Ibovespa tem maior alta em três semanas, puxada por petrólero e B3 - TC
TC Mover
Mover

Ibovespa tem maior alta em três semanas, puxado por petróleo e B3

Postado por: TC Mover em 13/09/2021 às 16:35
Ibovespa tem maior alta em três semanas, puxado por petróleo e B3

São Paulo, 13 de setembro – O Ibovespa registra sua maior alta em mais de três semanas na tarde desta segunda-feira, 13, puxado principalmente pelas ações de B3 e Petrobras. Investidores monitoram a lenta restauração de abastecimento de petróleo nos Estados Unidos.

Por volta das 14h50, o índice Bovespa subia 1,89%, aos 116.441, com as corretoras de Bradesco e JPMorgan liderando as compras em futuros de índice e no mercado à vista. O dólar futuro recuava, após a pesquisa de mercado Focus indicar maiores expectativas para a taxa básica de juros Selic este ano. Nessa esteira, os contratos de juros futuros recuavam até 15 pontos-base nos vencimentos mais longos.

Ações da Petrobras e B3

Os papéis preferenciais da Petrobras disparavam 3,35%, e os ordinários subiam 3,07%, emplacando seu melhor dia desde 27 de agosto e agregando cerca de 355 pontos ao Ibovespa. As corretoras Capital Markets, Merrill Lynch, Morgan Stanley e JPMorgan lideravam as compras nos dois papéis, de olho no avanço do petróleo. O mercado acompanha atento a lenta recuperação do abastecimento no Golfo do México e a aproximação da tempestade tropical Nicholas.

A ação ordinária da B3 registrava a terceira alta consecutiva, subindo 3,62% e somando 163 pontos ao índice. O destaque também fica para ações do setor imobiliário, com o Índice Imobiliário da B3, IMOB, disparando 3,47% e liderando os ganhos entre os referenciais. A calma na curva dos DIs e a queda em commodities metálicas nos portos chineses dão perspectiva de alívio às pressões de custos financeiros e de margens na construção civil, disseram traders à Mover.

Outros papéis

Além disso, outras ações contribuíam para a alta do mercado. É o caso da preferencial do Bradesco e da ordinária da Magazine Luiza, que se recuperavam de queda pronunciada na última sexta-feira. As maiores altas percentuais no índice eram dos papéis de CVC, Banco Pan, Yduqs, Cogna, Banco Inter e Cyrela. Ao passo que as piores quedas eram dos de exportadoras de commodities, como Suzano, Marfrig e CSN.

No mesmo horário, o exterior operava misto, com o S&P500 e o Nasdaq 100 oscilando em torno da estabilidade e o Dow Jones subindo 0,57%, puxado por bancos e petroleiras. Os rendimentos dos Treasuries de dez anos caíam 1,5 ponto-base, a 1,327% ao ano. E o Índice Dólar DXY oscilava, com moedas de países emergentes, como o real, a lira turca, o rublo russo e o rand sul-africano, valorizando-se. O petróleo Brent subia 0,71%, a US$73,44, após a OPEP+ elevar a projeção de demanda para 2022.

Texto: Felipe Corleta
Edição: Karine Sena e Stéfanie Rigamonti
Arte: Vinícius Martins / Mover


Leia também

Tesouro Direto muda regra de liquidação dos resgastes

Vieira: Desidratação de Bolsonaro em sua base fiel pode ajudar na estabilização institucional

Bank of America rebaixa Azul e Gol e vê potencial de valorização limitado das aéreas

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais