0

Nubank, taxa Selic, dólar: Mais Lidas

mercados

Nubank, taxa Selic, dólar: Mais Lidas

Nubank explicou sobre o valor previsto para remuneração da diretoria em 2022; confira essa e outras notícias mais lidas da semana

Nubank, taxa Selic, dólar: Mais Lidas
beatriz-cantadori

Atualizado há 20 dias

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 8 de maio – A agenda corporativa esteve recheada de balanços de grandes empresas na semana, mas os investidores também acompanharam o pronunciamento do Nubank sobre o valor planejado para a remuneração dos membros da diretoria em 2022. A fintech brasileira explicou que os R$804 milhões veiculados por agências de notícias estavam incorretos e fora de contexto.

Além disso, as decisões de política monetária no Brasil e nos Estados Unidos mexeram com os mercados, que experimentaram alta volatilidade. O comitê decisório do Banco Central elevou a taxa básica de juros, a chamada Selic, em 100 pontos-base e sinalizou nova alta com menor magnitude.
Já em relação aos EUA, os investidores temem que o banco central do país, o Federal Reserve, não consiga controlar a inflação sem provocar uma recessão. A autarquia aumentou o ritmo de alta de juros na reunião de quarta-feira, 4.

Com a valorização do dólar frente ao real, o Banco Central fez um leilão extra de swap cambial de US$1 bilhão na terça-feira, 3. Mesmo assim, a moeda americana retomou um patamar mais elevado no final da semana. Confira as notícias mais lidas da semana!

Remuneração da diretoria Nubank

O Nubank manifestou que as notícias veiculadas sobre a remuneração da diretoria da companhia, de R$804 milhões, prevista para 2022 são “incorretas e descontextualizadas”.

O banco explicou em comunicado que 84% do valor, ou seja R$678,9 milhões, são relativos a um programa de remuneração em ações direcionado ao diretor presidente da companhia, David Vélez.

Esse valor depende do cumprimento de metas e deverá representar quase a remuneração total do líder durante os próximos 5 anos, de acordo com o Nubank. Isso funcionará como um incentivo de longo-prazo, mediante o desempenho dos papéis. Caso o gestor não atinja nenhum dos objetivos, não receberá nada.

Além disso, o Nubank também informou na última terça-feira a antecipação da liberação da venda de ações da fintech brasileira para 17 de maio, um dia depois da divulgação de resultados do primeiro trimestre.

Os investidores não reagiram bem ao anúncio. A ação da fintech brasileira negociada na Bolsa de Valores de Nova York derreteu quase 13% na semana.

Alta da taxa Selic

O Banco Central do Brasil elevou a taxa Selic em 1,0 ponto percentual, a 12,75% ao ano, maior nível em cinco anos. A décima alta consecutiva veio em linha com o esperado pelo mercado.

No comunicado, o Comitê de Política Monetária informou a possibilidade de uma menor intensidade na alta da taxa Selic em junho, com a justificativa de que o ciclo de aperto monetário precisa continuar, diante dos maiores riscos inflacionários. Em março, o BC havia previsto para esta reunião o fim do atual ciclo de alta de juros.

De acordo com economistas, o Copom se preocupa com uma desaceleração severa da economia diante de impactos provenientes da onda inflacionária global, da guerra na Ucrânia, da crise da Covid-19 na China e da aproximação das eleições presidenciais no Brasil.

O economista-chefe da Terra Investimentos, João Maurício Rosal,disse à TC Rádio que o comunicado foi um pouco mais duro do que o precificado na curva de juros futuros, e a decisão reflete o ambiente econômico de incertezas.

Rosal também comentou que o Copom, ao aumentar os juros neste momento, evita uma situação possivelmente mais conturbada, que seria subir a Selic durante o período eleitoral.

Leilão extra de swap

O câmbio também chamou a atenção dos investidores. O Banco Central determinou uma oferta adicional de até 20 mil contratos de swap cambial, somando US$1 bilhão, com a alta de mais de 2% do dólar futuro na última segunda-feira, 2. A oferta foi designada para o dia seguinte, terça-feira, além do leilão de rotina para rolagem de contratos.

Outro ponto de atenção para o câmbio é o cenário macroeconômico americano. O Federal Reserve aumentou os juros americanos em 50 pontos-base, na tentativa de conter a alta da inflação nos Estados Unidos. Mas os investidores temem que o país não controle os preços sem entrar em recessão.

A incerteza sobre os juros americanos gera cautela nos investidores, que perdem o apetite pelas economias emergentes, alertou a economista-chefe da Claritas, Marcela Rocha, em entrevista à Mover na terça-feira.

O dólar futuro marcou aumento de 3,81% em abril, no primeiro avanço mensal desde outubro de 2021. Já na primeira semana de maio, o contrato futuro da moeda americana acumulou valorização de 1,97%.

O índice Dólar DXY, que mede o desempenho da moeda americana contra uma cesta de divisas, subiu 0,11%, aos 103,66 pontos, na última sexta-feira.

Texto: Beatriz Lauerti, Stéfanie Rigamonti, Clara Guimarães, Felipe Corleta, Angelo Pavini, Gabriel Ponte
Edição: Letícia Matsuura e Renato Carvalho
Arte: Vinícius Martins/ Mover

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.