0

Ibovespa fecha 2021 com primeira perda em cinco anos: Espresso

mercados

Ibovespa fecha 2021 com primeira perda em cinco anos: Espresso

O Ibovespa fechou o ano com queda de 12% nesta quinta-feira, último dia útil do ano; o mercado reabre no dia 3 de janeiro

Ibovespa fecha 2021 com primeira perda em cinco anos: Espresso
tcuser

Atualizado há 5 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 30 de dezembro – O Ibovespa confirmou a pior performance em termos anuais desde 2015 e fechou o ano com queda de 12%, quebrando uma sequência de cinco anos consecutivos de ganhos.

O período foi marcado por incertezas fiscais alimentadas na gestão do presidente Jair Bolsonaro e em meio ao processo de aperto monetário implementado pelo Banco Central para conter a inflação. Temores com a pandemia da covid-19, renovados com a variante ômicron, também entraram no radar do investidor.

Na última sessão do ano, na contramão de Nova York, o Ibovespa subiu 0,69%, aos 104.822 pontos, com apoio dos papéis da mineradora Vale (VALE3), que se beneficiaram de leve recuperação de preços no porto chinês de Qingdao. As ações de Magazine Luiza (MGLU3) também avançaram na sessão.

Semana terminou com leve recuo, de 0,07%, e dezembro acumulou alta de 2,85%. O Ibovespa encerra o ano 19,84% abaixo da máxima recorde de fechamento, de 130.776 pontos registrados no dia 7 de junho.

As melhores e piores do ano

As ações ordinárias Embraer (EMBR3) foram as mais valorizadas do Ibovespa no ano, arrancando 180,45%, diante do potencial de crescimento dos negócios da companhia aérea brasileira. Na sequência, preferenciais classe A da Braskem (BRKM5) subiram 176,29%, mesmo em meio ao processo de venda da petroquímica por seus controladores Novonor e Petrobras.

Com o superciclo de carnes, a ação ordinária da JBS (JBSS3) ganhou 75,75%. Na ponta negativa ficaram ações de empresas mais sensíveis à pandemia e juros altos, como ordinárias da Magazine Luzia (MGLU3), em queda de 71,04%, de Americanas (AMER3), com recuo de 58,23%, e da EZTec (EZTC3), perdendo de 51,71%.

Índices

Os que mais ganharam em 2021 foram BDRX, recibos de ações, 34,75%; Materiais Básicos, alta de 13,26% diante da valorização das commodities; e Industrial, 4,05%. Imobiliário e Consumo puxaram as principais quedas, de 30,97% e 26,07%, respectivamente, refletindo impactos da pandemia e escalada dos juros e inflação.

Financeiro caiu 25,01%, prejudicado no ano por propostas de fim de benefícios fiscais e tributação sobre dividendos na Reforma do Imposto de Renda, ainda não aprovada.

Câmbio

Os contratos de dólar futuro registraram o segundo avanço consecutivo em termos anuais em 2021, com alta de 4,33%. No ano, o real teve o 15ª pior desempenho contra o dólar à vista em uma cesta de 21 divisas observada pela Mover. Na sessão desta quinta, a moeda recuou 2,33%, maior queda intradiária desde a sessão de 24 de agosto.

O dia também foi marcado por ajustes em razão da formação da Ptax, taxa de câmbio calculada pelo Banco Central, de fechamento do ano. Já o Índice Dólar DXY acumulava no ano valorização de 6,72%.

Para conferir o Espresso na íntegra e outros conteúdos exclusivos, assine um dos planos do TC.

Texto: Mover
Edição: Stéfanie Rigamonti
Imagem: Mover

Nesta matéria

VALE3

VALE S.A.

77,89

2,58

+3,31%

Relacionadas

MGLU3

MAGAZINE LUIZA S.A.

4,40

0,12

+2,74%

EMBR3

EMBRAER S.A.

13,91

-0,25

-1,80%

JBSS3

JBS S.A.

37,00

-0,58

-1,57%

EZTC3

EZ TEC EMPREEND. E PARTIC...

16,57

0,85

+5,16%

AMER3

AMERICANAS S.A

23,14

0,69

+2,99%

Powered by

Análise de Investimentos

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.