TC Mover
Mover

Especial: Bolsonaro demite Castello Branco da Petrobras (PETR4) após alta do diesel

Postado por: TC Mover em 19/02/2021 às 21:49
Petrobras

São Paulo, 19 de fevereiro – O presidente Jair Bolsonaro demitiu na noite de hoje o atual diretor-presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e o substituiu por um militar de confiança, contrariando o conselho de administração da empresa e instalando uma crise de governança na maior estatal do país.


Bolsonaro nomeia general Joaquim Silva e Luna para presidência da Petrobras

Bolsonaro mandou nomear o general Joaquim Silva e Luna para tirar Castello Branco, que estava na Petrobras há pouco mais de dois anos. Além disso, Castello Branco estava para ser reconduzido por mais dois anos no cargo na terça-feira próxima.

Castello Branco disse no final de janeiro que a Petrobras não podia ser culpada por uma eventual greve dos caminhoneiros se elevasse os preços dos combustíveis. Castello Branco não informou ao governo que aumentaria os preços, provocando a demissão, disse uma coluna do site G1.


Petrobras informa que Castello Banco tem mandato até março

Em comunicado, a Petrobras informou que Castello Branco tem mandato vigente até 20 de março e pede para que substituição seja avaliada pelo conselho de administração da estatal posteriormente.

De acordo com uma fonte próxima ao conselho da Petrobras, Bolsonaro não teria potestade de trocar o diretor-presidente da Petrobras sem ouvir o colegiado. Tampouco poderia escolher um nome fora do conselho, que é o caso de Silva e Luna. “O conselho está estarrecido”, disse a fonte. A troca foi anunciada em uma rede social e depois confirmada por um comunicado do Ministério de Minas e Energia. O conselho cogita medidas legais e membros podem renunciar como resultado da “ingerência selvagem do presidente”, disse a fonte, que pediu anonimato para falar do assunto.

O recibo das ações negociado nos Estados Unidos, ADR, do papel ordinário da Petrobras, código PBR, chegou a cair quase 15% com a notícia e, por volta das 20h30, derretia quase 9% no pós-mercado em Nova Iorque. “O governo decidiu indicar o senhor Joaquim Silva e Luna para cumprir uma nova missão, como conselheiro de administração e presidente da Petrobras, após o encerramento do ciclo, superior a dois anos, do atual presidente”, disse a postagem de Bolsonaro. O cabeçalho da postagem foi atribuído ao Ministério.


Bolsonaro atacou alta dos combustíveis e negou interferência na estatal um dia antes

O anúncio acontece um dia depois de o presidente atacar a natureza inesperada de um aumento entre 10% e 15% de vários combustíveis. Bolsonaro atacou uma fala recente de Castello Branco, que no final de janeiro disse que a Petrobras não tinha a ver com nenhuma greve, caso ela decidisse subir o preço do combustível.

“Eu não posso interferir, nem iria interferir na Petrobras, se bem que alguma coisa vai acontecer na Petrobras nos próximos dias, você tem que mudar alguma coisa, vai acontecer”, disse Bolsonaro ontem. O valor de mercado da estatal caiu hoje quase R$30 bilhões com a ameaça a Castello Branco.

A situação reflete o risco para o investidor de apostar em papéis de empresas estatais, cuja visão estratégica de longo prazo ainda é permeada por interesses políticos de curto prazo. O episódio da Petrobras também deve levar a maiores controles do governo sobre o setor, castigado pela alta do dólar e a menor demanda por conta da recessão induzida pela pandemia do coronavírus.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica disse hoje que deve monitorar mais de perto o comportamento do preço dos combustíveis em postos de todo o país, após a Petrobras anunciar o reajuste da gasolina e do diesel nas refinarias.

O ex-presidente do Banco Central, Gustavo Franco, se posicionou nas redes sociais logo após a demissão de Castello Branco. “Boa tarde, Venezuela”, escreveu Franco. O investidor já especulava trocas no comando da Petrobras, e reportagens de O Globo e Valor Econômico afirmavam que o conselho de administração apoiava pela manutenção de Castello Branco no cargo. Haveria uma reunião de rotina na terça-feira para discutir a recondução do executivo por mais dois anos, disse a fonte.


Troca na presidência acontece semanas antes da divulgação do balanço

A saída do executivo acontece a pouco menos de uma semana da divulgação de resultados da empresa, o que era visto como um elemento que coibiria Bolsonaro. A Petrobras publica o balanço do quarto trimestre em 24 de fevereiro, após o fechamento do mercado.

Os papéis ordinários, código PETR3, e preferenciais, código PETR4, da Petrobras tiveram a sua pior sessão diária em 11 meses, ou desde o auge do pânico com a pandemia do coronavírus. Os papéis preferenciais, que tiveram volume de negociação recorde histórico de R$5,9 bilhões, caíram 6,63% e os ordinários, 7,92%.

Somadas, as ações ordinárias e preferenciais da Petrobras representaram uma perda de 894 pontos no Ibovespa hoje. Não bastasse, o rumor da agora confirmada intervenção política na companhia ainda derrubou ações de outras estatais, como Banco do Brasil, código BBAS3, e Eletrobras, código ELET6.

Texto: Guillermo Parra-Bernal e Felipe von Eye Corleta
Edição: Melina Flynn e Letícia Matsuura
Arte: TC Mover

Leia também

Calendário Econômico: IGP-M, IPCA-15, dívida, PCE

IRB (IRBR3) terá consultoria até 2023 e projeções em breve, diz diretor; ações caem quase 4%

Resumo da Semana: Banco Central, Klabin, auxílio emergencial

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis