TC Mover
Mover

Bolsas nos EUA batem recorde; no radar, coronavírus, estímulos, crise hídrica, IGP-M, contas públicas, CPI da Covid: Espresso

Postado por: TC Mover em 28/06/2021 às 20:09
Bolsas nos EUA e no Brasil

São Paulo, 28 de junho – As bolsas nos EUA voltaram a oscilar, com queda no Dow Jones Industrial e recordes do S&P500 e do Nasdaq 100, em meio a uma reversão da rotação das carteiras de tecnologia para as ações ligadas à retomada da atividade.


Bolsas nos EUA foram impactadas com alta de tecnologias e desvalorização de energia

O movimento de valorização das empresas de tecnologia, ajudado pela queda dos juros longos americanos, se acentuou no fim do dia. A Justiça americana suspendeu uma ação antitruste contra o Facebook, o que fez a empresa superar US$1 trilhão em valor de mercado, puxou o S&P500 e Nasdaq. Já o Dow Jones sofreu com o temor de retomada da pandemia de coronavírus diante do aumento de casos da cepa indiana Delta no Reino Unido. Além disso, a queda do petróleo derrubou as ações de energia.

Pesou ainda nas bolsas nos EUA o indicador a informação de que a Boeing só conseguirá autorização das autoridades americanas para seu novo modelo 777X no segundo semestre do ano que vem. Os juros longos americanos recuaram. O rendimento do Tresasury de dez anos caiu de 1,536% na sexta-feira, 25, para 1,482% hoje. Enquanto isso, o rendimento de 30 anos, de 2,169% para 2,101% ao ano.

O dólar terminou o dia praticamente estável diante dos principais pares. O índice DXY subiu 0,03%. O petróleo caiu mais de 1,5%, revertendo parte das cinco semanas seguidas de alta, à espera da reunião da Opep+ na quinta-feira, 1. Já o Bitcoin subiu 5,7%, para US$34,6 mil.


Ibovespa manteve os 127 mil pontos, sofrendo pressão das commodities

No Brasil, o Ibovespa reverteu as perdas no fim do dia e fechou em pequena alta. O índice manteve os 127 mil pontos, com a pressão negativa das commodities em baixa, especialmente o petróleo, e repercutindo a proposta de mudanças na tributação de empresas e investimentos, que não agradou os investidores.

Os bancos devem ser prejudicados pelo fim do abatimento dos juros sobre capital próprio no imposto de renda. A tributação sobre fundos imobiliários pode reduzir a oferta de recursos para o setor. Já a queda dos juros futuros hoje e a perspectiva de redução na tributação das faixas de renda mais baixas junto com a prorrogação do auxílio emergencial ajudaram as ações de consumo e varejo.

Para conferir o Espresso na íntegra e outros conteúdos exclusivos, assine um dos planos do TC.

Texto: TC Mover
Edição: Letícia Matsuura
Arte: Vinícius Martins / TC Mover


Leia também

Arthur Lira sugere alíquota de 15% sobre dividendos

BTG Pactual rebaixa BRF e Minerva por perspectiva cautelosa

Ministro de Minas e Energia fará pronunciamento na televisão

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais