Mover

Credit Suisse rebaixa Eletrobras (ELET6) por risco de interferência e troca de comando

Postado por: TC Mover em 22/02/2021 às 16:07
Eletrobras

São Paulo, 22 de fevereiro – O risco de ingerência política na Eletrobras se intensificou com a saída de Wilson Ferreira Junior da presidência da companhia. Somado a isso, a troca de comando na Petrobras na base da canetada pelo presidente Jair Bolsonaro levou o Credit Suisse a rebaixar as ações da elétrica estatal.


Rebaixamento das ações reflete risco de maiores custos

Em relatório assinado por Carolina Carneiro, Rafael Nagano e João Rodrigues, a casa de investimentos rebaixou a ação preferencial classe B da Eletrobras, código ELET6, de outperform, equivalente a compra, para neutra, com preço-alvo de R$32,00. Além disso, a ação ordinária, código ELET3, a recomendação passou de neutra para underperform, equivalente a venda, e o preço-alvo foi para R$28,30.

As trocas refletem a maior percepção de risco para a Eletrobras e a possibilidade de maiores custos para refletir a queda nos cortes de energia em 2021. Além disso, o relatório destaca a possiblidade de interferência do governo federal nos preços da energia. Na sexta, o presidente Bolsonaro afirmou que “colocaria o dedo” para evitar a disparada do preço ao consumidor.


Troca do comando pode pesar como risco de gestão

Ademais, a saída de Wilson Ferreira Junior do comando da Eletrobras pode representar um risco para a gestão. O Credit Suisse destaca as mudanças positivas trazidas pelo executivo à estatal, especialmente na manutenção de um fluxo de caixa saudável e no respeito ao estatuto da companhia. “Uma nova diretoria não tão qualificada e não focada na rentabilidade pode abalar as margens mais uma vez e deteriorar as expectativas” para o papel, aponta o relatório.


Desempenho das ações da Eletrobras (ELET3 e ELET6)

ação da eletrobras

Perto das 14h45, o ADR, ou seja, o recibo de ações da Eletrobras negociado em Nova Iorque, código EBRb, derretia 4,58%, a US$5,21, impactado pelas incertezas do investidor em relação às estatais brasileiras após a interferência de Bolsonaro na Petrobras. A ação preferencial classe B da Eletrobras, código ELET6, caía 2,56%, cotada a R$28,54. Já o papel ordinário, código ELET3, cedia 3,47%, a R$28,10. No mesmo horário, o Ibovespa operava em queda de 3,76%, aos 113,9 mil pontos.

Para acompanhar o desempenho das ações da Eletrobras e de outras empresas, basta acessar o TC Matrix, ferramenta gratuita do TC.

Texto: Gustavo Boldrini
Edição Guilherme Dogo e Letícia Matsuura
Arte: Vinícius Martins/TC Mover


Leia também

Especial: General Luna, indicado para comandar Petrobras (PETR4), pode surpreender céticos

Leite: Guedes, o ministro “nem-nem”

Vieira: Prévia política da semana

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais