0

Energisa disputará privatizações no setor de gás, diz diretor-presidente

empresas

Energisa disputará privatizações no setor de gás, diz diretor-presidente

A Energisa tem hoje 92% de caixa medido pelo EBITDA proveniente do setor de distribuição; com a diversificação, deve diminuir para 75% a 80%

Energisa disputará privatizações no setor de gás, diz diretor-presidente
luciano-costa-de-paula

Atualizado há 5 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 6 de dezembro – A Energisa, que controla 11 distribuidoras de energia e entrou mais recentemente em transmissão, tem planos de diversificar os negócios até 2026, o que deverá passar por investimentos em geração e pela participação em privatizações de distribuidoras de gás.

A informação foi divulgada durante o Investor Day da empresa, que contou com a participação do diretor-presidente da elétrica, Ricardo Botelho, do vice-presidente de Redes, Gioreli de Sousa, e do diretor de Geração e Transmissão, Gabriel Mussi.

“A Energisa quer participar desses processos e está atenta a isso”, disse Botelho sobre as desestatizações de companhias estaduais de gás. Ele revelou que a empresa chegou a estudar a compra da Sulgás, negociada pelo governo gaúcho em leilão vencido em outubro pela Compass, da Cosan.

A Energisa tem hoje 92% da geração de caixa medida pelo EBITDA – lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização – proveniente do setor de distribuição. Com a diversificação esperada nos próximos anos, esse número deve diminuir para 75% a 80% em 2026, disse Botelho.

Os investimentos previstos da Energisa entre 2022 e 2026 somam R$29,5 bilhões, dos quais 53% devem ir para distribuição e 47% para geração, transmissão e outros negócios. Entre 2017 e 2021, a área de distribuição teve 84% dos aportes.

‘Potencial consolidador’

A companhia vai buscar novos projetos em leilões e avaliará também aquisições, disse Sousa em transmissão, destacando que a Energisa “tem grande potencial para ser um consolidador” no setor, dada sua capacidade operacional e financeira.

Em geração, segmento em que não atua no momento após ter vendido seus ativos em ocasiões anteriores, a Energisa tem meta de alcançar 1,5 gigawatt em capacidade instalada até 2026, com ativos eólicos e solares.

A companhia também tem planos de crescer em projetos de geração de pequeno porte, conhecidos como geração distribuída, com meta de expansão de 460 megawatts até 2026, disse Botelho. A Energisa deverá avaliar também aquisições para crescer nesse nicho, incluindo de empresas de geração com biogás.

No setor de comercialização, a companhia buscará expandir sua participação de mercado para 12%, contra 2% atualmente, em movimento que poderá incluir a compra de carteiras de contratos de rivais.

Desempenho das ações

Perto das 11h40, após as falas dos diretores da companhia no Investor Day, as units da Energisa (ENGI11) subiam 1,03%, a R$47,14. No ano, o papel acumula baixa de 6,20%. No mesmo horário, o Ibovespa operava em alta de 1,45%, a 106.594 pontos.

Para acompanhar o desempenho das ações da Energisa e de outras empresas listadas na bolsa brasileira, basta acessar o TC Matrix, ferramenta gratuita do TC.

Texto: Luciano Costa
Edição: Gabriela Guedes e Stéfanie Rigamonti
Imagem: Mover

Nesta matéria

ENGI11

ENERGISA S.A.

45,50

-0,19

-0,42%

Powered by

Análise de Investimentos

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.