IBOV

106.091,90 pts

-0,25%

SP500

4.584,90 pts

+0,74%

DJIA

35.624,64 pts

+0,38%

NASDAQ

15.753,29 pts

+0,99%

IFIX

2.671,67 pts

-0,34%

BRENT

US$ 83,31

-1,50%

IO62

¥ 665,00

-1,48%

TRAD3

R$ 5,73

+3,43%

ABEV3

R$ 16,34

+7,35%

AMER3

R$ 30,92

-6,04%

ASAI3

R$ 15,69

+0,32%

AZUL4

R$ 26,22

-0,53%

B3SA3

R$ 12,04

-0,66%

BIDI11

R$ 40,87

+1,89%

BBSE3

R$ 22,37

-0,57%

BRML3

R$ 7,09

-0,83%

BBDC3

R$ 17,36

-1,19%

BBDC4

R$ 20,31

-1,21%

BRAP4

R$ 50,35

-0,80%

BBAS3

R$ 28,90

-0,92%

BRKM5

R$ 56,89

-0,12%

BRFS3

R$ 22,46

+5,19%

BPAC11

R$ 22,90

+0,43%

CRFB3

R$ 17,10

-0,81%

CCRO3

R$ 11,57

-0,68%

CMIG4

R$ 13,08

-2,67%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,31

-2,11%

COGN3

R$ 2,59

-2,26%

CPLE6

R$ 6,05

-0,32%

CSAN3

R$ 20,30

-1,21%

CPFE3

R$ 26,10

-0,83%

CVCB3

R$ 16,83

+1,44%

CYRE3

R$ 14,71

-3,22%

ECOR3

R$ 8,43

-2,76%

ELET3

R$ 36,26

-0,33%

ELET6

R$ 35,99

-0,63%

EMBR3

R$ 22,51

-2,73%

ENBR3

R$ 19,95

-0,25%

ENGI11

R$ 40,33

-1,68%

ENEV3

R$ 14,53

+0,06%

EGIE3

R$ 39,37

-0,25%

EQTL3

R$ 24,29

-0,41%

EZTC3

R$ 19,26

-1,53%

FLRY3

R$ 18,78

-1,26%

GGBR4

R$ 27,49

+0,51%

GOAU4

R$ 12,78

-0,46%

GOLL4

R$ 15,92

+0,18%

NTCO3

R$ 39,29

-0,73%

HAPV3

R$ 11,88

+0,08%

HYPE3

R$ 28,36

-0,56%

IGTA3

R$ 30,34

+0,16%

GNDI3

R$ 66,61

+0,49%

IRBR3

R$ 4,83

-0,41%

ITSA4

R$ 10,46

-0,56%

ITUB4

R$ 23,62

-1,25%

JBSS3

R$ 37,62

+0,26%

JHSF3

R$ 5,23

-2,42%

KLBN11

R$ 23,82

+2,31%

RENT3

R$ 47,12

+1,63%

LCAM3

R$ 20,81

+3,32%

LWSA3

R$ 20,56

+0,78%

LAME4

R$ 5,03

-4,37%

LREN3

R$ 32,41

+0,12%

MGLU3

R$ 11,38

-1,89%

MRFG3

R$ 25,34

+0,27%

BEEF3

R$ 9,06

-0,11%

MRVE3

R$ 10,55

-1,40%

MULT3

R$ 18,55

+2,54%

PCAR3

R$ 25,64

-0,73%

PETR3

R$ 29,16

-0,51%

PETR4

R$ 28,74

+0,17%

BRDT3

R$ 22,03

+0,59%

PRIO3

R$ 24,27

-4,26%

QUAL3

R$ 18,03

-1,47%

RADL3

R$ 22,84

-0,60%

RAIL3

R$ 16,21

+0,00%

SBSP3

R$ 36,47

+0,52%

SANB11

R$ 34,87

-0,54%

CSNA3

R$ 24,22

-1,14%

SULA11

R$ 25,84

-2,34%

SUZB3

R$ 49,19

+1,67%

TAEE11

R$ 37,22

+0,51%

VIVT3

R$ 45,15

+1,23%

TIMS3

R$ 11,29

-0,79%

TOTS3

R$ 33,50

+0,90%

UGPA3

R$ 13,45

-2,11%

USIM5

R$ 14,34

+1,05%

VALE3

R$ 73,98

-0,63%

VIIA3

R$ 6,54

-1,20%

WEGE3

R$ 38,21

-2,52%

YDUQ3

R$ 21,66

-1,09%

IBOV

106.091,90 pts

-0,25%

SP500

4.584,90 pts

+0,74%

DJIA

35.624,64 pts

+0,38%

NASDAQ

15.753,29 pts

+0,99%

IFIX

2.671,67 pts

-0,34%

BRENT

US$ 83,31

-1,50%

IO62

¥ 665,00

-1,48%

TRAD3

R$ 5,73

+3,43%

ABEV3

R$ 16,34

+7,35%

AMER3

R$ 30,92

-6,04%

ASAI3

R$ 15,69

+0,32%

AZUL4

R$ 26,22

-0,53%

B3SA3

R$ 12,04

-0,66%

BIDI11

R$ 40,87

+1,89%

BBSE3

R$ 22,37

-0,57%

BRML3

R$ 7,09

-0,83%

BBDC3

R$ 17,36

-1,19%

BBDC4

R$ 20,31

-1,21%

BRAP4

R$ 50,35

-0,80%

BBAS3

R$ 28,90

-0,92%

BRKM5

R$ 56,89

-0,12%

BRFS3

R$ 22,46

+5,19%

BPAC11

R$ 22,90

+0,43%

CRFB3

R$ 17,10

-0,81%

CCRO3

R$ 11,57

-0,68%

CMIG4

R$ 13,08

-2,67%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,31

-2,11%

COGN3

R$ 2,59

-2,26%

CPLE6

R$ 6,05

-0,32%

CSAN3

R$ 20,30

-1,21%

CPFE3

R$ 26,10

-0,83%

CVCB3

R$ 16,83

+1,44%

CYRE3

R$ 14,71

-3,22%

ECOR3

R$ 8,43

-2,76%

ELET3

R$ 36,26

-0,33%

ELET6

R$ 35,99

-0,63%

EMBR3

R$ 22,51

-2,73%

ENBR3

R$ 19,95

-0,25%

ENGI11

R$ 40,33

-1,68%

ENEV3

R$ 14,53

+0,06%

EGIE3

R$ 39,37

-0,25%

EQTL3

R$ 24,29

-0,41%

EZTC3

R$ 19,26

-1,53%

FLRY3

R$ 18,78

-1,26%

GGBR4

R$ 27,49

+0,51%

GOAU4

R$ 12,78

-0,46%

GOLL4

R$ 15,92

+0,18%

NTCO3

R$ 39,29

-0,73%

HAPV3

R$ 11,88

+0,08%

HYPE3

R$ 28,36

-0,56%

IGTA3

R$ 30,34

+0,16%

GNDI3

R$ 66,61

+0,49%

IRBR3

R$ 4,83

-0,41%

ITSA4

R$ 10,46

-0,56%

ITUB4

R$ 23,62

-1,25%

JBSS3

R$ 37,62

+0,26%

JHSF3

R$ 5,23

-2,42%

KLBN11

R$ 23,82

+2,31%

RENT3

R$ 47,12

+1,63%

LCAM3

R$ 20,81

+3,32%

LWSA3

R$ 20,56

+0,78%

LAME4

R$ 5,03

-4,37%

LREN3

R$ 32,41

+0,12%

MGLU3

R$ 11,38

-1,89%

MRFG3

R$ 25,34

+0,27%

BEEF3

R$ 9,06

-0,11%

MRVE3

R$ 10,55

-1,40%

MULT3

R$ 18,55

+2,54%

PCAR3

R$ 25,64

-0,73%

PETR3

R$ 29,16

-0,51%

PETR4

R$ 28,74

+0,17%

BRDT3

R$ 22,03

+0,59%

PRIO3

R$ 24,27

-4,26%

QUAL3

R$ 18,03

-1,47%

RADL3

R$ 22,84

-0,60%

RAIL3

R$ 16,21

+0,00%

SBSP3

R$ 36,47

+0,52%

SANB11

R$ 34,87

-0,54%

CSNA3

R$ 24,22

-1,14%

SULA11

R$ 25,84

-2,34%

SUZB3

R$ 49,19

+1,67%

TAEE11

R$ 37,22

+0,51%

VIVT3

R$ 45,15

+1,23%

TIMS3

R$ 11,29

-0,79%

TOTS3

R$ 33,50

+0,90%

UGPA3

R$ 13,45

-2,11%

USIM5

R$ 14,34

+1,05%

VALE3

R$ 73,98

-0,63%

VIIA3

R$ 6,54

-1,20%

WEGE3

R$ 38,21

-2,52%

YDUQ3

R$ 21,66

-1,09%

Atualizado há 10 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 22 de dezembro – A IRB Brasil, código IRBR3, vai voltar a lucrar em 2021, após ser reenquadrada na Superintendência de Seguros Privados, Susep, ainda neste mês, virando o ano com “tudo limpo”, afirmou o CEO e presidente do conselho de administração, Antonio Cássio dos Santos, em entrevista no Café com Ferri.

Santos acredita que 2020 tenha sido o ano para “limpar a casa”, 2021 para “arrumar a casa” e 2022 para voltar ao crescimento e ao patamar de 2018. Ou seja, apesar da expectativa de a IRB fechar 2021 no azul, o lucro mais representativo deve aparecer no ano seguinte. O executivo explica ainda que a margem líquida ideal para a resseguradora é entre 5% e 7%.

O fundo Squadra apresentou uma denúncia contra a IRB Brasil em fevereiro alegando irregularidades nos balanços financeiros, cometidos pela gestão anterior, que supostamente lançava de forma inadequada os sinistros nos demonstrativos da companhia. A denúncia fez a Susep intervir na companhia para fazer uma auditoria minuciosa.

Expectativa de reenquadramento da IRB Brasil

A IRB espera ser reenquadrada na Susep ainda em dezembro, virando o ano com “tudo limpo”. Santos afirmou que a empresa está cumprindo todos os fatores combinados mês a mês e que só não aconteceria se alguma catástrofe aparecesse.

O desenquadramento não é mais do que uma insuficiência na composição dos ativos garantidores de provisões técnicas, ou seja, uma falta de ativos líquidos mínimos exigidos pelos reguladores para cobrir sinistros. 

A distorção apareceu na empresa depois que os balanços financeiros da IRB Brasil tiveram de ser reapresentados por conta de irregularidades cometidas pela gestão anterior a da de Dos Santos, que supostamente lançava de forma inadequada os sinistros da empresa no balanço.

IRB Brasil (IRBR3) em crise

A IRB Brasil, negociada na bolsa brasileira pelo código IRBR3, é a maior resseguradora da América Latina, considerada referência por sua solidez financeira e conhecimento técnico. 

Inicialmente estatal, a IRB manteve o monopólio no setor no país por 69 anos, terminando em 2007 e a privatização ocorreu quatro anos depois. A resseguradora emplacou a oferta pública inicial, IPO na sigla em inglês, em 2017, movimentando R$2 bilhões.

Contudo, a IRB Brasil vem enfrentando uma crise desde fevereiro, após denúncias enviadas à Comissão de Valores Mobiliários, CVM, pela gestora Squadra referente a irregularidades contábeis nas suas demonstrações financeiras, que aumentavam artificialmente o lucro. A IRB foi reestruturada e há oito meses Santos passou a fazer parte da gestão da empresa.

Desempenho das ações da IRB Brasil (IRBR3)

IRB Brasil ação - IRBR3

A ação ordinária da IRB Brasil, código IRBR3, fechou a terça-feira em alta de 0,56%, cotada a R$7,19, enquanto o Ibovespa subiu 0,70%, aos 116,6 mil pontos. Com a crise iniciada em fevereiro, a resseguradora acumula perda de 79,69% no ano, mas soma 32,90% de ganho neste trimestre, contando até 22 de dezembro.

Para acompanhar o desempenho das ações da IRB e de outras empresas, basta acessar o TC Matrix, ferramenta gratuita do TC.

Texto: Letícia Matsuura
Edição: Leandro Tavares
Imagem: TC Mover

image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.