0

Inflação terá seu pico no 2º trimestre com alta do petróleo, diz BC

mercados

Inflação terá seu pico no 2º trimestre com alta do petróleo, diz BC

No Relatório Trimestral de Inflação divulgado hoje, o Banco Central traçou dois cenários para o IPCA, com base nos preços do petróleo

Inflação terá seu pico no 2º trimestre com alta do petróleo, diz BC
guilherme-maradei-dogo

Atualizado há 2 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 24 de março – Impulsionada pelo preço do petróleo, a inflação ao consumidor deve atingir seu pico neste segundo trimestre e desacelerar até o final do ano, voltando ao centro da meta apenas em 2023, afirmou o Banco Central no Relatório Trimestral de Inflação, divulgado nesta quinta-feira.

O BC traça dois cenários para a inflação, com base nos preços do petróleo. No cenário com a commodity apresentando “trajetória decrescente”, o índice de inflação chegaria a 10,5% no segundo trimestre, depois recuaria para 8,40% no terceiro e fecharia o ano em 6,30%.

No segundo cenário, levando em conta que o petróleo seguirá acima de US$100 até o fim do ano, o pico da inflação seria em 10,60% no segundo trimestre, recuando para 8,80% no terceiro e fechando 2022 em 7,10%.

Dessa forma, o RTI compreende que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo, IPCA, voltaria para a meta de 3,25% em 2023, quando fecharia o ano entre 3,10% ou 3,40%, variando com os cenários estabelecidos.

Para o BC, o cenário externo “deteriorou significativamente” com a guerra na Ucrânia, tendo o primeiro impacto no petróleo e nos alimentos, mas também pode ter efeitos de mais longo prazo, com o aumento dos gargalos nas cadeias de suprimentos.

Visão setorial da inflação

O relatório mostra também que alguns setores da economia brasileira podem ser beneficiadas, como a balança comercial e o investimento estrangeiro direto. A previsão de superávit da balança comercial passou de US$52,0 bilhões no documento de dezembro para US$83,0 bilhões, enquanto o investimento estrangeiro teve a perspectiva mantida em US$55 bilhões.

Para a atividade interna, o Banco Central manteve a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto em 1% em 2022, mesma previsão do relatório de dezembro. A autarquia revisou para cima o PIB de serviços, de 1,3% para 1,4%, e também da indústria, de queda de 1,3% para recuo de 0,3%. O PIB da agropecuária, porém, sofreu uma forte revisão, passando de 5% para alta de 2%.

Entre os fatores limitantes para o crescimento da economia brasileira, o BC cita o alto patamar de juros e a atividade econômica mais fraca devido à alta inflação.

Texto: Guilherme Dogo
Edição: Allan Ravagnani
Imagem: Vinicius Martins / Mover

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.