0

Economia é a maior preocupação dos eleitores, mostra pesquisa

mercados

Economia é a maior preocupação dos eleitores, mostra pesquisa

Além da economia, pandemia e pautas sociais também foram citadas como importantes por eleitores consultados pela pesquisa Genial/Quaest

Economia é a maior preocupação dos eleitores, mostra pesquisa
fernanda-almeida

Atualizado há 5 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 8 de dezembro – A economia é o principal problema do Brasil hoje, segundo 41% – a maioria – dos entrevistados na pesquisa Genial/Quaest divulgada hoje, que apontou que o tópico de maior preocupação dos eleitores envolve temas como desemprego, inflação e crescimento econômico.

Questões relacionadas à saúde e à pandemia foram citadas por 19% dos 2 mil eleitores consultados pelo levantamento, pautas sociais, que envolvem temas como fome, pobreza, desigualdade e habitação, por 14%. A corrupção vem atrás, com 10% das menções.

Entre os fatores econômicos, o desemprego causa maior apreensão e se destaca com 18% das menções, ficando à frente do crescimento econômico, com 14%, e da inflação, com 9%.

Para 70% dos eleitores, a economia brasileira piorou no último ano – em novembro, 73% viram piora no cenário econômico. Outros 17% observaram melhora, 12% avaliaram estabilidade e 1% não soube responder.

Pensando nos próximos 12 meses, 41% dos brasileiros estão otimistas e esperam um avanço da situação econômica do país, ante 31% que acreditam que o cenário deve piorar, 22% que esperam estabilidade e 5% que não souberam responder.

No entanto, o levantamento também indica que o nível de otimismo dos eleitores vem caindo. Em novembro, 42% estavam esperançosos em relação ao futuro da economia e, em agosto, 50%.

Eleições 2022

A pesquisa sondou, ainda, as preferências dos brasileiros quanto ao cenário eleitoral do próximo ano. Reafirmando o resultado de outros levantamentos, o estudo registrou a vantagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que é o preferido de 46% dos entrevistados, frente 24% dos que reelegeriam o atual presidente, Jair Bolsonaro.

Outros 24% dos eleitores não escolheriam nem Lula nem Bolsonaro.

As informações foram coletadas entre 2 e 5 de dezembro por meio de entrevistas presenciais. A margem de erro da pesquisa é estimada em 2,2 pontos percentuais.

Texto: Fernanda de Almeida
Edição: Allan Ravagnani
Imagem: Mover

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.