0

Inflação nos EUA derruba bolsas; no radar, feriado, varejo, Opep, China: Espresso

mercados

Inflação nos EUA derruba bolsas; no radar, feriado, varejo, Opep, China: Espresso

Com inflação acima do esperado nos EUA, as bolsas caíram pelo segundo dia, enquanto o dado brasileiro não impediu alta do Ibovespa

Inflação nos EUA derruba bolsas; no radar, feriado, varejo, Opep, China: Espresso
tcuser

Atualizado há 7 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 10 de novembro– As bolsas nos EUA fecharam em queda pelo segundo dia, após a inflação acima do esperado aumentar o receio de que o Federal Reserve antecipe a alta dos juros no país. Os rendimentos dos títulos longos americanos dispararam e puxaram o dólar, refletindo também pressões após o Tesouro pagar mais para colocar Treasuries de 30 anos.

O CPI, sigla em inglês para Índice de Preços ao Consumidor, registrou em outubro o maior salto em mais de três décadas, fazendo os rendimentos dos Treasuries dispararem. O Dow Jones encerrou em queda de 0,66%, o S&P500, 0,82% e o Nasdaq 100, 1,44%. O tombo do petróleo também pesou no desempenho dos índices, com o WTI e o Brent recuando 3,34% e 2,52%, respectivamente.

Inflação e queda das bolsas nos EUA não impedem alta do Ibovespa

Assim como nos EUA, onde as bolsas caíram, no Brasil a inflação veio acima do consenso. Porém, o Ibovespa resistiu e fechou em alta, graças aos bancos e à PEC dos Precatórios, mesmo com a aceleração da inflação por aqui e dos juros americanos aumentando o receio com a taxa Selic.

O Ibovespa encerrou em alta de 0,52% a 106.087 pontos, sustentado pelo setor financeiro e por otimismo após a aprovação ontem da Proposta de Emenda Constitucional dos Precatórios em segundo turno na Câmara dos Deputados.

O índice, porém, reduziu bastante os ganhos durante a tarde com pressão das commodities e alta dos juros longos americanos, enquanto investidores digeriam os dados de inflação acima do esperado no Brasil e nos Estados Unidos. Nessa linha, o dólar futuro subiu 0,22% a R$5,511 e os contratos futuros de juros de curto prazo avançou em até 6,5 pontos-base.

Para conferir o Espresso na íntegra e outros conteúdos exclusivos, assine um dos planos do TC.

Texto: Mover
Edição: Letícia Matsuura
Arte: Vinícius Martins/ Mover

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.