TC Mover
Mover

IGP-M desacelera em junho com valorização do real

Postado por: TC Mover em 29/06/2021 às 15:16
IGP-M desacelerou em junho

São Paulo, 29 de junho – O Índice Geral de Preços – Mercado, IGP-M, de junho veio abaixo do consenso do mercado e teve forte desaceleração frente ao resultado de maio. O dado, também conhecido como inflação do aluguel, refletiu a valorização do real e o recuo dos preços de algumas commodities.

Segundo informações da Fundação Getúlio Vargas, FGV, o indicador de junho subiu 0,60%. O consenso do mercado apontava para alta de 1,00%. Em maio, o índice tinha vindo muito forte, subindo 4,10%. No ano, acumula crescimento de 15,08%, e de 35,75% em 12 meses.

INCC foi o único componente do IGP-M que registrou alta mensal

O coordenador dos índices de preços da FGV, André Braz, explica que a desaceleração do IGP-M frente a maio pode ser explicada por uma combinação de dois fatores: a alta do real frente ao dólar e o recuo de preços de commodities importantes.

Com isso, o grupo de maior peso, o Índice de Preços ao Produtor Amplo, IPA, subiu 0,42% no mês, contra alta de 5,23% em maio. O Índice de Preços ao Consumidor, IPC, também teve recuo, passando de 0,61% em maio para 0,57% em junho.

Dentre os componentes do IGP-M, apenas o Índice Nacional de Custo da Construção, INCC, teve aumento mensal. O indicador passou de 1,80% para 2,30% em junho, com a elevação de preços da mão de obra e dos serviços.

Data de coleta de informações diferencia os índices gerais de preços da FGV

Além do IGP-M divulgado nesta terça-feira, 29, a FGV também calcula outros dois índices gerais de preços: o Índice Geral de Preços – 10, IGP-10, e o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna, IGP-DI. A diferença entre os IGPs é a data de coleta de informações.

O IGP-10 mede a variação de preços entre o dia 11 do mês anterior e o dia 10 do mês de referência. Já o IGP-DI leva em consideração os dados do primeiro ao último dia do mês de referência. Por fim, o IGP-M é medido por informações coletadas entre os dias 20 do mês anterior e dia 21 do mês de referência.

Alta do IGP-M impacta principalmente nos valores de aluguéis

Um dos principais impactos da aceleração do IGP-M é nos aluguéis, que costumam ser corrigidos anualmente pelo índice. Entretanto, altas grandes, como o acumulado em junho dos últimos 12 meses, em um momento de retração da economia e do emprego devem ser alvo de negociação entre inquilinos e proprietários, especialmente diante do mercado de locação ainda desaquecido.

As altas no indicador também representam um dos riscos para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo, IPCA, e para as metas de inflação do Banco Central. Na última reunião do de Comitê de Política Monetária, Copom, a taxa básica de juros, a taxa Selic, foi elevada em 0,75 ponto percentual, com previsão de novos aumentos, para ajudar no controle da inflação.

Como calcular a correção de contratos pelo IGP-M?

O cálculo para correção de contratos, como o aluguel, utilizando o indicador é feito de forma simples. Geralmente, considera-se o acumulado de 12 meses no cálculo do reajuste. No caso de reajuste em junho, o dado utilizado seria 35,75%.

Assim, os 35,75% do indicador equivalem a 0,3575. O cálculo consiste em 1 + IGP-M e, depois da soma, basta multiplicar pelo valor do aluguel. Ou seja, 1,3575 x valor do aluguel.

Texto: Guilherme Dogo
Edição: Lucia Boldrini, Letícia Matsuura e João Pedro Malar
Arte: TC Mover


Leia também

Aneel sobe bandeira vermelha em 52%, podendo puxar inflação

Coronavírus traz cautela aos mercados após rali; bandeira tarifária, arrecadação no radar: Espresso

Calendário Econômico: IGP-M, IPP, resultado primário

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais