TC Mover
Mover

IRB Brasil (IRBR3): após denúncias, CVM vai averiguar relatório do UBS

Postado por: TC Mover em 15/10/2020 às 14:20
A Comissão de Valores Mobiliários, CVM, abriu processo para averiguar denúncias de investidores sobre um relatório de análise para as ações da IRB Brasil pelo UBS BB, informou o Valor Econômico na manhã desta quinta-feira.

São Paulo, 15 de outubro – A Comissão de Valores Mobiliários, CVM, abriu processo para averiguar denúncias de investidores sobre um relatório de análise para as ações da IRB Brasil pelo UBS BB, informou o Valor Econômico na manhã desta quinta-feira. 

A CVM disse que recebeu em torno de 40 reclamações sobre o assunto e informou que os investidores “podem, sempre que necessário, buscar a autarquia por meio dos canais de atendimento disponíveis” a fim de orientação e proteção dos investidores. Em nota enviada ao Valor, a Comissão afirma, ainda, que não faz juízo de valor com relação à quantidade de reclamações recebidas. Segundo eles, “todas as demandas são analisadas e respondidas”.

Na semana passada o banco retomou a cobertura do papel, com recomendação de venda e redução de preço-alvo de mais de 90%. Ao Valor, o UBS BB refuta “quaisquer alegações de conflito de interesse, juntamente com outras acusações infundadas”. O papel, que acumula queda de 79% no ano e é o de pior desempenho no Ibovespa no período, ganhou mais de 200 mil novos acionistas pessoas físicas neste ano. 

Oscilação das ações da IRB (IRBR3)

resseguradora IRB Brasil vem enfrentando oscilações nos preços de seus papéis desde fevereiro, quando a gestora Squadra denunciou em relatório de um de seus fundos  irregularidades contábeis nas demonstrações financeiras.

Cada papel da IRB Brasil (IRBR3) valia R$40,60 em fevereiro e chegou a R$5,41 em 21 de setembro. Duas semanas depois desse piso, a ação subiu 60%, para R$8,65, com a avaliação AAA feita pela agência de risco Standard & Poor’s, que destacou as mudanças na estrutura do alto escalão da empresa.

O que aconteceu com a IRB Brasil (IRBR3)?

A IRB Brasil é a maior resseguradora da América Latina e detém participação de mercado de 38% no Brasil, sendo considerada referência pela solidez financeira e conhecimento técnico. Porém, a empresa mergulhou em uma crise em fevereiro, não conseguindo se recuperar desde então.

Com a denúncia de irregularidades contábeis, incluindo aumento artificial do lucro feita pela gestora Squadra comprovada, a IRB passou por uma grande reestruturação. A companhia corrigiu os balanços e passou por mudanças em sua gestão.

O desenquadramento, ou seja, a insuficiência na composição de ativos líquidos mínimos para cobrir sinistros, trouxe incertezas sobre o futuro da IRB. A margem de liquidez e a cobertura de provisão são definidas pela Superintendência de Seguros Privados, Susep, e pelo Conselho Monetário Nacional, CMN.

Na tentativa de contornar a situação, a empresa aumentou R$2,3 bilhões de capital e anunciou uma primeira emissão de R$ 900 milhões em debêntures marcada para 15 de outubro. O diretor-presidente da IRB Brasil, Antônio Cássio dos Santos, afirmou em mensagem ao programa Café com Ferri que a resseguradora não precisaria emitir mais ações para se reenquadrar.

Texto: Ana Carolina Amaral

Edição: Angelo Pavini

Arte: Nathália Reiter/TC Mover

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Experimente 7 dias grátis