0

Mansano: Investidor, prepare-se para a 'Super Quarta'!

colunas

Mansano: Investidor, prepare-se para a 'Super Quarta'!

Duas verdades para esta 'Super Quarta': cenário de política segue expansionista e países com juros altos contam com vantagem no agronegócio

Mansano: Investidor, prepare-se para a 'Super Quarta'!
fernanda-mansano

Atualizado há 2 meses

Ícone de compartilhamento

Nesta semana teremos a decisão da taxa de juros tanto da economia americana quanto da brasileira e, por acontecerem no mesmo dia, chamamos de “Super Quarta”, que manterá o investidor atento para o reflexo dessas decisões no mercado financeiro.

O Federal Reserve, que divulga sua decisão às 16h, já sinalizou que a alta deverá ser de 25 pontos-base, elevando a taxa Fed Funds para 0,25%, enquanto a inflação americana ao consumidor atingiu 7,90% em doze meses, a maior desde 1982.

Porém, o mercado de trabalho, que o Fed também monitora para o cumprimento de suas metas, está quase no mesmo patamar de antes da pandemia, atingindo 3,80% em fevereiro deste ano, contra 3,50% em fevereiro de 2020.

Com isso, o Fed foca o mandato no controle da inflação. Na minha análise, o melhor é um remédio amargo, que significa um choque maior nos juros na reunião do comitê na próxima quarta-feira. A justificativa se sustenta em controlar a inflação o mais rápido possível, para que nos próximos meses não haja necessidade de mais aumentos de juros.

Já na segunda metade da “Super Quarta”, aqui no Brasil, começamos com o remédio amargo em março de 2021, quando o Comitê de Política Monetária decidiu subir a taxa de juros em 75 pontos-base e ainda aumentou o ritmo ao longo ano.

Mas, por aqui, a inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo, segue pressionada, explicada especialmente por algo que o investidor de outros países tem dificuldade em entender: a indexação.

Temos a alma indexada, mostrando que nosso passado inflacionário continua enraizado. No último IPCA, a principal pressão inflacionária foi a alta de 5,61% no grupo de educação, explicado pelos reajustes habitualmente praticados no início do ano letivo.

Desta forma, ainda que tenhamos observado a maior pressão dos indexados no IPCA, além dos riscos da guerra na Ucrânia para os preços no Brasil, o Copom deverá manter a sinalização do último comunicado, subindo a taxa básica de juros, a Selic, em 1 ponto percentual e já avistando o fim do ciclo do aperto monetário.

De todo modo, o remédio amargo dos juros altos vai deixando de fazer efeito e, se continuar, sabemos que poderá colocar o gigante em coma.

Assim, sabemos haver duas verdades para o investidor que se prepara para esta “Super Quarta”: o mundo segue no cenário de política expansionista, com as economias desenvolvidas utilizando sua credibilidade monetária para seguir com cautela no aumento dos juros, e, a segunda, países com juros mais altos contam com a vantagem competitiva no agronegócio, que têm buscado maximizar seus ganhos no mercado internacional.

Coluna: Fernanda Mansano
Arte: Vinícius Martins / Mover


DISCLAIMER: As informações disponibilizadas na coluna são meramente opiniões da COLUNISTA na data em que foram expressas e não declarações de fatos ou recomendações para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários, ou ainda, qualquer recomendação de investimento.

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.