0

Indústria brasileira deve recuar 0,2% este ano, projeta CNI

mercados

Indústria brasileira deve recuar 0,2% este ano, projeta CNI

Além da indústria, a CNI revisou as expectativas para o PIB brasileiro devido à guerra da Ucrânia e ao novo surto de coronavírus na China

Indústria brasileira deve recuar 0,2% este ano, projeta CNI
beatriz-cantadori

Atualizado há cerca de 1 mês

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 13 de abril – A indústria no Brasil deve encolher 0,2% neste ano, segundo projeção da Confederação Nacional da Indústria divulgada nesta quarta-feira. A guerra na Ucrânia e o novo surto de coronavírus na China são os principais motivos apontados no relatório.

Se a projeção se confirmar, será o sétimo, em dez anos, que a produção industrial do Brasil diminuirá.

A CNI ainda revisou as estimativas para o Produto Interno Bruto do Brasil, prevendo um crescimento da atividade econômica de 0,9%, ante 1,2% na projeção anterior.

As duras restrições na China devido ao maior surto de Covid-19 no país desde o início da pandemia, e as sanções econômicas impostas à Rússia pelo Ocidente diante do avanço do conflito na Ucrânia impactaram a atividade industrial e as cadeias produtivas ao redor do mundo, de acordo com a confederação.

Somado a isso, as altas nos preços do petróleo, de alimentos e de outras commodities inflaram os valores dos fretes internacionais, o que também deve impactar o setor industrial neste ano, de acordo com a CNI.

Nesse cenário de escalada da inflação global, a diminuição da renda real da população, somada à elevação nos juros, são fatores que desestimulam a compra de bens de consumo duráveis, que já estão com a produção em baixa, disse o gerente-executivo de economia da CNI, Mário Sérgio Telles.

A entidade projeta que o Índice de Preços no Consumidor Amplo, IPCA, termine o ano em 6,3%, enquanto a estimativa para a taxa básica de juros no fim de 2022 é de 13%.

Indústria extrativa

Já as projeções da CNI para a indústria extrativa são de crescimento de 2% neste ano, menor que o resultado de 3% em 2021. A guerra entre Rússia e Ucrânia é uma das questões que afeta essas estimativas, tanto para o lado positivo como para o negativo, de acordo com a entidade.

A alta nas commodities, principalmente o petróleo, favorece as exportações. Mas, ao mesmo tempo, o aumento nos preços dos fretes internacionais, devido ao encarecimento dos combustíveis, e as sanções econômicas à Rússia abalam o transporte marítimo.

Texto: Beatriz Lauerti
Edição: Stéfanie Rigamonti e Allan Ravagnani
Imagem: Vinícius Martins/ Mover

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.