Mover

CSN Mineração (CMIN3) dispara em estreia, refletindo apetite estrangeiro por minério

Postado por: TC Mover em 18/02/2021 às 16:59
CSN Mineração

São Paulo, 18 de fevereiro – A ação ordinária da CSN Mineração, código CMIN3, dispara em dia de estreia na B3, puxada pelo apetite do investidor estrangeiro e institucional por papéis atrelados ao minério de ferro, que segue negociando perto da máxima histórica.


Busca por papéis ligados ao minério de ferro deve aumentar, diz banco

Logo na abertura, a ação registrou alta de 7,05% em relação à precificação da oferta inicial, IPO na sigla em inglês. O papel da CSN Mineração foi vendido na oferta a R$8,50, piso da faixa indicativa. O IPO foi considerado o maior do ano até o momento, e um dos dez maiores da história da B3 em volume.

A oferta pública foi coordenada por Morgan Stanley, XP Investimentos, Bank of America, Bradesco BBI, BTG Pactual, UBS BB, Caixa, Citi, Fibra, JP Morgan, Banco Safra e Santander, e agora a CSN Mineração é a 178ª empresa listada no Novo Mercado, segmento com padrões elevados de governança corporativa.

Com o minério de ferro à vista e futuro perto dos US$170 a tonelada, a busca por papéis atrelados à commodity deve se intensificar ainda mais, de acordo com relatório do Credit Suisse. Por volta das 16h55, a CSN Mineração subia 8,94% a R$9,26, com volume projetado de quase R$800 milhões.

CSN Mineração (CMIN3) é vista como alternativa à Vale

Analistas do banco suíço preveem que a oferta do minério continuará impactada pela menor oferta na esteira da pandemia de coronavírus e o legado da tragédia de Brumadinho, em uma mina da concorrente Vale, código VALE3. A demanda chinesa deve aumentar, elevando os preços, disse o relatório.

Investidores veem a CSN Mineração como uma alternativa à ação da Vale, que tem uma exposição maior a minerais e metais além do minério de ferro e ainda lida com questões de governança, como Brumadinho.

Em meio ao avanço da mineradora no primeiro pregão, analistas do JP Morgan recomendaram compra das ações da CSN Mineração, com preço-alvo de R$16,50, e da CSN, código CSNA3, com preço-alvo de R$50,00.

IPO da empresa movimentou cerca de R$5,2 bilhões

A CSN Mineração foi criada em 2015, resultado da fusão dos ativos de mineração das empresas CSN e Namisa. Atualmente, faz parte do Grupo CSN e é a segunda maior exportadora de minério de ferro do Brasil. O grupo é dono de 89% da mineradora.

Entre os ativos da empresa estão a Mina de Casa de Pedra, que possui mais de seis bilhões de toneladas em recursos e 3 bilhões de toneladas em reservas de minério de ferro, segundo dados de 2014, e as Minas Engenho & Pires.

A precificação da oferta de ações ocorreu no dia 12 de fevereiro, com um preço por ação de R$8,50, movimentando cerca de R$5,2 bilhões. O IPO demorou cerca de 14 anos para se concretizar, e uma parte do valor arrecadado deve ser usado em investimentos em projetos da empresa. Outra parte, cerca de R$3,6 bilhões, será utilizada pelo Grupo CSN para reforçar o caixa e reduzir o endividamento, disseram fontes à TC Mover.

Texto: Gustavo Boldrini
Edição: Guillermo Parra-Bernal e João Pedro Malar
Arte: TC Mover


Leia também

Diluída, PEC de ajuste fiscal pode ser votada semana que vem

Especial: BNDES vende um quarto da posição na Klabin (KLBN11), diz fonte

Entrevista exclusiva: Auxílio não melhora receitas e traz risco inflacionário, diz Quartaroli

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais