IBOV

114.667,22 pts

+0,01%

SP500

4.486,41 pts

+0,34%

DJIA

35.253,81 pts

-0,12%

NASDAQ

15.300,65 pts

+1,01%

IFIX

2.744,89 pts

+0,45%

BRENT

US$ 84,27

-0,70%

IO62

¥ 696,50

-1,42%

TRAD3

R$ 8,30

+1,46%

ABEV3

R$ 15,67

+0,90%

AMER3

R$ 39,23

+4,72%

ASAI3

R$ 16,98

-3,19%

AZUL4

R$ 34,43

-3,34%

B3SA3

R$ 13,03

-0,91%

BIDI11

R$ 48,27

-3,99%

BBSE3

R$ 21,78

+0,46%

BRML3

R$ 8,62

+2,01%

BBDC3

R$ 18,54

+1,42%

BBDC4

R$ 21,69

+1,92%

BRAP4

R$ 54,40

-1,27%

BBAS3

R$ 32,21

+1,99%

BRKM5

R$ 58,86

+2,43%

BRFS3

R$ 25,06

-2,83%

BPAC11

R$ 25,53

-1,80%

CRFB3

R$ 18,78

+0,69%

CCRO3

R$ 12,75

+0,15%

CMIG4

R$ 15,17

+1,13%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,63

+0,38%

COGN3

R$ 3,11

+0,97%

CPLE6

R$ 6,79

+2,56%

CSAN3

R$ 23,31

+0,25%

CPFE3

R$ 26,52

+1,68%

CVCB3

R$ 19,94

-1,62%

CYRE3

R$ 18,30

+0,66%

ECOR3

R$ 10,03

+0,80%

ELET3

R$ 40,67

+3,59%

ELET6

R$ 40,61

+2,47%

EMBR3

R$ 25,66

-0,07%

ENBR3

R$ 19,27

+0,62%

ENGI11

R$ 46,14

+0,52%

ENEV3

R$ 15,33

-0,51%

EGIE3

R$ 38,68

+0,33%

EQTL3

R$ 24,87

+0,81%

EZTC3

R$ 23,63

-2,67%

FLRY3

R$ 21,64

+1,26%

GGBR4

R$ 28,25

+0,28%

GOAU4

R$ 12,81

-0,15%

GOLL4

R$ 20,21

-1,89%

NTCO3

R$ 43,24

-2,03%

HAPV3

R$ 12,56

-3,45%

HYPE3

R$ 30,44

+1,53%

IGTA3

R$ 33,94

+1,73%

GNDI3

R$ 71,15

-2,46%

IRBR3

R$ 5,25

+1,35%

ITSA4

R$ 11,35

+0,88%

ITUB4

R$ 25,02

+1,05%

JBSS3

R$ 38,59

+1,57%

JHSF3

R$ 6,13

+3,02%

KLBN11

R$ 23,16

-0,08%

RENT3

R$ 56,44

-0,33%

LCAM3

R$ 25,16

+0,31%

LWSA3

R$ 22,48

+1,95%

LAME4

R$ 6,43

+21,09%

LREN3

R$ 36,20

+1,25%

MGLU3

R$ 14,38

-1,23%

MRFG3

R$ 26,48

-2,46%

BEEF3

R$ 10,37

-3,08%

MRVE3

R$ 12,53

+1,12%

MULT3

R$ 20,44

+0,98%

PCAR3

R$ 29,00

-6,33%

PETR3

R$ 30,25

+0,29%

PETR4

R$ 29,46

-0,47%

BRDT3

R$ 24,80

+1,01%

PRIO3

R$ 27,11

-2,27%

QUAL3

R$ 19,27

-0,82%

RADL3

R$ 22,83

-0,82%

RAIL3

R$ 18,23

-0,65%

SBSP3

R$ 38,90

-0,35%

SANB11

R$ 36,50

+0,35%

CSNA3

R$ 26,53

-3,84%

SULA11

R$ 26,29

-1,01%

SUZB3

R$ 49,82

-2,14%

TAEE11

R$ 37,89

+0,53%

VIVT3

R$ 46,46

+0,62%

TIMS3

R$ 12,45

-0,95%

TOTS3

R$ 35,84

+1,55%

UGPA3

R$ 15,47

+2,58%

USIM5

R$ 16,07

-3,07%

VALE3

R$ 80,23

-0,55%

VIIA3

R$ 8,17

+0,36%

WEGE3

R$ 40,48

+0,89%

YDUQ3

R$ 27,20

+0,81%

IBOV

114.667,22 pts

+0,01%

SP500

4.486,41 pts

+0,34%

DJIA

35.253,81 pts

-0,12%

NASDAQ

15.300,65 pts

+1,01%

IFIX

2.744,89 pts

+0,45%

BRENT

US$ 84,27

-0,70%

IO62

¥ 696,50

-1,42%

TRAD3

R$ 8,30

+1,46%

ABEV3

R$ 15,67

+0,90%

AMER3

R$ 39,23

+4,72%

ASAI3

R$ 16,98

-3,19%

AZUL4

R$ 34,43

-3,34%

B3SA3

R$ 13,03

-0,91%

BIDI11

R$ 48,27

-3,99%

BBSE3

R$ 21,78

+0,46%

BRML3

R$ 8,62

+2,01%

BBDC3

R$ 18,54

+1,42%

BBDC4

R$ 21,69

+1,92%

BRAP4

R$ 54,40

-1,27%

BBAS3

R$ 32,21

+1,99%

BRKM5

R$ 58,86

+2,43%

BRFS3

R$ 25,06

-2,83%

BPAC11

R$ 25,53

-1,80%

CRFB3

R$ 18,78

+0,69%

CCRO3

R$ 12,75

+0,15%

CMIG4

R$ 15,17

+1,13%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,63

+0,38%

COGN3

R$ 3,11

+0,97%

CPLE6

R$ 6,79

+2,56%

CSAN3

R$ 23,31

+0,25%

CPFE3

R$ 26,52

+1,68%

CVCB3

R$ 19,94

-1,62%

CYRE3

R$ 18,30

+0,66%

ECOR3

R$ 10,03

+0,80%

ELET3

R$ 40,67

+3,59%

ELET6

R$ 40,61

+2,47%

EMBR3

R$ 25,66

-0,07%

ENBR3

R$ 19,27

+0,62%

ENGI11

R$ 46,14

+0,52%

ENEV3

R$ 15,33

-0,51%

EGIE3

R$ 38,68

+0,33%

EQTL3

R$ 24,87

+0,81%

EZTC3

R$ 23,63

-2,67%

FLRY3

R$ 21,64

+1,26%

GGBR4

R$ 28,25

+0,28%

GOAU4

R$ 12,81

-0,15%

GOLL4

R$ 20,21

-1,89%

NTCO3

R$ 43,24

-2,03%

HAPV3

R$ 12,56

-3,45%

HYPE3

R$ 30,44

+1,53%

IGTA3

R$ 33,94

+1,73%

GNDI3

R$ 71,15

-2,46%

IRBR3

R$ 5,25

+1,35%

ITSA4

R$ 11,35

+0,88%

ITUB4

R$ 25,02

+1,05%

JBSS3

R$ 38,59

+1,57%

JHSF3

R$ 6,13

+3,02%

KLBN11

R$ 23,16

-0,08%

RENT3

R$ 56,44

-0,33%

LCAM3

R$ 25,16

+0,31%

LWSA3

R$ 22,48

+1,95%

LAME4

R$ 6,43

+21,09%

LREN3

R$ 36,20

+1,25%

MGLU3

R$ 14,38

-1,23%

MRFG3

R$ 26,48

-2,46%

BEEF3

R$ 10,37

-3,08%

MRVE3

R$ 12,53

+1,12%

MULT3

R$ 20,44

+0,98%

PCAR3

R$ 29,00

-6,33%

PETR3

R$ 30,25

+0,29%

PETR4

R$ 29,46

-0,47%

BRDT3

R$ 24,80

+1,01%

PRIO3

R$ 27,11

-2,27%

QUAL3

R$ 19,27

-0,82%

RADL3

R$ 22,83

-0,82%

RAIL3

R$ 18,23

-0,65%

SBSP3

R$ 38,90

-0,35%

SANB11

R$ 36,50

+0,35%

CSNA3

R$ 26,53

-3,84%

SULA11

R$ 26,29

-1,01%

SUZB3

R$ 49,82

-2,14%

TAEE11

R$ 37,89

+0,53%

VIVT3

R$ 46,46

+0,62%

TIMS3

R$ 12,45

-0,95%

TOTS3

R$ 35,84

+1,55%

UGPA3

R$ 15,47

+2,58%

USIM5

R$ 16,07

-3,07%

VALE3

R$ 80,23

-0,55%

VIIA3

R$ 8,17

+0,36%

WEGE3

R$ 40,48

+0,89%

YDUQ3

R$ 27,20

+0,81%

Atualizado há 5 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 14 de maio – A Petrobras deve manter o foco em desalavancagem, e garantiu a manutenção da política de preços com paridade internacional. As informações são da teleconferência de resultados da empresa que ocorreu hoje, com o diretor financeiro, Rodrigo Araújo Alves, e o diretor comercial, Claudio Mastella. O presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna, não participou do evento ao vivo, mas teve sua fala gravada e exibida em vídeo.


Lucro da Petrobras foi afetado por efeitos de impairment, segundo diretor

A petroleira apresentou lucro líquido de R$1,17 bilhão no primeiro trimestre, abaixo do consenso TC, de R$1,91 bilhão, mas viu sua geração de caixa livre saltar 16,60% na base anual, para R$31,08 bilhões. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, EBITDA na sigla em inglês, ajustado ficou em R$48,95 bilhões, superando o consenso de R$47,30 bilhões.

O novo diretor-presidente da Petrobras disse que a companhia superou desafios impostos pela “difícil conjuntura” do primeiro trimestre, e que a empresa segue abrindo caminho para receber novos investimentos.

Já Rodrigo Alves afirmou que os efeitos de impairment impactaram o lucro líquido da estatal no período, mas ressaltou a solidez do balanço. O impairment é um efeito não-caixa que traduz o reconhecimento de perdas no valor recuperável de ativos.


Gestão de Joaquim Silva e Luna deve manter paridade internacional de preços

A alocação eficiente de capital e a desalavancagem continuam sendo o foco da Petrobras, afirmou Rodrigo Alves. O executivo disse que a empresa não alterará seus pilares estratégicos.

Ele também reconheceu que a estatal trabalha com um caixa livre “acima do nível considerado ótimo” com o objetivo de reduzir sua dívida e desalavancar. No momento, esse enxugamento das dívidas se sobrepõe à política de pagamentos de dividendos, o que poderá ser revisto mais à frente, disse o diretor.

A política de precificação seguindo a paridade internacional continuará sob a gestão de Joaquim Silva e Luna, afirmou Claudio Mastella. Ele ressaltou que a Petrobras tem “liberdade e independência” para definir sua política. Segundo ele, a estatal não mudou seu comitê decisório de preços e continuará buscando “competitividade e equilíbrio”, sem alterações na frequência de reajustes.


Petrobras deve continuar com processo de venda de ativos

O processo de venda de ativos da Petrobras continua firme, disse Rodrigo Alves, ressaltando que não há descontinuidade ou falta de apetite nos processos de desinvestimento da empresa.

O objetivo agora, segundo o executivo, é cumprir os prazos estipulados pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica, Cade, para finalização dos processos. Além disso, a estatal espera finalizar as negociações a respeito da cessão onerosa de seus campos até setembro, estimou a diretoria da empresa.


Itaú BBA elevou recomendação para papel da estatal para compra

Após a divulgação do balanço da estatal, o Itaú BBA elevou sua recomendação para ações da Petrobras para outperform, equivalente a compra, citando uma redução nas incertezas e nos riscos que cercavam a petrolífera desde a crise por ingerências e subsequente liquidação que viveu em fevereiro.

Os analistas do banco de investimentos destacaram que os papéis da empresa estão “negociando a um grande desconto em relação à maioria dos players globais – até mesmo nomes russos -, com um perfil muito sólido de geração de caixa”. O novo preço-alvo do Itaú BBA para as ações preferenciais da companhia (PETR4) é de R$38,00. A possibilidade de alteração na política de preços, porém, ainda é colocada como risco.


BTG Pactual, Bradesco BBI e Credit Suisse mantiveram recomendação neutra

Outras corretoras e casas de research reconheceram o ótimo primeiro trimestre da Petrobras, mas ainda estão relutantes em recomendar a compra de suas ações. Analistas do BTG Pactual, por exemplo, enxergam os papéis negociando a múltiplos muito descontados. Eles afirmaram que “algumas ações são baratas por um motivo, e acreditamos que o mercado vai manter uma abordagem cautelosa, por enquanto”, reiterando recomendação neutra.

O Bradesco BBI e o Credit Suisse também mantiveram recomendação neutra para a empresa, enquanto o Santander elevou de underperform, equivalente a venda, para hold, ou seja, manter os papéis. Já a XP Investimentos continua com sua recomendação para todo o setor de gás e óleo sob revisão.


Desempenho das ações da Petrobras (PETR4)

Perto das 16h20, o papel preferencial da Petrobras (PETR4) subia 4,80%, cotado a R$26,19. Já a ação ordinária (PETR3) avançava 4,67%, a R$25,62. No mesmo horário, o Ibovespa operava em alta de 0,91%, aos 121,8 mil pontos.


Desempenho das ações da Petrobras


Para acompanhar o desempenho das ações da estatal e de outras empresas, basta acessar o TC Matrix, ferramenta gratuita do TC.

Texto: Gustavo Boldrini e Peter Frontini
Edição: Guilherme Dogo e João Pedro Malar
Arte: TC Mover


Leia também

Sanita: Ser Educacional (SEER3) e a boa assimetria com reabertura

Lojas Renner decepciona e registra prejuízo no primeiro trimestre

Especial: Paulo Guedes garante reformas em 2021 e sintonia com Congresso

image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.