0

Copom mantém ritmo mais intenso de alta da taxa Selic em 18 anos

mercados

Copom mantém ritmo mais intenso de alta da taxa Selic em 18 anos

Copom continua ciclo de normalização da política monetária mais agressivo dos últimos 18 anos e taxa Selic sobe para 6,25%. Veja!

Copom mantém ritmo mais intenso de alta da taxa Selic em 18 anos
corleta

Atualizado há 8 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 22 de setembro – O Copom, comitê decisório do Banco Central do Brasil, continuou o ciclo de normalização da política monetária mais agressivo dos últimos 18 anos nesta quarta-feira, 22, e pretende manter o ritmo de elevação da taxa básica de juros na próxima reunião do colegiado, em novembro.

Segundo comunicado divulgado após a decisão, a alta da taxa Selic em 1 ponto percentual busca dissipar as pressões inflacionárias mais disseminadas e um balanço de riscos de variância maior do que a usual.

O Comitê de Política Monetária aumentou a taxa Selic de forma unânime, de 5,25% para 6,25%, em linha com o consenso TC. O ciclo de alta é o mais intenso desde, pelo menos, janeiro de 2003.

Copom sinaliza manter ritmo na próxima reunião

De igual maneira, o comunicado do Copom trouxe orientação futura sinalizando aumentos adicionais na taxa Selic frente aos riscos elevados pela inflação e situação fiscal.

“O balanço de riscos do Copom indica ser apropriado que o ciclo de aperto monetário avance no território contracionista” diz o comunicado, que prevê a taxa básica de juros ao final deste ano em 8,25% e em 8,50% no próximo ano.

Alta das projeções de juros

Altas mais intensas nos juros são consistentes com a inércia maior nos preços, a piora nas expectativas de inflação, os maiores gastos fiscais e a demora na aprovação das reformas.

As equipes econômicas de grandes bancos têm elevado as suas projeções para a taxa Selic no final deste ano e em 2022, sob o entendimento que alguns desses riscos, ou todos, se materializaram desde a última reunião do Copom, em agosto.

Copom vê evolução econômica

O Copom reforçou que vê a atividade econômica em continuada evolução positiva, frente aos dados do Produto Interno Bruto, PIB, do segundo trimestre e dos indicadores mais recentes.

O Comitê pondera que a inflação segue acima da sua meta, com a de bens devendo permanecer no curto-prazo e a de serviços tendo acelerado, o que já era esperado na esteira da normalização da atividade no setor.

Variante Delta e aperto monetário no radar do Copom

Entre os riscos externos, o Copom aponta o avanço da variante Delta do coronavírus e o aperto monetário em economias emergentes em resposta à surpresas inflacionárias.

O comunicado mostra que o Banco Central vê que a permanência de estímulos monetários de longa duração e a reabertura das economias sustentam um ambiente favorável para países emergentes.

Outros fatores de risco

Existem fatores de risco para as trajetórias de inflação acima e abaixo do cenário básico do Copom. Por um lado, o risco fiscal segue alto, o que pode elevar os prêmios de risco do Brasil e pressionar a inflação. Mas por outro, uma queda nas commodities no mercado internacional pode produzir uma trajetória mais suave que o esperado para o aumento de preços. O comunicado pontua melhoras nos indicadores de sustentabilidade da dívida pública.

“A alta de 100 pontos básicos na Selic era esperada, mas o tom do comunicado me pareceu otimista demais” disse Nathalie Martins, economista da Necton, à TC Rádio.Martins pontua que o Copom foi “contraditório” ao mostrar uma projeção positiva para o PIB, o que seria compatível com uma alta superior aos 100 pontos-base na Selic.

O que esperar da inflação?

As expectativas de inflação subiram e atualmente se encontram em níveis bem acima da meta oficial de 3,75% para este ano e de 3,50% para 2022.

De acordo com o comunicado da decisão, as expectativas para 2021, 2022 e 2023 apuradas pelo boletim Focus semanal encontram-se em torno de 8,3%, 4,1% e 3,25%, respectivamente. Já as projeções de inflação do Copom situam-se em torno de 8,5% para 2021, 3,7% para 2022 e 3,2% para 2023.

Texto: Felipe Corleta
Edição:  Guillermo Parra-Bernal e Letícia Matsuura
Arte: Vinícius Martins / Mover


Leia também

Comitê do Fed, FOMC vê economia dos EUA mais fraca e juros subindo mais cedo

Análise: Super Quarta tem decisões que podem impactar os investimentos

Aumento da Selic não deve impactar os fundos imobiliários, diz diretor da Sequoia

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.