Varejo surpreende com queda em junho, após meses de alta - TC
TC Mover
Mover

Varejo surpreende com queda em junho, após dois meses de alta

Postado por: TC Mover em 11/08/2021 às 15:37
Vendas no varejo apresentam queda em junho

São Paulo, 11 de agosto – Depois de subir por dois meses consecutivos, as vendas no varejo apresentaram queda na passagem de maio para junho. Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, contrariaram o consenso, que esperava mais uma aceleração.

Segundo o IBGE, as vendas no varejo tiveram queda de 1,70% em junho, sendo a maior retração do ano e a segunda maior para o mês de junho desde o início da série histórica, iniciada em 2000. O consenso Mover tinha expectativa de uma alta de 0,70%.

Mesmo assim, o varejo ainda está 2,60% acima do patamar pré-pandemia. No acumulado do primeiro semestre, o setor tem alta de 6,70% e na comparação anual a alta é de 6,30%.

Setor de tecidos puxou tombo do varejo, caindo 3,60%

Cinco das oito atividades tiveram queda na passagem mensal. O principal destaque negativo foi do setor de tecidos, vestuário e calçados, com recuo de 3,60% após dois avanços seguidos de 16,30% em abril e 10,20% em maio.

Outras quedas foram observadas nos itens de uso pessoal e doméstico, com recuo de 2,60%, combustíveis e lubrificantes, em 1,20% e nos supermercados, com queda de 0,50%.

Queda no varejo ocorreu por ajuste, diz Cristiano Santos

O pesquisador do IBGE, Cristiano Santos, explica que não houve um grande catalisador para essa queda, mas um ajuste. “No comércio varejista como um todo, há algumas atividades caindo com mais força porque elas tiveram uma certa recuperação nos meses de abril e maio, elevando a base de comparação. Esse foi o caso de tecidos, vestuário e calçados, que é uma atividade que ainda não teve recuperação frente ao patamar de fevereiro do ano passado”, diz o pesquisador.

Os setores que apresentaram crescimento foi de o de livros e papelaria, com alta de 5,00%, sendo o terceiro mês seguido de avanço. Móveis e eletrodomésticos também cresceram, em 1,60%, seguido pelos produtos farmacêuticos, com alta de 0,40%.

Apesar do recuo, setor ampliado acumula avanço de 12,30% no ano

No varejo ampliado, que inclui atividades de veículos e construção, o volume de vendas também caiu, em 2,30%, com o consenso esperando um avanço substancial de 3,80% na comparação mensal. Na comparação anual, com junho de 2020, a alta foi de 11,50%. No ano, o índice acumula avanço de 12,30%.

Segundo traders, os dados por um lado mostra desaceleração na recuperação econômica e, por outro, ameniza perspectivas de superaquecimento da economia e de inflação.

Texto: Guilherme Dogo
Edição: Felipe Corleta, Anderson Lima e Letícia Matsuura
Arte: Vinícius Martins / Mover


Leia também

Especial: Aprovação do Imposto de Renda será nova vitória na dobradinha Guedes-Congresso

Pré-mercado em Nova Iorque melhora após inflação atingir consenso; varejo no Brasil decepciona: Espresso

Calendário Econômico: Varejo, IPC nos EUA, balanços

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais