TC Mover
Mover

BB-BI vê commodities e bancos afetados por Reforma Tributária

Postado por: TC Mover em 07/07/2021 às 14:17
BB-BI destaca setores que devem ser prejudicados por Reforma Tributária

Brasília, 7 de julho – Um relatório do BB-BI divulgado na última terça-feira, 6, aponta que os segmentos de óleo e gás, mineração e bancos serão os mais afetados pela proposta de Reforma Tributária do governo caso o texto venha a ser aprovado na forma como foi apresentado.

Segundo o texto assinado por Henrique Tomaz e a equipe de pesquisa do banco de investimentos, os setores sofrerão por utilizarem mais o benefício tributário do abatimento dos Juros sobre Capital Próprio, JCP, pagos aos investidores.

Fim de isenção de tributos sobre parcela de lucro distribuída afetará os segmentos, diz o BB-BI

Além disso, de acordo com o BB-BI, as companhias dos segmentos mencionados também costumam “capturar maior atratividade em suas ações por conta da remuneração decorrida dos dividendos”. Segundo a equipe, elas serão afetadas pelo eventual fim da isenção de tributos sobre a parcela do lucro distribuída.

O texto apresentado pelo governo prevê tributar em 20% os dividendos distribuídos a pessoas físicas. Estarão isentos apenas os valores distribuídos por microempresas até o limite de R$20 mil por mês.

Reforma Tributária deve penalizar menos os setores de educação, varejo e transporte

Já na outra ponta, a equipe do BB-BI aponta que os setores de educação, alimentos, transporte e logística, e shopping e varejos, devem ser os menos penalizados pela Reforma Tributária. O banco de investimentos observa que as empresas dos segmentos mencionados não se beneficiam, atualmente, de forma substancial do pagamento do JCP. Além disso, também não distribuírem parte considerável dos lucros sob forma de dividendos.

“Há ainda a possibilidade desses setores se beneficiarem, visto que podem capturar parte da renda marginal que será disponibilizada com a nova tabela proposta do IRPF”, completa a equipe de analistas.

BB-BI manteve o alvo para o Ibovespa em 140 mil pontos até o fim de 2021

O projeto apresentado prevê aumento da faixa de isenção do Imposto de Renda para Pessoas Físicas dos atuais R$1.903,98, para R$2.500. Caso o desenho da proposta se confirme, 16,3 milhões de brasileiros estarão isentos do IR, ante os atuais 10,7 milhões, de acordo com dados apresentados pelo Ministério da Economia.

O BB-BI mantém o alvo do Ibovespa em 140 mil pontos ao fim de 2021. O banco menciona, ainda, ser “cedo” para realizar ajustes nas estimativas de preços das companhias por conta da reforma.

Texto: Gabriel Ponte
Edição: Angelo Pavini e João Pedro Malar
Arte: TC Mover


Leia também

Varejo cresce dois meses seguidos, mas decepciona consenso

TC pretende levantar até R$844,5 milhões com IPO na B3

Mercados sobem antes da ata do Federal Reserve; inflação, varejo, tributos, CPI da Covid no radar: Espresso

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais