar uma faculdade partiu do próprio professor Janguiê, que, reconhecendo a necessidade do mercado local, empenhou-se no desenvolvimento de um projeto de educação superior de qualidade e, conhecendo a história do Recife, nomeou a Faculdade Maurício de Nassau em homenagem a figura do extraordinário empreendedor Maurício de Nassau, reconhecida por todos os brasileiros.

2006 – Em 2006, a Faculdade Maurício de Nassau adquiriu as instituições mantenedoras de João Pessoa e Campina Grande, no estado da Paraíba.

2007 – Em 2007, a Faculdade Maurício de Nassau implantou o Conselho Consultivo como uma forma de orientar as suas estratégias. Uma das principais atribuições do Conselho, em conjunto com a Hopper Consultoria Educacional, foi redefinir o planejamento estratégico da empresa. Em paralelo com esses projetos, a Faculdade Maurício de Nassau inaugurou as unidades de João Pessoa e Campina Grande.

No mesmo ano, o Grupo Universitário Maurício de Nassau credenciou e colocou em funcionamento a Faculdade Joaquim Nabuco, na cidade de Paulista, no Estado de Pernambuco, sendo este um novo modelo de negócios, orientado para o público das classes C e D.

2008 – Continuando o projeto de expansão e com o intuito de consolidar a política de governança corporativa, em 2008 foi instituído um Conselho de Administração composto por representantes dos acionistas e por profissionais reconhecidos no mercado por suas realizações em grandes grupos empresariais do Brasil. Em outubro do mesmo ano, o Cartesian Capital Group se associou ao Grupo Universitário Maurício de Nassau, com um aporte de R$48 milhões, passando a deter uma participação de 11,3% do total das ações da ESBJ.

Ainda em 2008, a Faculdade Joaquim Nabuco inaugurou uma nova unidade no centro do Recife, tendo ainda realizado a aquisição (i) da FABAC (CETEBA – Centro de Ensino e Tecnologia da Bahia Ltda.), nos municípios de Salvador e Lauro de Freitas, no Estado da Bahia; (ii) da ESAMC (ADEA – Sociedade de Desenvolvimento Educacional Avançado Ltda.), localizada no município de Maceió, no Estado de Alagoas; e (iii) da Faculdade CDF (SECARGO – Sociedade Educacional Carvalho Gomes Ltda.), localizada no município de Natal, Estado do Rio Grande do Norte, continuando seu processo de expansão pela região Nordeste.

2009 – Em 2009, o Grupo Universitário Maurício de Nassau redefiniu as suas diretrizes acadêmicas e, como consequência, unificou as matrizes curriculares e os planos de ensino das disciplinas, iniciando a metodologia do diário eletrônico e do processo de auditorias acadêmicas.

2010 – As reformulações e a trajetória de crescimento continuaram em 2010, quando o Grupo Universitário Maurício de Nassau recebeu os auditores do IFC – Banco Mundial, resultando na aprovação de uma linha de crédito no valor de R$80 milhões. O Grupo Universitário Maurício de Nassau iniciou o projeto de implementação da ISO 9001, buscando estruturar a instituição para a certificação e, como consequência, reavaliou e redefiniu todos os seus processos internos. Nesse mesmo ano, decidiu-se, após um trabalho de branding, mudar o nome para Grupo Ser Educacional S.A.

2011 – Em 2011, o Grupo Ser Educacional S.A. trabalhou para aumentar de forma significativa o portfólio de cursos em suas unidades de ensino. Nesse ano, foram realizadas as incorporações das unidades de Aracaju e Belém, nos Estados de Sergipe e Pará, respectivamente, além da inauguração da unidade das Mercês, em Salvador, Estado da Bahia.

2012 – Através da portaria 701 do MEC, em 2012, foi conferido à Faculdade Maurício de Nassau, no Recife, o credenciamento como centro universitário e a nomenclatura da Faculdade passou a ser UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau. Ainda em 2012, a UNINASSAU obteve a certificação ISO 9001. Nesse mesmo ano, iniciaram-se as atividades na unidade Caruaru, em Pernambuco, e foram incorporadas as unidades dos municípios de Manaus e São Luís, nos Estados do Amazonas e Maranhão, respectivamente.

