IBOV

110.720,13 pts

-3,23%

SP500

4.519,34 pts

-0,01%

DJIA

35.459,83 pts

+0,01%

NASDAQ

15.397,90 pts

-0,08%

IFIX

2.740,24 pts

-0,26%

BRENT

US$ 84,63

-0,53%

IO62

¥ 708,50

+1,72%

TRAD3

R$ 8,02

-4,52%

ABEV3

R$ 15,17

-3,06%

AMER3

R$ 39,23

-0,05%

ASAI3

R$ 16,60

-2,41%

AZUL4

R$ 30,96

-10,05%

B3SA3

R$ 12,48

-3,48%

BIDI11

R$ 45,20

-6,53%

BBSE3

R$ 21,27

-2,25%

BRML3

R$ 8,15

-5,23%

BBDC3

R$ 17,89

-3,45%

BBDC4

R$ 21,02

-2,99%

BRAP4

R$ 53,19

-2,24%

BBAS3

R$ 30,72

-4,74%

BRKM5

R$ 57,13

-3,08%

BRFS3

R$ 23,96

-4,23%

BPAC11

R$ 24,14

-5,33%

CRFB3

R$ 17,98

-4,46%

CCRO3

R$ 12,23

-4,15%

CMIG4

R$ 14,75

-2,51%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,40

-8,74%

COGN3

R$ 2,91

-6,73%

CPLE6

R$ 6,66

-1,91%

CSAN3

R$ 22,67

-2,82%

CPFE3

R$ 26,10

-1,62%

CVCB3

R$ 18,82

-5,66%

CYRE3

R$ 16,96

-7,11%

ECOR3

R$ 9,53

-5,07%

ELET3

R$ 39,23

-3,49%

ELET6

R$ 39,32

-3,31%

EMBR3

R$ 24,90

-2,92%

ENBR3

R$ 19,05

-1,14%

ENGI11

R$ 44,11

-4,39%

ENEV3

R$ 14,60

-4,76%

EGIE3

R$ 38,19

-1,31%

EQTL3

R$ 24,23

-2,25%

EZTC3

R$ 22,09

-6,31%

FLRY3

R$ 20,60

-4,98%

GGBR4

R$ 27,84

-1,52%

GOAU4

R$ 12,59

-1,71%

GOLL4

R$ 18,83

-7,01%

NTCO3

R$ 40,39

-6,50%

HAPV3

R$ 12,06

-4,43%

HYPE3

R$ 29,20

-4,10%

IGTA3

R$ 31,87

-6,04%

GNDI3

R$ 67,70

-4,67%

IRBR3

R$ 5,12

-2,29%

ITSA4

R$ 10,93

-3,70%

ITUB4

R$ 24,30

-2,72%

JBSS3

R$ 37,98

-1,63%

JHSF3

R$ 5,76

-5,88%

KLBN11

R$ 22,35

-2,95%

RENT3

R$ 53,30

-5,37%

LCAM3

R$ 23,75

-5,56%

LWSA3

R$ 21,21

-8,77%

LAME4

R$ 6,29

-2,32%

LREN3

R$ 34,48

-4,64%

MGLU3

R$ 13,74

-4,11%

MRFG3

R$ 25,97

-2,00%

BEEF3

R$ 10,02

-3,18%

MRVE3

R$ 11,66

-7,01%

MULT3

R$ 19,47

-4,55%

PCAR3

R$ 28,80

-0,62%

PETR3

R$ 28,93

-4,26%

PETR4

R$ 28,10

-4,61%

BRDT3

R$ 23,25

-6,25%

PRIO3

R$ 26,61

-1,95%

QUAL3

R$ 18,34

-5,12%

RADL3

R$ 22,31

-1,97%

RAIL3

R$ 17,65

-3,02%

SBSP3

R$ 37,89

-2,94%

SANB11

R$ 34,87

-4,62%

CSNA3

R$ 25,76

-2,82%

SULA11

R$ 25,38

-3,68%

SUZB3

R$ 48,80

-1,96%

TAEE11

R$ 37,62

-0,63%

VIVT3

R$ 45,98

-1,13%

TIMS3

R$ 12,25

-1,52%

TOTS3

R$ 34,44

-3,98%

UGPA3

R$ 14,69

-5,10%

USIM5

R$ 15,57

-3,05%

VALE3

R$ 79,33

-1,20%

VIIA3

R$ 7,84

-4,03%

WEGE3

R$ 39,25

-2,99%

YDUQ3

R$ 25,06

-7,45%

IBOV

110.720,13 pts

-3,23%

SP500

4.519,34 pts

-0,01%

DJIA

35.459,83 pts

+0,01%

NASDAQ

15.397,90 pts

-0,08%

IFIX

2.740,24 pts

-0,26%

BRENT

US$ 84,63

-0,53%

IO62

¥ 708,50

+1,72%

TRAD3

R$ 8,02

-4,52%

ABEV3

R$ 15,17

-3,06%

AMER3

R$ 39,23

-0,05%

ASAI3

R$ 16,60

-2,41%

AZUL4

R$ 30,96

-10,05%

B3SA3

R$ 12,48

-3,48%

BIDI11

R$ 45,20

-6,53%

BBSE3

R$ 21,27

-2,25%

BRML3

R$ 8,15

-5,23%

BBDC3

R$ 17,89

-3,45%

BBDC4

R$ 21,02

-2,99%

BRAP4

R$ 53,19

-2,24%

BBAS3

R$ 30,72

-4,74%

BRKM5

R$ 57,13

-3,08%

BRFS3

R$ 23,96

-4,23%

BPAC11

R$ 24,14

-5,33%

CRFB3

R$ 17,98

-4,46%

CCRO3

R$ 12,23

-4,15%

CMIG4

R$ 14,75

-2,51%

HGTX3

R$ 37,51

+0,00%

CIEL3

R$ 2,40

-8,74%

COGN3

R$ 2,91

-6,73%

CPLE6

R$ 6,66

-1,91%

CSAN3

R$ 22,67

-2,82%

CPFE3

R$ 26,10

-1,62%

CVCB3

R$ 18,82

-5,66%

CYRE3

R$ 16,96

-7,11%

ECOR3

R$ 9,53

-5,07%

ELET3

R$ 39,23

-3,49%

ELET6

R$ 39,32

-3,31%

EMBR3

R$ 24,90

-2,92%

ENBR3

R$ 19,05

-1,14%

ENGI11

R$ 44,11

-4,39%

ENEV3

R$ 14,60

-4,76%

EGIE3

R$ 38,19

-1,31%

EQTL3

R$ 24,23

-2,25%

EZTC3

R$ 22,09

-6,31%

FLRY3

R$ 20,60

-4,98%

GGBR4

R$ 27,84

-1,52%

GOAU4

R$ 12,59

-1,71%

GOLL4

R$ 18,83

-7,01%

NTCO3

R$ 40,39

-6,50%

HAPV3

R$ 12,06

-4,43%

HYPE3

R$ 29,20

-4,10%

IGTA3

R$ 31,87

-6,04%

GNDI3

R$ 67,70

-4,67%

IRBR3

R$ 5,12

-2,29%

ITSA4

R$ 10,93

-3,70%

ITUB4

R$ 24,30

-2,72%

JBSS3

R$ 37,98

-1,63%

JHSF3

R$ 5,76

-5,88%

KLBN11

R$ 22,35

-2,95%

RENT3

R$ 53,30

-5,37%

LCAM3

R$ 23,75

-5,56%

LWSA3

R$ 21,21

-8,77%

LAME4

R$ 6,29

-2,32%

LREN3

R$ 34,48

-4,64%

MGLU3

R$ 13,74

-4,11%

MRFG3

R$ 25,97

-2,00%

BEEF3

R$ 10,02

-3,18%

MRVE3

R$ 11,66

-7,01%

MULT3

R$ 19,47

-4,55%

PCAR3

R$ 28,80

-0,62%

PETR3

R$ 28,93

-4,26%

PETR4

R$ 28,10

-4,61%

BRDT3

R$ 23,25

-6,25%

PRIO3

R$ 26,61

-1,95%

QUAL3

R$ 18,34

-5,12%

RADL3

R$ 22,31

-1,97%

RAIL3

R$ 17,65

-3,02%

SBSP3

R$ 37,89

-2,94%

SANB11

R$ 34,87

-4,62%

CSNA3

R$ 25,76

-2,82%

SULA11

R$ 25,38

-3,68%

SUZB3

R$ 48,80

-1,96%

TAEE11

R$ 37,62

-0,63%

VIVT3

R$ 45,98

-1,13%

TIMS3

R$ 12,25

-1,52%

TOTS3

R$ 34,44

-3,98%

UGPA3

R$ 14,69

-5,10%

USIM5

R$ 15,57

-3,05%

VALE3

R$ 79,33

-1,20%

VIIA3

R$ 7,84

-4,03%

WEGE3

R$ 39,25

-2,99%

YDUQ3

R$ 25,06

-7,45%

Atualizado há 12 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 21 de outubro – O prejuízo da IRB Brasil cresceu 4,8% em agosto, apesar da queda nos sinistros, refletindo uma forte baixa dos prêmios emitidos no Brasil. Os papéis da companhia fecharam o pregão de ontem em alta de 0,14% a R$7,10. 

De acordo com documento enviado à Susep na noite de terça-feira, 20, a IRB Brasil apresentou prejuízo líquido de R$65,4 milhões em agosto, ante perda de R$62,4 milhões em julho. Os dados estão sujeitos a mudanças e não são auditados, alertou a resseguradora que, caso tivesse excluído o impacto dos negócios descontinuados, teria apresentado lucro líquido de R$73,8 milhões.

O faturamento bruto em agosto, medido pelos prêmios emitidos, atingiu R$697,6 milhões, estável na base anual. Desse total, R$357,6 milhões foram emitidos no Brasil, representando queda de 9,4%, e R$340 milhões no exterior, alta de 11,7%. A receita por prêmios ganhos foi de R$663 milhões em agosto, disse o documento.

As despesas de sinistros chegaram em R$593,8 milhões, levando o índice de sinistralidade, ou a relação entre as despesas com indenizações e a receita, para 89,6%, após ter atingido 108% no primeiro semestre. Excluídos os sinistros de negócios descontinuados, o índice ficou em 56% em agosto. 

O resultado de subscrição da empresa veio negativo em R$99,3 milhões, refletindo a sinistralidade dos negócios descontinuados, de aproximadamente R$263,1 milhões.

Tribunal de Justiça de São Paulo extingue ação de R$1 bilhão contra IRB Brasil

Na manhã desta quarta-feira, 21, a IRB Brasil anunciou em fato relevante, que o Tribunal de Justiça de São Paulo extinguiu ação contra a companhia no valor de R$1 bilhão. No comunicado, a empresa diz que “a referida decisão foi proferida após manifestação apresentada pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, que opinou pela extinção da ação civil pública em razão da ilegitimidade do instituto”.

Oscilação das ações da IRB (IRBR3)

A resseguradora IRB Brasil vem enfrentando oscilações nos preços de seus papéis desde fevereiro, quando a gestora Squadra denunciou em relatório de um de seus fundos irregularidades contábeis nas demonstrações financeiras.

Fonte: TC Matrix

Cada papel da IRB Brasil valia R$40,60 em fevereiro e chegou a R$5,41 em 21 de setembro. Duas semanas depois desse piso, a ação subiu 60%, para R$8,65, com a avaliação AAA feita pela agência de risco Standard & Poor’s, que destacou as mudanças na estrutura do alto escalão da empresa. No fechamento de ontem, a ação da IRBR3 custava R$7,10.

O que aconteceu com a IRB Brasil (IRBR3)?

A IRB Brasil é a maior resseguradora da América Latina e detém participação de mercado de 38% no Brasil, sendo considerada referência pela solidez financeira e conhecimento técnico. Porém, a empresa mergulhou em uma crise em fevereiro, não conseguindo se recuperar desde então.

Com a denúncia de irregularidades contábeis, incluindo aumento artificial do lucro feita pela gestora Squadra comprovada, a IRB passou por uma grande reestruturação. A companhia corrigiu os balanços e passou por mudanças em sua gestão.

O desenquadramento, ou seja, a insuficiência na composição de ativos líquidos mínimos para cobrir sinistros, trouxe incertezas sobre o futuro da IRB. A margem de liquidez e a cobertura de provisão são definidas pela Superintendência de Seguros Privados, Susep, e pelo Conselho Monetário Nacional, CMN.

Na tentativa de contornar a situação, a empresa aumentou R$2,3 bilhões de capital e anunciou uma primeira emissão de R$ 900 milhões em debêntures marcada para 15 de outubro. O diretor-presidente da IRB Brasil, Antônio Cássio dos Santos, afirmou em mensagem ao programa Café com Ferri que a resseguradora não precisaria emitir mais ações para se reenquadrar.

image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.