0

Produção industrial cai pelo quinto mês seguido, contrariando consenso

mercados

Produção industrial cai pelo quinto mês seguido, contrariando consenso

A produção industrial teve recuo de 0,60% em outubro, após também cair 0,60% em setembro; no acumulado do ano, o setor tem alta de 5,70%

Produção industrial cai pelo quinto mês seguido, contrariando consenso
guilherme-maradei-dogo

Atualizado há 5 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 3 de dezembro – A produção industrial voltou a cair em outubro, quinto mês seguido de baixa, ainda com efeitos da pandemia, com os gargalos na cadeia de suprimentos, encarecimento das matérias-primas e problemas na demanda pela alta inflação.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a produção industrial teve recuo de 0,60% em outubro, após também cair 0,60% em setembro. O consenso esperava uma alta de 0,60%. Nesse período de cinco meses de baixa, o setor industrial acumula perda de 3,70% e se afasta cada vez mais do nível pré-pandemia.

De acordo com o IBGE, o setor está 4,10% abaixo do patamar de fevereiro de 2020. No entanto, em 2021 e no acumulado de 12 meses, a indústria tem alta de 5,70%.

Três das quatro grandes categorias econômicas tiveram baixa em 19 dos 26 ramos pesquisados. O gerente de pesquisa do IBGE, André Macedo, diz que o dado de outubro mantém a tendência observada no semestre: “A predominância de taxas negativas é diretamente afetada pelos efeitos da pandemia da Covid-19.”

Segundo ele, as consequências da crise pandêmica, que afeta outros países, ficam muito evidentes “em função da desarticulação da cadeia produtiva, o que leva ao encarecimento dos custos de produção e ao desabastecimento de matérias-primas e insumos produtivos para a fabricação de bens finais.” Além disso, ele destaca também a alta da inflação e grande massa de trabalhadores desempregados, que esfria a demanda.

A influência mais negativa veio das indústrias extrativas, com baixa de 8,60% na base mensal, seguindo a desvalorização do minério de ferro e do petróleo, que representam quase 90% do setor. A indústria de produtos alimentícios também teve forte queda, de 4,20%, em função das condições climáticas adversas, além das restrições de exportações de carne para a China.

Texto: Guilherme Dogo
Edição: Cintia Thomaz
Imagem: Vinicius Martins / Mover

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.