2013 – Em 2013, foram adquiridas três unidades no Estado do Piauí (FAP Teresina, a Faculdade Aliança e a FAP Parnaíba), uma unidade em Paulista, no Recife (Faculdade Decisão) e uma unidade em Vitória da Conquista, na Bahia (Faculdade Juvêncio Terra).

Ainda em 2013, ano em que completou dez anos de existência, o grupo Ser Educacional, por meio de uma oferta pública inicial de ações, IPO na sigla em inglês, passou a ter suas ações negociadas na B3, a bolsa de valores mobiliários brasileira, no segmento do Novo Mercado, passando a fazer parte do rol de empresas de capital aberto com os mais avançados níveis de governança corporativa do mercado.

2014 – Em 2014, foram adquiridos a Faculdade Anglo Líder – FAL, localizada no município de São Lourenço da Mata, no Estado de Pernambuco, a União de Ensino Superior do Pará – UNESPA (“UNESPA”), mantenedora da Universidade da Amazônia – UNAMA, no município de Belém, Estado do Pará e o Instituto Santareno de Educação Superior – ISES, mantenedora das Faculdades Integradas Tapajós – FIT, sediado em Santarém, também no Estado do Pará.

2015 – Em 2015, dando continuidade ao seu plano de expansão e iniciando a entrada na região Sudeste, a Ser Educacional adquiriu, através de sua subsidiária CENESUP – Centro Nacional de Ensino Superior Ltda., 100% do capital social da Sociedade Paulista de Ensino e Pesquisa S/S Ltda. (mantenedora da Universidade de Guarulhos – UNG), conforme termos e condições dispostos no Contrato de Compra e Venda de Quotas e Outras Avenças celebrado entre as partes.

A UNG, uma das mais tradicionais Universidades do Brasil e única na região de Guarulhos, conta hoje com cinco campi, sendo três em Guarulhos (Dutra, Bonsucesso e Centro), um na cidade de São Paulo (Shopping Light) e outro em Itaquaquecetuba, interior de São Paulo. A UNG completou 45 anos de existência em 2015 e é referência na região em que atua pela solidez acadêmica e diversidade de cursos de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu (possuindo três programas de mestrado e um de doutorado) e pela capacitação de seu corpo docente.

Nesse mesmo ano, foi realizada a aquisição da Faculdade Talles de Mileto (FAMIL) por R$6,0 milhões. A FAMIL possuía duas unidades, uma em Fortaleza (CE) e outra em Parnamirim (RN), e também assinou um Contrato de Cessão Onerosa de Mantença e Outras Avenças com o Instituto Metodista Bennett, prevendo a cessão da mantença do Centro Universitário Bennett à UNESPA pelo valor de R$10,0 milhões a ser pago após a conclusão da transferência da mantença, o que permitirá a entrada da companhia na cidade do Rio de Janeiro já com uma licença de um Centro Universitário, que permite autonomia no lançamento de novos cursos, em caso de sucesso no processo de transferência da mantença.

Sob o ponto de vista do crescimento orgânico, em 2015, o grupo Ser Educacional obteve a aprovação de quatro novas unidades de ensino presencial, localizadas nas cidades de Petrolina (PE), Olinda (PE), Jaboatão dos Guararapes (PE) e Feira de Santana (BA), tendo encerrado o ano, portanto, com 42 unidades. No segmento do ensino a distância (EAD), o grupo obteve credenciamento da UNG, que passou a operar com 6 polos, levando o grupo a operar com um total de 15 pólos. Também houve o reconhecimento do curso EAD da UNINASSAU, que permitiu que o grupo entrasse com pedidos de abertura de mais 400 polos de ensino a distância.

2016 – Em 2016, houve expansão de atividades na região Sudeste por meio da assinatura de um Contrato de Cessão não-Onerosa de Mantença da Faculdade São Camilo (FASC), além da conclusão da Cessão Onerosa de Mantença e Outras Avenças do Centro Universitário Bennett, na cidade do Rio de Janeiro. Para as operações nas regiões Sudeste e Sul, foi criada a marca UNIVERITAS, passando a FASC a operar com o nome Faculdade UNIVERITAS e o Centro Universitário Bennett passou a operar com a marca Centro Universitário UNIVERITAS.

