TC Mover
Mover

Livro Bege vê retomada e pressões maiores sobre a inflação

Postado por: TC Mover em 02/06/2021 às 18:35
Livro Bege indicou crescimento nos EUA

São Paulo, 2 de junho – O Livro Bege, apresentado hoje pelo Federal Reserve, mostrou que a atividade econômica nos EUA acelerou um pouco entre o início de abril e o fim de maio. O avanço da vacinação e a redução das restrições sanitárias ajudaram o consumo, especialmente o ligado a viagens de lazer e restaurantes.


Entrevistados do Livro Bege estão otimistas com solidez do crescimento econômico

Porém, problemas nas cadeias de produção e de falta de mão de obra estão pressionando os custos e devem impactar os preços nos próximos meses, destacou o documento. O relatório reforça as preocupações com a alta da inflação, que pode levar o Federal Reserve, banco central americano, a rever seus estímulos monetários.

O Livro Bege, que reúne levantamentos sobre as condições econômicas nas 12 regionais do banco central americano, ressaltou que as expectativas mudaram pouco em relação ao relatório do início de abril. Os entrevistados estão otimistas que o crescimento econômico continuará sólido.


Oferta de vagas de trabalho continuará forte, mas com procura restrita, dizem empresários

O mercado de trabalho cresceu de maneira relativamente firme, com aumento modesto de vagas em dois terços dos distritos e moderado nos demais. Novamente, a redução das restrições teve mais impacto nas vagas dos setores ligados a serviços de alimentação, hospedagem e varejo.

Muitas empresas voltaram a relatar dificuldade em encontrar candidatos, especialmente para salários mais baixos ou temporários, motoristas de caminhão e pessoal especializado. Isso impediu algumas de ampliar a produção e levou outras a aumentar os salários. A expectativa dos empresários, segundo o Livro Bege, é que a oferta de vagas continuará forte nos próximos meses, mas com procura restrita.


Preços mostraram pressões maiores na comparação com o Livro Bege de abril

Já os preços mostraram em geral maiores pressões desde o relatório do início de abril. Os preços do varejo subiram moderadamente, mas os custos de produção sofreram maior pressão. Muitas empresas citaram altas fortes em preços no setor de construção e de matérias-primas para manufatura. Há pressões também em fretes, embalagens e produtos petroquímicos.

Também foram citadas no Livro Bege pressões por problemas nas cadeias de produção que intensificaram os custos. Já o crescimento da demanda permitiu que muitas empresas repassassem os aumentos para seus clientes, especialmente na manufatura, construção e transportes. A expectativa é de que os aumentos de custos levem a maiores preços nos próximos meses.

Texto: Angelo Pavini
Edição: Bárbara Leite e João Pedro Malar
Arte: TC Mover


Leia também

JPMorgan rebaixa B3 com sinais de possível concorrente

Especial: Otimismo domina carteiras de junho e Petrobras volta aos holofotes

Entrevista exclusiva: Reformas e Correios avançarão antes do recesso, diz Ricardo Barros

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais