0

Petrobras deve ter novo recorde operacional com alta no petróleo Brent

mercados

Petrobras deve ter novo recorde operacional com alta no petróleo Brent

Os lucros da Petrobras antes de juros, impostos, depreciação e amortização, ou Ebitda, devem atingir patamar recorde de R$69,95 bilhões

Petrobras deve ter novo recorde operacional com alta no petróleo Brent
luciano-costa-de-paula

Atualizado há 3 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 16 de fevereiro – A Petrobras pode voltar a registrar resultado operacional histórico no último trimestre de 2021, o que seria o quarto recorde consecutivo da estatal, beneficiada pela alta dos preços do petróleo tipo Brent e pela desvalorização do real, segundo projeções de analistas.

A maior companhia de óleo e gás de capital aberto da América Latina divulgará em 23 de fevereiro o balanço dos últimos três meses do ano passado, período em que o barril do Brent, referência internacional, ficou acima dos US$80, tocando máximas desde 2014. A desvalorização do real, por sua vez, ajudou nas receitas com exportações.

Os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização, ou Ebitda, devem atingir patamar recorde de R$69,95 bilhões em base ajustada e recorrente, segundo o consenso de projeções compiladas pelo TC.

Esse indicador é o mais acompanhado por analistas, por apontar o resultado da companhia sem considerar fatores ocasionais que não vão se repetir, os chamados itens não-recorrentes.

“Mais um Ebitda recorde? Achamos que sim”, escreveu a equipe do BTG Pactual, liderada por Pedro Soares, apontando que o real em mínimas ante o dólar durante o período e a maior produção do pré-sal, com menores custos, impulsionaram os resultados.

O maior Ebitda recorrente da Petrobras em seus quase 70 anos era até então a marca de R$63,8 bilhões do terceiro trimestre de 2021, período também influenciado pela recuperação nas cotações internacionais do petróleo, após fortes impactos da pandemia de covid-19.

A produção de óleo e gás da Petrobras no Brasil no quarto trimestre caiu 4,6% frente ao período anterior, para 2,66 milhões de barris de óleo equivalente por dia, embora com alta de 1% na comparação anual e marca histórica no pré-sal, que respondeu por 74% do total.

Dividendos

O time de analistas do Credit Suisse, liderado por Regis Cardoso, avaliou que os resultados e a posição de caixa da Petrobras, de US$11,5 bilhões ao final de setembro, devem permitir um pagamento de dividendos robusto referente aos últimos três meses de 2021.

“Estimamos que a Petrobras poderia distribuir potencialmente de US$1 bilhão a US$5 bilhões em dividendos associados aos resultados do quarto trimestre”, escreveram – o que equivaleria a algo entre R$5 bilhões e R$26 bilhões.

Até o momento, a Petrobras já aprovou a distribuição de R$42,4 bilhões em proventos referentes a 2021, ou R$3,25 por ação preferencial e ordinária.

O diretor financeiro da companhia, Rodrigo Araujo, disse em novembro que não descartava dividendos adicionais em caso de cenários de preços do petróleo mais favoráveis que o esperado, uma vez que a petroleira antecipou sua meta de redução de dívida.

Lucro da Petrobras

O consenso entre cinco casas consultadas pela Mover aponta para um lucro líquido, ou seja, lucro após o desconto de impostos, de R$26,77 bilhões no quarto trimestre. Se confirmado, será uma queda ante os R$31,1 bilhões do trimestre anterior, afetado positivamente por fatores não-recorrentes, assim como o último trimestre de 2020, quando o lucro atingiu R$60 bilhões.

Entre essas projeções, o BTG previu lucro líquido de quase R$29 bilhões para a companhia no período. A equipe do Safra vê lucro de R$25,3 bilhões para a estatal no quarto trimestre.

A receita líquida da petroleira estatal está estimada em R$130 bilhões, segundo o consenso TC, com alta de 7% ante os R$121,6 bilhões do trimestre anterior. Nos últimos três meses de 2020, a receita havia somado perto de R$75 bilhões.

Política no radar

Apesar dos resultados operacionais históricos e de diversas projeções sinalizando continuidade da alta do petróleo, parte dos analistas se mantém cautelosa com a Petrobras devido ao ano de eleições presidenciais e às constantes críticas de políticos aos preços praticados pela companhia nos combustíveis.

“Com a proximidade do ciclo eleitoral no Brasil, o sentimento macro e expectativas sobre a política energética do próximo governo vão ser mais importantes para o desempenho das ações do que os reais fundamentos”, escreveu Conrado Vegner, do Safra.

A equipe do BTG destacou a falta de previsibilidade sobre os investimentos da companhia depois de 2023, na sequência do pleito presidencial. “No fim, acreditamos que a tese de investimento na Petrobras seria mais como uma aposta no Brasil do que nos preços do petróleo em si”.

O papel preferencial da estatal (PETR4) acumula valorização de 14% desde o início do ano, e avança 34% nos últimos 12 meses.

Texto: Luciano Costa
Edição: Gustavo Bonato e Gustavo Boldrini
Imagem: Vinicius Martins / Mover

Nesta matéria

PETR3

PETROLEO BRASILEIRO S.A. ...

36,82

0,31

+0,84%

Relacionadas

PETR4

PETROLEO BRASILEIRO S.A. ...

0,00

0,57

+1,69%

Powered by

Análise de Investimentos

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.