TC Mover
Mover

Eleven recomenda entrar no IPO da Smart Fit

Postado por: TC Mover em 06/07/2021 às 18:54
Eleven recomenda IPO da Smart Fit

São Paulo, 6 de julho – A Eleven Research recomendou a participação na oferta pública inicial, IPO na sigla em inglês, de ações da rede de academias Smart Fit. Ela apontou que a companhia possui “uma elevada capacidade de manutenção de sua liderança de mercado”, na esteira de uma trajetória de forte crescimento orgânico.

A Smart Fit atua no segmento de academias High Value Low Price, que reflete seu modelo de negócios focado no custo-benefício do cliente. A empresa sustentou um sólido crescimento orgânico ao longo dos últimos anos, que lhe garantiu a liderança do setor. Eram 55 academias em 2011 contra mais de 900 no início deste ano.

Smart Fit tem rede com capilaridade e marca forte e reconhecida, segundo a Eleven

Para os analistas da Eleven, a companhia já possui uma rede de academias com ampla capilaridade e uma marca forte e reconhecida. Além disso, ela não dá sinais de que seu crescimento vá desacelerar nos próximos anos.

“A empresa conseguiu aliar um forte movimento de expansão de unidades a uma captura ainda maior de clientes, com um bom trabalho de captação e também de maturação das unidades”, escrevem Eric Huang e Tales Granello.

Os analistas da Eleven ainda destacam o espaço para consolidação no setor de academias, já que ainda é um mercado bastante fragmentado. Apesar de não ter fornecido detalhes sobre nenhum potencial alvo, a Smart Fit tende a estar muito bem posicionada para aproveitar oportunidades de aquisição de redes menores em um momento posterior a seu IPO.

Eleven estabeleceu preço-alvo de R$33,00 para as ações da Smart Fit

A Eleven estabeleceu preço-alvo de R$33,00 para as ações da Smart Fit, diante de uma faixa indicativa de R$20,00 a R$25,00. A faixa deve ser precificada na próxima segunda-feira, 12.

No ponto médio da faixa, a oferta base deve girar cerca de R$2,25 bilhões. O período de reservas do negócio se encerra nesta quinta-feira, 8. Já as ações estrearão na B3 no próximo dia 14 de julho, com ações negociadas sob o ticker “SMFT3”.

Um longo caminho para o IPO

O IPO, como o da Smart Fit, representa um processo para que uma companhia se torne uma empresa de capital aberto. Assim, marca o momento em que ela passa a vender ações pela primeira vez, ou seja, a entrada na Bolsa de Valores.

Antes de concluir o IPO e ter ações listadas na B3, a empresa que deseja abrir seu capital precisa passar por diversos processos e atender às exigências da Comissão de Valores Mobiliários, CVM.

Após a venda em oferta pública, os papéis da empresa passam a ser negociados no pregão da bolsa pelos acionistas compradores. O IPO pode ser primário, quando a venda é de novas ações e capitalização da empresa, ou secundário, quando os sócios da companhia vendem ações já existentes.

Legislação exige auditoria externa, reuniões e registro para realização de IPO

Quando a empresa abre o capital na bolsa, os donos precisam dividir as decisões e prestar contas aos demais acionistas, que passam a ter representantes no Conselho e participam das assembleias. É necessário também fornecer informações periódicas para o mercado, como desempenho e como será usado o dinheiro captado. Ela se compromete a divulgar todos os fatos relevantes que envolvem o negócio ou a gestão da empresa e que interessem aos acionistas e ao mercado em geral.

A legislação exige alguns passos antes da empresa realizar o IPO. Primeiro, devem se submeter a uma auditoria externa financeira. Depois, preparar os roadshows, reuniões com o objetivo de apresentar os negócios aos potenciais investidores. Então, o registro de companhia aberta classe A, que permite ações em bolsa, deve ser feito na CVM. É preciso providenciar também a listagem na B3.

Depois, a empresa faz um documento chamado de prospecto, que contém todas as informações sobre o negócio e a oferta, incluindo os objetivos dos recursos, perspectivas de mercado e os riscos do negócio. Com isso, chega o período de reserva, prazo de alguns dias para os investidores pedirem as ações junto aos bancos e corretoras que participam da oferta.

Processo é concluído após entrega de ações a investidores e estreia na B3

Em muitos casos, as empresas que realizam os IPOs definem prazos para os investidores venderem as ações após a oferta, para evitar os chamados flippers, investidores que compram as ações para vendê-las no primeiro dia de negociação apostando na alta dos papéis.

O processo de venda da oferta inicial é chamado de bookbuilding, que indica o volume de interesse pelos papéis e o preço que os investidores estão dispostos a pagar. Depois de todo esse processo, as ações são entregues aos investidores e chega o dia da estreia da empresa na B3. O desempenho dos papéis neste dia indica como o mercado recebeu a nova companhia. Saiba mais sobre o processo os IPOs baixando o e-book que o TC School preparou.

Texto: Peter Frontini
Edição: Cíntia Thomaz, Letícia Matsuura e João Pedro Malar
Imagem: Divulgação


Leia também

Real tem liquidação não justificada, diz Robin Brooks

Poupança tem entrada líquida de R$7,088 bilhões em junho

Ethereum supera quantidade de endereços do Bitcoin

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais