Jerome Powell não deve fazer aguardado anúncio na sexta - TC
TC Mover
Mover

Especial: Jerome Powell não deve falar sobre retirada de estímulos monetários no Simpósio de Jackson Hole

Postado por: TC Mover em 25/08/2021 às 18:10
Jerome Powell no simpósio de Jackson Hole

São Paulo, 25 de agosto – O simpósio de Jackson Hole deste ano será epicentro de alguns anúncios, mas pode não ser palco do mais esperado pelos investidores. O presidente do Federal Reserve, o banco central americano, Jerome Powell, não deve dar pistas sobre o início da retirada do programa de estímulos dos EUA. A fala de Powell no evento, que há quatro décadas é organizado pelo Fed de Kansas City, ocorre na manhã dessa sexta-feira, 27.

Anunciado em maio, o programa emergencial do banco central americano se tornou a maior injeção de dinheiro já registrada na história do capitalismo. Isso por meio de compras de US$120 bilhões ao mês em títulos públicos e hipotecários americanos. Ele garantiu que a crise econômica causada pela pandemia não se transformasse em uma longa recessão global.

No entanto, há algumas semanas, economistas e investidores esperam que comece o desmonte do programa. O banco central americano e seu presidente, Jerome Powell, estão sob pressão para que isso aconteça devido à disparada na inflação e à rápida retomada da economia.

Influência do programa emergencial no mercado financeiro

A chamada política estimulativa do Fed tem injetado mais de US$4 trilhões de dólares na economia nos últimos 17 meses e mantido a taxa-alvo básica de juros abaixo da inflação. Isso prejudica os investimentos seguros e leva os investidores a apostarem na alta dos preços de ativos reais, como imóveis, ações e mercadorias. Dessa forma, as bolsas americanas e o mercado de criptomoedas, por exemplo, têm atingido sucessivos recordes históricos, enquanto as commodities se encontram no patamar mais alto em 14 anos.

Expectativas sobre o discurso de Jerome Powell

É consensual que a forma como se dará o recuo dos estímulos deverá impactar os mercados. Por isso, e se espelhando nas quedas recentes nos retornos desses ativos, espera-se que Jerome Powell faça a menor alusão possível a esse desmonte, conhecido como “tapering”. A expectativa também é que ele foque mais no teor da política monetária atual, no cenário econômico e nos riscos associados à aceleração do coronavírus.

Apenas três a cada dez gestores de fundos globais esperam que o presidente do Fed sinalize a retirada dos estímulos em seu discurso. A informação é de economistas do Bank of America. “Achamos que os ventos contrários dão ao Fed mais tempo para fornecer mais detalhes sobre o rumo da normalização da política monetária”, disseram estrategistas do UBS liderados por Dominic Schnider. “Isso permite que o banco central americano erre do lado dócil”, completaram.

Texto: Clara Guimarães e Felipe Corleta
Edição: Guillermo Parra-Bernal e Stéfanie Rigamonti
Imagem: Vinicius Martins / Mover


Leia também

Paulo Guedes diz que governo corre risco de iniciar 2022 rompendo Teto de Gastos

Prévia da inflação acelera em agosto; energia e combustíveis pesam

Crise hídrica no Brasil: Ministério de Minas e Energia aponta “relevante piora”

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais