0

BC sugere que políticas para alterar preços podem elevar inflação

mercados

BC sugere que políticas para alterar preços podem elevar inflação

Sem citar os combustíveis, a ata do Copom divulgada nesta manhã demonstra preocupações com a inflação em políticas para alterar preços

BC sugere que políticas para alterar preços podem elevar inflação
eduardo-puccioni

Atualizado há 3 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 8 de fevereiro – A ata da última reunião do Comitê de Política Monetária, Copom, repetiu que o Banco Central deverá reduzir o ritmo de ajuste da Selic. E disse que políticas fiscais de controle de preços, sem citar diretamente propostas que alterem os preços de combustíveis, podem elevar as projeções de inflação.

A ata destaca que o cenário de referência do Copom para a inflação envolve fatores de risco em ambas as direções. “Por um lado, uma possível reversão, ainda que parcial, do aumento nos preços das commodities internacionais em moeda local produziria trajetória de inflação abaixo do cenário de referência”.

Por outro lado, o Copom ressalta que políticas fiscais que impliquem impulso adicional da demanda agregada ou piorem a trajetória fiscal futura podem impactar negativamente preços de ativos importantes e elevar a inflação.

O Copom avalia que a incerteza em relação ao arcabouço fiscal segue mantendo elevado o risco de desancoragem das expectativas de inflação, e, portanto, a assimetria altista no balanço de riscos.

“Isso implica maior probabilidade de trajetórias para inflação acima do projetado de acordo com o cenário de referência”, explicou a ata do Copom. Referindo-se ao cenário de referência, que considera a Selic projetada no boletim Focus, o comitê avalia que a inflação de 2022 está acima do teto da meta e ao redor da meta em 2023.

O comitê avalia que a elevação dos prêmios de risco e o aperto mais intenso das condições financeiras atuam desestimulando a atividade econômica, mas avalia que o crescimento tende a ser beneficiado pelo desempenho da agropecuária e pelo processo remanescente de normalização da economia.

Aperto monetários nos EUA

O Banco Central considera que o cenário externo ainda possui um ambiente menos favorável, com maior persistência inflacionária aumentando o risco de aperto monetário nos Estados Unidos. Esse cenário tornaria as condições financeiras mais desfavoráveis, segundo o Copom.

Texto: Eduardo Puccioni
Edição: Felipe Corleta e Stéfanie Rigamonti
Imagem: Vinicius Martins / Mover

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.