Mover

Governo Central surpreende com superávit primário em março

Postado por: TC Mover em 29/04/2021 às 18:47
Governo Central registra superávit em março

São Paulo, 29 de abril – O Governo Central, formado por Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência, conseguiu fechar o terceiro mês do ano com superávit primário de R$2,1 bilhões, informou hoje a Secretaria do Tesouro, indo contra o consenso, que previa déficit em março. O resultado primário refere-se à diferença entre a receita e as despesas, sem contar os juros da dívida.


Atraso no Orçamento e retomada econômica motivaram resultado do Governo Central

O resultado foi gerado por um crescimento das receitas administradas e a diminuição nos pagamentos discricionários, motivado pelo atraso da aprovação do Orçamento de 2021, e a recuperação da atividade econômica.

O superávit do Governo Central em março superou o consenso, que apontava um déficit de R$5,4 bilhões. Esse foi o melhor resultado para o mês desde março de 2014, de acordo com o Tesouro.

Com isso, o resultado acumulado no ano é um superávit primário de R$24,4 bilhões. O dado é muito diferente da situação do mesmo período de 2020, quando foi registrado um déficit de R$2,9 bilhões. No mês passado, o Tesouro Nacional e o Banco Central foram superavitários em R$22,1 bilhões, enquanto a Previdência Social registrou déficit de R$20 bilhões.


Secretaria do Tesouro reconheceu que relação dívida/PIB está elevada

Segundo o comunicado, o resultado do Governo Central foi derivado principalmente do crescimento das receitas administradas, que cresceram R$18,4 bilhões, do aumento da arrecadação, com alta de R$4 bilhões, e do “comportamento dos tributos sobre o comércio exterior”, de acordo com a nota publicada pelo Tesouro.

Já pelo lado das despesas, a principal redução veio dos pagamentos de Abono e Seguro Desemprego, caindo R$2,9 bilhões. As projeções do Tesouro Nacional indicam ainda que, ao final de 2021, a Dívida Bruta e a Dívida Líquida representarão 87,20% e 65% do Produto Interno Bruto, PIB, respectivamente.

No entanto, a Secretaria, responsável por divulgar os dados do Governo Central, reconhece que a relação dívida/PIB brasileira é uma das mais altas do mundo emergente. A média esperada para países semelhantes é de 65,10% do PIB, de acordo com o Fundo Monetário Internacional, FMI.


Juros futuros chegaram a cair após resultado do Governo Central

Para enfrentar o quadro de dívida elevada, a nota do Tesouro indica que “deve-se manter o avanço da agenda reformista, principalmente pela não assunção de novas obrigações e pela melhoria da qualidade do gasto público”. A nota diz ainda que a “manutenção da regra do teto garante que a expansão da despesa para o combate aos efeitos da Covid-19 seja temporária.”

Logo após a divulgação dos resultados do Governo Central, os contratos de juros futuros, DIs, chegaram a cair 4 pontos-base, após passarem boa parte do pregão em forte alta. Por volta das 18h45, os DIs recuavam até 3 pontos-base.

Texto: Guilherme Dogo
Edição: Angelo Pavini e João Pedro Malar
Arte: Vinícius Martins / TC Mover


Leia também

CSN vê alavancagem chegando a 0,5 vez e prioriza nota de crédito

CPI da Covid-19 convoca ex-ministros da Saúde para depor

Mercado adverso detona onda de IPOs, enquanto Caixa e Boa Safra sobem

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais