IBOV

106.296,18 pts

-1,20%

SP500

4.537,99 pts

-0,02%

DJIA

35.618,29 pts

+0,11%

NASDAQ

15.336,93 pts

-0,45%

IFIX

2.712,38 pts

-0,46%

BRENT

US$ 85,68

+1,37%

IO62

¥ 708,00

+5,27%

TRAD3

R$ 6,30

-8,56%

ABEV3

R$ 15,00

-0,72%

AMER3

R$ 33,72

-4,36%

ASAI3

R$ 16,11

-1,52%

AZUL4

R$ 29,19

-2,27%

B3SA3

R$ 12,62

-2,69%

BIDI11

R$ 40,14

-6,10%

BBSE3

R$ 21,67

+0,97%

BRML3

R$ 7,18

-5,65%

BBDC3

R$ 17,41

-3,75%

BBDC4

R$ 20,45

-3,80%

BRAP4

R$ 51,50

+1,61%

BBAS3

R$ 28,91

-3,14%

BRKM5

R$ 54,87

-3,65%

BRFS3

R$ 22,01

-2,99%

BPAC11

R$ 22,82

-1,76%

CRFB3

R$ 16,83

-0,53%

CCRO3

R$ 11,53

-3,43%

CMIG4

R$ 13,37

-2,62%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,36

+0,42%

COGN3

R$ 2,62

-4,37%

CPLE6

R$ 6,18

-2,83%

CSAN3

R$ 20,92

-1,04%

CPFE3

R$ 25,15

-1,10%

CVCB3

R$ 17,10

-2,95%

CYRE3

R$ 15,18

-2,31%

ECOR3

R$ 8,29

-6,64%

ELET3

R$ 35,47

-1,90%

ELET6

R$ 35,06

-2,47%

EMBR3

R$ 24,25

+0,83%

ENBR3

R$ 19,03

-0,78%

ENGI11

R$ 41,55

-2,55%

ENEV3

R$ 14,00

-3,44%

EGIE3

R$ 37,87

-1,63%

EQTL3

R$ 23,14

-3,26%

EZTC3

R$ 19,78

-4,39%

FLRY3

R$ 19,50

-2,20%

GGBR4

R$ 26,73

+0,48%

GOAU4

R$ 12,27

+1,65%

GOLL4

R$ 17,08

-3,28%

NTCO3

R$ 39,88

+1,03%

HAPV3

R$ 11,67

+0,25%

HYPE3

R$ 27,96

-1,72%

IGTA3

R$ 28,62

-3,37%

GNDI3

R$ 65,74

+0,61%

IRBR3

R$ 5,01

-0,39%

ITSA4

R$ 10,53

-2,59%

ITUB4

R$ 23,54

-4,23%

JBSS3

R$ 37,32

-0,13%

JHSF3

R$ 5,38

-3,41%

KLBN11

R$ 24,20

+7,65%

RENT3

R$ 47,85

-2,88%

LCAM3

R$ 21,00

-2,86%

LWSA3

R$ 20,18

-7,64%

LAME4

R$ 5,41

-3,90%

LREN3

R$ 32,05

-3,63%

MGLU3

R$ 12,42

+0,56%

MRFG3

R$ 25,12

+0,19%

BEEF3

R$ 9,30

-0,10%

MRVE3

R$ 10,54

-1,49%

MULT3

R$ 17,57

-3,24%

PCAR3

R$ 26,31

-4,98%

PETR3

R$ 27,90

-1,37%

PETR4

R$ 27,18

-0,54%

BRDT3

R$ 22,03

+0,59%

PRIO3

R$ 26,48

+1,10%

QUAL3

R$ 18,30

+2,63%

RADL3

R$ 21,57

+1,45%

RAIL3

R$ 16,58

+1,71%

SBSP3

R$ 35,68

-2,21%

SANB11

R$ 35,29

-1,03%

CSNA3

R$ 25,09

+0,44%

SULA11

R$ 25,58

+0,15%

SUZB3

R$ 52,80

+7,60%

TAEE11

R$ 36,82

-1,41%

VIVT3

R$ 44,56

-1,28%

TIMS3

R$ 11,87

-0,50%

TOTS3

R$ 31,88

-1,75%

UGPA3

R$ 13,50

-3,43%

USIM5

R$ 14,35

+1,48%

VALE3

R$ 76,08

+1,43%

VIIA3

R$ 7,01

+0,56%

WEGE3

R$ 38,89

-0,91%

YDUQ3

R$ 22,65

-5,74%

IBOV

106.296,18 pts

-1,20%

SP500

4.537,99 pts

-0,02%

DJIA

35.618,29 pts

+0,11%

NASDAQ

15.336,93 pts

-0,45%

IFIX

2.712,38 pts

-0,46%

BRENT

US$ 85,68

+1,37%

IO62

¥ 708,00

+5,27%

TRAD3

R$ 6,30

-8,56%

ABEV3

R$ 15,00

-0,72%

AMER3

R$ 33,72

-4,36%

ASAI3

R$ 16,11

-1,52%

AZUL4

R$ 29,19

-2,27%

B3SA3

R$ 12,62

-2,69%

BIDI11

R$ 40,14

-6,10%

BBSE3

R$ 21,67

+0,97%

BRML3

R$ 7,18

-5,65%

BBDC3

R$ 17,41

-3,75%

BBDC4

R$ 20,45

-3,80%

BRAP4

R$ 51,50

+1,61%

BBAS3

R$ 28,91

-3,14%

BRKM5

R$ 54,87

-3,65%

BRFS3

R$ 22,01

-2,99%

BPAC11

R$ 22,82

-1,76%

CRFB3

R$ 16,83

-0,53%

CCRO3

R$ 11,53

-3,43%

CMIG4

R$ 13,37

-2,62%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,36

+0,42%

COGN3

R$ 2,62

-4,37%

CPLE6

R$ 6,18

-2,83%

CSAN3

R$ 20,92

-1,04%

CPFE3

R$ 25,15

-1,10%

CVCB3

R$ 17,10

-2,95%

CYRE3

R$ 15,18

-2,31%

ECOR3

R$ 8,29

-6,64%

ELET3

R$ 35,47

-1,90%

ELET6

R$ 35,06

-2,47%

EMBR3

R$ 24,25

+0,83%

ENBR3

R$ 19,03

-0,78%

ENGI11

R$ 41,55

-2,55%

ENEV3

R$ 14,00

-3,44%

EGIE3

R$ 37,87

-1,63%

EQTL3

R$ 23,14

-3,26%

EZTC3

R$ 19,78

-4,39%

FLRY3

R$ 19,50

-2,20%

GGBR4

R$ 26,73

+0,48%

GOAU4

R$ 12,27

+1,65%

GOLL4

R$ 17,08

-3,28%

NTCO3

R$ 39,88

+1,03%

HAPV3

R$ 11,67

+0,25%

HYPE3

R$ 27,96

-1,72%

IGTA3

R$ 28,62

-3,37%

GNDI3

R$ 65,74

+0,61%

IRBR3

R$ 5,01

-0,39%

ITSA4

R$ 10,53

-2,59%

ITUB4

R$ 23,54

-4,23%

JBSS3

R$ 37,32

-0,13%

JHSF3

R$ 5,38

-3,41%

KLBN11

R$ 24,20

+7,65%

RENT3

R$ 47,85

-2,88%

LCAM3

R$ 21,00

-2,86%

LWSA3

R$ 20,18

-7,64%

LAME4

R$ 5,41

-3,90%

LREN3

R$ 32,05

-3,63%

MGLU3

R$ 12,42

+0,56%

MRFG3

R$ 25,12

+0,19%

BEEF3

R$ 9,30

-0,10%

MRVE3

R$ 10,54

-1,49%

MULT3

R$ 17,57

-3,24%

PCAR3

R$ 26,31

-4,98%

PETR3

R$ 27,90

-1,37%

PETR4

R$ 27,18

-0,54%

BRDT3

R$ 22,03

+0,59%

PRIO3

R$ 26,48

+1,10%

QUAL3

R$ 18,30

+2,63%

RADL3

R$ 21,57

+1,45%

RAIL3

R$ 16,58

+1,71%

SBSP3

R$ 35,68

-2,21%

SANB11

R$ 35,29

-1,03%

CSNA3

R$ 25,09

+0,44%

SULA11

R$ 25,58

+0,15%

SUZB3

R$ 52,80

+7,60%

TAEE11

R$ 36,82

-1,41%

VIVT3

R$ 44,56

-1,28%

TIMS3

R$ 11,87

-0,50%

TOTS3

R$ 31,88

-1,75%

UGPA3

R$ 13,50

-3,43%

USIM5

R$ 14,35

+1,48%

VALE3

R$ 76,08

+1,43%

VIIA3

R$ 7,01

+0,56%

WEGE3

R$ 38,89

-0,91%

YDUQ3

R$ 22,65

-5,74%

Atualizado há 22 dias

Ícone de compartilhamento

Esta semana falo sobre a Camil Alimentos (CAML3). Com mais de 50 anos de história, a Camil Alimentos é uma das maiores empresas de bens de consumo no setor de alimentos no Brasil e da América do Sul, detendo posições de liderança nas categorias e países em que atua.

A empresa veio de uma forte recuperação após o crash pela pandemia da Covid-19. Deixou máxima histórica em outubro de 2020 nos R$14,41 e, de lá pra cá, trouxe uma desvalorização relevante de quase 42%, alcançada em agosto de 2021. Camil

Esta semana o papel subia de maneira relevante, deixando um pivot de alta e rompendo a linha de tendência de baixa, LTB, que já durava meses.

Podemos ver claramente também um padrão de reversão altista que chamamos de Ombro-Cabeça-Ombro Invertido, OCOI, que projeta um alvo potencial nos R$12,00. Camil

Isso daria um potencial de valorização de 17,76% em relação ao preço atual de R$10,19.

Camil (CAML3) busca máxima histórica

Temos que considerar também que, com essa virada de tendência de baixa para alta, podemos caminhar nos próximos meses para buscar a máxima histórica do papel nos R$14,41. Isso daria mais de 41% de potencial de valorização.

Para entrar nesse trade, eu colocaria o stop um pouco abaixo da mínima desta semana, R$9,62, o que daria uma relação risco versus retorno de 1 para 2,88. Uma boa assimetria!

Os indicadores também corroboram com essa virada de tendência nas ações ordinárias da Camil (CAML3). O IFR14, estocástico e MACD viram tendência e mostram compra.

IFR14

Estocástico Camil

MACD

Camil (CAML3) atinge grande massa da população brasileira

Mesmo com o aumento das commodities, a área alimentícia sempre terá demanda. Como a Camil (CAML3) trabalha com grãos, entre eles arroz e feijão, açúcar e pescados, tais como sardinha e atum, ela atinge a grande massa da população brasileira. Além disso, ela é umas das marcas mais lembradas pelo consumidor na sua respectiva área de atuação.

Sendo assim, acredito que, mesmo neste momento de inflação alta e com as famílias tentando cortar despesas mensais, a Camil continuará dominante no seu mercado de atuação.

Ainda que com margens mais pressionadas, hoje o papel teria que subir mais de 40% para voltar a seu nível de máxima histórica estabelecido no ano passado. A assimetria é boa e, se nos próximos meses tivermos uma melhora na economia, acredito que a empresa tenha totais condições de manter uma tendência de alta no longo prazo.

Como sempre, deixo o alerta: além da análise da movimentação dos preços via AT, devemos considerar o cenário macro/micro atual, perspectivas de curto prazo para o setor e decisões políticas que afetam diretamente a economia – e no Brasil costumam fazer bastante preço – para avaliarmos se faz sentido investir nessa empresa.

Conheça mais sobre a Camil (CAML3)

As atividades da Camil incluem a industrialização, comercialização e distribuição de grãos, principalmente arroz e feijão, açúcar e pescados enlatados, tais como sardinha e atum, por meio de marcas com forte reconhecimento e líderes em participação de mercado no Brasil, Uruguai, Chile e Peru.

Com um portfólio diversificado de marcas tradicionais, consolidadas e com reconhecimento pelos consumidores, a Camil ocupa posições de liderança nos mercados de atuação, além de expressivas participações no mercado de grãos, açúcar, pescados e enlatados no Brasil.

A empresa possui 28 unidades de processamento e 16 centros de distribuição na América do Sul. São 14 unidades industriais no Brasil: 12 que atendem os segmentos de grãos, uma no açúcar e uma nos pescados. Fora do Brasil, a empresa possui 14 plantas para beneficiamento de grãos: nove no Uruguai, duas no Chile e três no Peru.

No Brasil, a Camil atende aproximadamente 14 mil clientes por meio de sua força de vendas e plataformas de distribuição, que também permite que os produtos estejam presentes em aproximadamente 300 mil pontos de venda, de acordo com a Nielsen. Adicionalmente, a companhia exporta produtos para mais de 60 países.

A Camil apresenta um histórico consistente de crescimento e ampliação de participação de mercado no setor de alimentos no Brasil e na América do Sul, tanto com crescimento orgânico quanto por meio de aquisições estratégicas, com diversificação de nossa atuação geográfica e categorias de produtos.

A empresa atua em mercados relevantes no setor de alimentos na América do Sul, nos quais acredita haver uma perspectiva positiva, suportada pela retomada do crescimento econômico, aumento da população e fortalecimento de tendências favoráveis nos hábitos de consumo.Camil

Fonte: site de Relações com Investidores

Texto: Sérgio Sanita
Arte: Vinícius Martins / Mover


DISCLAIMER: As informações disponibilizadas na coluna são meramente opiniões do COLUNISTA na data em que foram expressas e não declarações de fatos ou recomendações para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou valores mobiliários, ou ainda, qualquer recomendação de investimento.


Leia também

Especial: Startups de Recife aumentam faturamento em mais de 50% nos últimos 2 anos

Ibovespa inicia trimestre em alta, puxado por JBS e Inter; mercado ignora Petrobras

Relator da reforma do IR diz que tributária “é para ser feita no início do governo”

image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.