TC Mover
Mover

Reforma Tributária prejudica bancos e favorece seguradoras, diz Credit Suisse

Postado por: TC Mover em 28/06/2021 às 12:10
Reforma Tributária e bancos

São Paulo, 28 de junho – A proposta de Reforma Tributária enviada pelo governo federal ao Congresso na semana passada traz impactos positivos para seguradoras de bancos, como a Caixa Seguridade e a BB Seguridade. Contudo, prejudica bancos privados e estatais com o fim dos Juros sobre Capital Próprio, avalia o Credit Suisse.


Reforma Tributária pode impactar positivamente nos lucros das seguradoras

Em relatório, os analistas do banco de investimento destacam que o fim do juros sobre o capital próprio favorece BB Seguridade e Caixa Seguridade, uma vez que essas companhias já pagavam apenas dividendos. “A redução das taxações sobre o lucro mais que reduz os impactos negativos do imposto sobre dividendos”, avaliam Marcelo Telles e Alonso Garcia.

Segundo o Credit Suisse, com a Reforma Tributária, o lucro da Caixa Seguridade deve ter impacto positivo de 6,6%. Enquanto isso, a BB Seguridade pode ver seus ganhos crescerem 3% até 2023 caso essa reforma entre em vigor.


Ganhos dos bancos podem cair entre 7% e 8% até 2023 com Reforma Tributária, diz Credit Suisse

O impacto mais negativo da Reforma Tributária será sentido pelos bancos, em especial os estatais, que estavam entre os principais beneficiados pelo pagamento dos juros sobre capital próprio. Os bancos estatais devem ver seus ganhos caírem entre 7% e 8% até 2023, de acordo com as estimativas dos analistas, enquanto os privados perderão entre 3% e 4%. O Credit Suisse ressalta que as estimativas são preliminares e que ainda está esperando posicionamentos das empresas

Os juros sobre capital próprio são uma forma de distribuição de lucros própria do mercado brasileiro, contabilizados como despesa no balanço patrimonial. Eles foram criados em meados dos anos 1990 para facilitar que as companhias financiassem seus projetos em cenário de escassez de crédito, além de servir como mecanismo para reduzir o pagamento de impostos.


Desempenho das ações

Perto das 12h05, os papéis preferenciais do Itaú (ITUB4) e do Bradesco (BBDC4) caíam, respectivamente, 1,95%, a R$30,20, e 1,44%, a R$26,01. Enquanto isso, a ação ordinária do Banco do Brasil (BBAS3) recuava 0,85%, cotada a R$32,62.


Ação do Itaú - ITUB4


Já os ativos do BB Seguridade (BBSE3) e Caixa Seguridade (CXSE3) subiam 0,38%, a R$24,01, e 1,31%, a R$13,11, respectivamente. No mesmo horário, o Ibovespa operava em queda de 0,28%, aos 126,8 mil pontos.

Para acompanhar o desempenho das ações dos bancos, das seguradoras e de outras empresas, basta acessar o TC Matrix, ferramenta gratuita do TC.

Texto: Gustavo Boldrini
Edição: Lucia Boldrini e Letícia Matsuura
Arte: Vinícius Martins / TC Mover


Leia também

Payroll e ajuste de carteiras vêm em semana quente; no radar, CPI da Covid: Espresso

Calendário Econômico: Emprego, dívida pública, Relatório Focus

As mais lidas da semana: Oi (OIBR3), HASH11, Petrobras (PETR4)

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais