TC Mover
Mover

Especial: Fluxo e volatilidade devem marcar julho

Postado por: TC Mover em 01/07/2021 às 12:41
Bolsa em julho

São Paulo, 1 de julho – O mês de julho deve ser favorável para os ativos de risco, mas fortes surtos de volatilidade e incerteza com o cenário político local podem impactar a entrada de investidores estrangeiros no país e alterar o panorama de mercado, de acordo com analistas, gestores e estrategistas.

Em julho, o investidor estará atento aos dados de emprego formal nos EUA e a quaisquer falas de banqueiros centrais sobre o comportamento da inflação em seus respectivos países. No Brasil, as atenções se voltam ao avanço das reformas econômicas no Congresso, ao desfecho da crise política causada pelo alastramento do coronavírus e à suposta malversação de fundos com a compra de vacinas.

O movimento global de maior apetite a risco trazido pela reabertura econômica nos países desenvolvidos ajudou o Brasil, disse Victor Penna, gerente de pesquisa da BB Investimentos. Ao longo de junho, o Ibovespa chegou a superar o patamar de 130 mil pontos, mas a alta perdeu ímpeto nos últimos dias em decorrência da política local mais acalorada, o que trouxe “uma oportunidade de realização de lucros que pode gerar uma pressão vendedora no curto prazo”, apontou.

Julho começa como mês “complicado” e mercado espera volatilidade, dizem economistas

Julho “começa como um mês complicado, mas o quadro é mais propositivo por conta do fluxo de recursos. Estamos vendo o dinheiro estrangeiro voltando e isso pode impactar os mercados”, avalia Álvaro Bandeira, economista-chefe da Modalmais. Pietra Guerra, analista da Clear Corretora, ressalta que nos últimos três meses foram direcionadas à bolsa brasileira um montante estrangeiro perto dos R$30 bilhões.

De acordo com o presidente executivo da Planner, Alan Gandelman, “embora o humor do mercado tenha mudado um pouco … um grande pipeline de ofertas públicas iniciais deve ocorrer em julho e o índice Bovespa pode até passar dos 130 mil pontos”. Ele vê os juros futuros indicando novas altas e o dólar com potencial de cair mais.

No entanto, o mercado global tem procurado proteção recentemente, à espera de espasmos de volatilidade, disse Filipe Villegas, estrategista-chefe da Genial Investimentos. Ele entende que investidores continuarão monitorando a inflação e o mercado de trabalho. O posicionamento do Federal Reserve em relação à retirada de estímulos pode determinar se o segundo semestre será positivo, principalmente para as ações, apontou.

Pacote de estímulos nos EUA deve puxar demanda por materiais de infraestrutura, estima analista

Pedro Galdi, analista da Mirae Asset, acredita que o plano de infraestrutura do presidente americano Joe Biden deve ser aprovado em meados de julho, criando mais um catalisador de notícias positivas.

“O pacote de infraestrutura nos EUA pode impulsionar a demanda por materiais básicos e industriais”, disse ele, salientando que a disseminação da variante Delta do coronavírus ainda pode impactar a retomada de algumas economias.

Real deve se valorizar e dólar cair em julho, conforme especialistas

Para José Faria Júnior, diretor da Wagner Investimentos, o real tende a se valorizar em julho. Porém, o movimento dependerá dos dados do mercado de trabalho americano e se o Índice Dólar DXY – que mede o desempenho do dólar americano ante seus pares mais fortes – ficará abaixo ou acima de US$92,50. Segundo ele, o maior ponto fraco do real, que pode oscilar entre R$4,80 e R$5,20 neste mês, é o clima político instável. Lá fora, o ponto fraco é a política monetária americana.

A chegada do período de férias no Hemisfério Norte pode diminuir a liquidez, observa Filipe Villegas. Luiz Nunes, sócio e gestor da Forpus Capital, espera que a bolsa suba e o dólar caia em julho. Ele vê a Reforma Tributária sendo muito modificada, já que ela penaliza muito o empreendedor, disse.

“A economia deve seguir em recuperação e teremos o início da safra de resultados do segundo trimestre, que serão muito fortes em relação ao ano anterior e melhores do que no trimestre anterior”, comentou Luiz Nunes.

Texto: Bárbara Leite
Edição: Gabriela Guedes, Guillermo Parra-Bernal e Letícia Matsuura
Arte: TC Mover


Leia também

Mercados testam força na estreia de julho, antes de Payroll; Opep+, Caged, CPI da Covid no radar: Espresso

Calendário Econômico: Emprego, PMIs, Opep

Bolsas têm semestre gordo; no radar, PMI, Opep, Caged, denúncias, reformas: Espresso

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais