TC Mover
Mover

BR Partners sobe 6% em dia de estreia na B3

Postado por: TC Mover em 21/06/2021 às 13:47
BR Partners teve alta após estreia na B3

São Paulo, 21 de junho – A BR Partners se tornou o segundo banco de investimento listado na B3 nesta segunda-feira, 21, já registrando, durante a abertura, valorização de 15% em relação ao preço da sua oferta inicial, IPO na sigla em inglês, antes de mitigar a alta.


Estreia da BR Partners é a primeira listagem de um banco de investimentos desde 2012

O banco havia precificado sua oferta de units a R$16,00, no piso da faixa indicativa, na última sexta-feira, 18. Hoje, os papéis abriram a R$18,45, alta de 15,31%. A oferta, de emissão apenas primária e executada com esforços restritos, movimentou cerca de R$400 milhões, dando à companhia um valor de mercado de R$1,7 bilhão.

É a primeira listagem de um banco de investimentos na bolsa brasileira desde o IPO do BTG Pactual há nove anos, mas poderia ter acontecido mais cedo. Em setembro do ano passado, a BR Partners suspendeu temporariamente seu IPO em meio a condições adversas de mercado.

O IPO da BR Partners teve como coordenador líder o Banco BTG Pactual, além do Itaú BBA e da XP Investimentos. Com isso, o banco se tornou a 24ª empresa listada no Nível 2 da B3, segmento que permite que as companhias listadas mantenham ações preferenciais.


Um longo caminho para o IPO

O IPO representa um processo para que uma companhia se torne uma empresa de capital aberto. Assim, marca o momento em que ela passa a vender ações pela primeira vez, ou seja, a entrada na Bolsa de Valores.

Antes de concluir o IPO e ter ações listadas na B3, uma empresa que deseja abrir seu capital, caso da BR Partners, precisa passar por diversos processos e atender às exigências da Comissão de Valores Mobiliários, CVM.

Após a venda em oferta pública, os papéis da empresa passam a ser negociados no pregão da bolsa pelos acionistas compradores. O IPO pode ser primário, quando a venda é de novas ações e capitalização da empresa, ou secundário, quando os sócios da companhia vendem ações já existentes.


Legislação exige auditoria externa, reuniões e registro para realização de IPO

Quando uma empresa, como a BR Partners, abre o capital na bolsa, os donos precisam dividir as decisões e prestar contas aos demais acionistas, que passam a ter representantes no Conselho e participam das assembleias. É necessário também fornecer informações periódicas para o mercado, como desempenho e como será usado o dinheiro captado. Ela se compromete a divulgar todos os fatos relevantes que envolvem o negócio ou a gestão da empresa e que interessem aos acionistas e ao mercado em geral.

A legislação exige alguns passos antes da empresa realizar o IPO. Primeiro, devem se submeter a uma auditoria externa financeira. Depois, preparar os roadshows, reuniões com o objetivo de apresentar os negócios aos potenciais investidores. Então, o registro de companhia aberta classe A, que permite ações em bolsa, deve ser feito na Comissão de Valores Mobiliários, CVM. É preciso providenciar também a listagem na B3.

Depois, a empresa faz um documento chamado de prospecto. Ele contém todas as informações sobre o negócio e a oferta, incluindo os objetivos dos recursos, perspectivas de mercado e os riscos do negócio. Com isso, chega o período de reserva, prazo de alguns dias para os investidores pedirem as ações junto aos bancos e corretoras que participam da oferta.


Processo é concluído após entrega de ações a investidores e estreia na B3

Em muitos casos, as empresas que realizam os IPOs definem prazos para os investidores venderem as ações após a oferta, para evitar os chamados flippers, investidores que compram as ações para vendê-las no primeiro dia de negociação apostando na alta dos papéis.

O processo de venda da oferta inicial é chamado de bookbuilding. Ele indica o volume de interesse pelos papéis e o preço que os investidores estão dispostos a pagar. Depois de todo esse processo, as ações são entregues aos investidores e chega o dia da estreia da empresa na B3, como ocorreu hoje com a BR Partners. O desempenho dos papéis neste dia indica como o mercado recebeu a nova companhia. Saiba mais sobre o processo dos IPOs baixando o e-book que o TC School preparou.


Recursos com IPO da BR Partners serão usados para ampliar operações

O banco de investimentos, fundado pelo banqueiro Ricardo Lacerda, utilizará os recursos da oferta para ampliar suas operações no mercado de capitais, nas áreas de áreas de Crédito Estruturado e Mercado de Capitais e Sales & Trading, além de produtos de tesouraria para clientes.

Por volta das 13h45, as units da BR Partners (BRBI11) eram negociadas a R$17,01, ou 6,31% acima do preço de IPO. No mesmo horário, o Ibovespa operava em alta de 0,39%, aos 128,9 mil pontos.

Texto: Peter Frontini
Edição: Guilherme Dogo e João Pedro Malar
Arte: Vinícius Martins / TC Mover


Leia também

Ministério da Saúde negocia doses para revacinar em 2022

Mercados ensaiam recuperação, de olho em Federal Reserve; minério desaba: Espresso

Calendário Econômico: Relatório Focus, IPO, discursos

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais