0

Preços ao produtor aceleram em fevereiro e têm maior alta da série histórica

mercados

Preços ao produtor aceleram em fevereiro e têm maior alta da série histórica

Pressionados pelas indústrias extrativas e refino de petróleo, os preços ao produtor tiveram forte aceleração em fevereiro, segundo IBGE

Preços ao produtor aceleram em fevereiro e têm maior alta da série histórica
guilherme-maradei-dogo

Atualizado há cerca de 1 ano

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 30 de março – Pressionado pelas indústrias extrativas e refino de petróleo, o Índice de Preços ao Produtor, o IPP, teve forte aceleração em fevereiro, divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE.

 

Todos os indicadores bateram recorde em fevereiro

O IPP mede os preços de produtos “na porta de fábrica”, sem impostos e fretes. Além disso, o índice abrange bens de consumo duráveis e semiduráveis, bens intermediários e bens de capital. De acordo com o instituto, todos os indicadores tiveram alta recorde em fevereiro.

Em fevereiro, o IPP subiu 5,22% frente a janeiro, que teve a alta revisada para 3,55%. Com isso, o acumulado no ano até fevereiro atingiu 8,95%. É o maior da série de preços para esse período e superando o maior acumulado anterior, de 1,83%, em fevereiro de 2014.

A inflação aos produtores acumulada em 12 meses ficou em 28,58%, também recorde da série. No mês passado, 23 das 24 atividades tiveram elevação de preços, como já tinha acontecido em janeiro.

 

Indústrias extrativas tiveram maior variação de preços

As quatro maiores variações de preços ao produtor ocorreram nas atividades de indústrias extrativas, que subiram 27,91%. A área de refino de petróleo e produtos de álcool registrou alta de 12,12%, enquanto outros produtos químicos, subiram 9,69%. A metalurgia teve preços 8,35% mais altos em comparação a janeiro.

Apesar da forte alta, que reafirma a aceleração dos preços neste ano, os contratos de juros futuros, os DIs, recuavam até 8 pontos-base perto das 12h25, na esteira da percepção de melhor governabilidade da gestão de Jair Bolsonaro após reforma ministerial.

Texto: Guilherme Dogo
Edição: Lucia Boldrini e Letícia Matsuura
Arte: TC Mover


Leia também

Santos deixa presidência da IRB Brasil, mas continua no comando do conselho

Yields em alta derrubam futuros; ministérios e orçamento no radar: Espresso

Calendário Econômico: IGP-M, Caged, Governo Central

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.