0

New Fortress deve vender maior termelétrica da América Latina para focar em gás, dizem fontes

mercados

New Fortress deve vender maior termelétrica da América Latina para focar em gás, dizem fontes

O movimento de venda da termelétrica de Sergipe vem pouco mais de um ano após a chegada da companhia norte-americana ao Brasil

New Fortress deve vender maior termelétrica da América Latina para focar em gás, dizem fontes
luciano-costa-de-paula

Atualizado há 22 dias

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 28 de abril – A New Fortress Energy colocou à venda a maior termelétrica da América Latina, localizada em Sergipe, para focar seus negócios no Brasil no fornecimento de gás, disseram ao Scoop by Mover três fontes com conhecimento dos planos.

O movimento da NFE vem pouco mais de um ano após a chegada da companhia americana ao maior país da América Latina, concretizada por aquisições de ativos de geração e de gás natural liquefeito da Hygo e da Golar LNG, avaliados em US$5 bilhões incluindo dívidas.

A potencial transação envolvendo a termelétrica, no entanto, não significa retração no apetite da New Fortress Energy pelo Brasil, mas apenas um reposicionamento de suas operações, disseram as fontes, que pediram anonimato para falar com maior liberdade sobre o assunto. Procurada, a NFE não quis comentar.

O valor exigido pela termelétrica de Sergipe, Celse, não foi revelado, mas uma das pessoas que segue as conversas sobre o ativo disse que a transação deve ser bilionária, dado o porte da usina, com 1,5 gigawatt em capacidade, o suficiente para atender 15% da demanda do Nordeste. As fontes também não abriram potenciais interessados, visto que o processo está em fase inicial.

A estratégia no Brasil envolve a possível venda da Celse, mas com a NFE continuando como proprietária de um terminal flutuante de armazenamento e regaseificação de gás natural liquefeito, ou GNL, instalado em Sergipe para suprir a termelétrica, disseram as fontes.

A operação da NFE deve atrair grandes empresas de energia com apetite por ativos térmicos ou fundos de investimento que apostam em projetos de geração a gás, combustível fóssil visto como importante para a transição energética, por ser menos poluente.

Com presença em cerca de uma dezena de países e ações negociadas na Nasdaq, a NFE concentra sua atuação em soluções para suprimento de GNL, incluindo navios de transporte do combustível e terminais flutuantes de regaseificação.

Os investimentos da NFE são guiados por projeções da companhia de que a demanda global por GNL vai ultrapassar a demanda em breve, impulsionada pela transição energética, com substituição de fontes como carvão e petróleo pelo gás, e apoiada ainda por choques como a possível redução na oferta do insumo pela Rússia, segundo uma recente apresentação corporativa.

De olho nesse cenário, a companhia expandiu sua frota de terminais de regaseificação de 5 para 11 unidades apenas no ano passado, com os ativos espalhados por oito diferentes geografias, e pretende iniciar operações em Santa Catarina e em Barcarena, no Pará, no segundo trimestre.

*Esta reportagem foi publicada primeiro na última quarta-feira, 27, exclusivamente aos assinantes. Quer receber notícias e furos em primeira mão? Assine um dos planos do TC.

Texto: Luciano Costa
Edição: Gabriela Guedes
Imagem: Mover

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.