De 2017 a 2019 – Entre os anos de 2017 e 2019, a companhia, dando seguimento ao seu plano de crescimento orgânico, obteve 61 novas unidades credenciadas pelo Ministério da Educação (MEC): Jaboatão de Guararapes (PE), Boa Vista (RR), Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Fortaleza (CE), Marabá (PA), Garanhuns (PE), Maracanaú (CE), Ananindeua (PA), Anápolis (GO), Juazeiro do Norte (CE), Sobral (CE), Mossoró (RN), Natal (RN), Brasília (DF), Arapiraca (AL), Campo Grande (MS), Macapá (AP), Cuiabá (MT), Porto Alegre (RS), Vitória (ES), Goiânia (GO), Belém (PA), Palmas (TO), Salvador (BA), Curitiba (PR), Joinville (SC), Patos (PB), Imperatriz (MA), Campinas (SP), Betim (MG), Itabuna (BA), Caxias do Sul (RS), Florianópolis (SC), São Bernardo do Campo (SP), São José dos Campos (SP), Uberlândia (MG), Contagem (MG), Belo Horizonte (MG), Londrina (PR), Blumenau (SC), Campos dos Goytacazes (RJ), Divinópolis (MG), Duque de Caxias (RJ), Juiz de Fora (MG), Niterói (RJ), Pelotas (RS), Ponta Grossa (PR), Santo André (SP), Serra Talhada (PE), Sorocaba (SP), Volta Redonda (RJ), Castanhal (PA), Paraupebas (PA), Montes Claros (MG), Nova Iguaçu (RJ), Osasco (SP), Piracicaba (SP), Ribeirão Preto (SP), São Gonçalo (RJ) e São José do Rio Preto (SP).

Além das unidades credenciadas, no período entre 1 de janeiro de 2017 e 31 de dezembro de 2019, foram aprovados 656 novos cursos, totalizando 1.815 cursos de graduação e mais de 1.115,8 mil vagas anuais, sendo 711,4 mil vagas deste total referentes ao EAD, ao final de dezembro de 2019. A UNAMA – Universidade da Amazônia foi credenciada para oferecer EAD no Brasil. Com o credenciamento, a UNAMA poderá lançar até 150 pólos por ano. Como resultado, o grupo Ser Educacional poderá passar a contar com um total de 800 polos de EAD. As Faculdades UNINABUCO de Paulista e de Recife receberam o credenciamento do MEC como centro universitário, o que as possibilita a abertura de novos cursos sem a necessidade de aprovação prévia do MEC.

Em 16 de abril de 2019, por meio de nossa subsidiária CENESUP, foi anunciada a aquisição da UNINORTE de Manaus (AM) por um preço de compra base (enterprise value) no valor de R$ 194,8 milhões, do qual será deduzido o endividamento líquido, conforme aplicável, no montante de R$9,8 milhões. Em 31 de dezembro de 2018, a UNINORTE possuía um número total de 25.2 mil alunos com matrícula ativa, sendo 23.2 mil alunos de graduação e 2.0 de pós-graduação, e seu EBITDA ajustado de R$18,7 milhões. Com a UNINORTE, fortaleceu-se a presença na região Norte do Brasil, assumindo número significativo de alunos de graduação presencial na cidade de Manaus por meio de uma marca reconhecida na cidade, vencedora da pesquisa top of mind nos últimos 8 anos consecutivos e passamos a ser referência de mercado nas duas maiores cidades da região Norte do Brasil, uma vez que já somos líderes de mercado em Belém, no estado do Pará.

Em 23 de outubro de 2019, após cumprimento das condições precedentes, foi realizada a conclusão financeira do Contrato de Cessão e Transferência de Quotas e Outras Avenças e a efetiva transferência de 100% das ações representativas do capital social da SODECAM – Sociedade de Desenvolvimento Cultural do Amazonas Ltda., mantenedora do Centro Universitário do Norte – UNINORTE, para o Centro Nacional de Ensino Superior Ltda. – CENESUP, subsidiária da Ser Educacional S.A.

Arte: Vinícius Martins / TC Mover

DISCLAIMER: As informações disponibilizadas na coluna são meramente opiniões do COLUNISTA na data em que foram expressas e não declarações de fatos ou recomendações para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários, ou ainda, qualquer recomendação de investimento.


Leia também

Lojas Renner decepciona e registra prejuízo no primeiro trimestre

Especial: Paulo Guedes garante reformas em 2021 e sintonia com Congresso

Magazine Luiza frustra consenso, refletindo peso do online

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais