0

Renda fixa: Juros futuros recuam após alta na Selic; entenda

mercados

Renda fixa: Juros futuros recuam após alta na Selic; entenda

Na última quarta-feira, o Comitê de Política Monetária do BC elevou a taxa básica de juros, Selic, de 10,75% para 11,75%, de forma unânime

Renda fixa: Juros futuros recuam após alta na Selic; entenda
gabriel-brondi

Atualizado há 2 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 17 de março –  Os contratos de juros futuros de curto prazo recuam, enquanto os de longo prazo oscilam, repercutindo as decisões de política monetária ontem no Brasil, com a elevação de 100 pontos-base da Selic, e nos Estados Unidos, com a alta de 25 pontos-base da taxa Fed Funds.

Por volta das 12h30, a curva de juros caía em toda sua extensão, com queda mais pronunciada nos contratos com prazos mais curtos, que recuavam até 21,5 pontos-base, refletindo o movimento de correção no mercado, após as especulações de que o BC poderia decidir por uma elevação mais forte para a taxa Selic.

Já a parte longa da curva de juros, que abriu em alta, passava a cair até 6,5 pontos-base. Essa oscilação se dá após o Comitê de Política Monetária do Banco Central dar a entender, em comunicado divulgado ontem, que o cenário é bastante incerto para a inflação no longo prazo.

Os contratos futuros de juros são uma forma de os investidores acompanharem a percepção do mercado financeiro em relação ao risco para o curto e longo prazo, especialmente sobre inflação e política monetária. Esses contratos têm como base a taxa DI, média dos juros utilizados nos empréstimos entre os bancos.

Essa taxa deriva do Certificado de Depósito Interbancário, CDI, títulos que apenas outras instituições financeiras podem comprar, e que tomam por base a Selic, embora sempre abaixo da taxa básica de juros, para que eles sejam mais atraentes aos bancos. Mas o CDI também serve como referência para outros títulos de renda fixa, disponíveis a qualquer investidor pessoa física, como muitos dos títulos do Tesouro.

Selic a 11,75%

O Copom elevou, na última quarta-feira, 16, a taxa Selic de forma unânime, de 10,75% para 11,75%, em linha com as expectativas do mercado.

Segundo o comunicado, a elevação da taxa básica em 1 ponto percentual reflete a incerteza macroeconômica e um balanço de riscos maior do que o usual para a inflação.

O comunicado ainda trouxe orientação futura, sinalizando que o ciclo de aperto monetário deve continuar avançando significativamente em território ainda mais “contracionista”.

O colegiado agora prevê mais uma alta de mesma magnitude na próxima reunião e o juro em 12,75% ao fim deste ano, ante 11,75% projetados em fevereiro.

Expectativas do mercado

Em relatório divulgado hoje, os analistas do Bradesco BBI esperam por mais altas do que as anunciadas pelo comitê. Segundo o banco, o Copom deve elevar a Selic mais duas vezes ainda este ano, com alta de 100 pontos-base na próxima reunião e mais uma de 50, projetando o fim do ciclo de alta em 13,25%.

Já os analistas do Morgan Stanley esperam que o ciclo de aperto monetário no Brasil termine com a Selic próxima dos 14%, porém preferem esperar para ter mais clareza sobre o rumo da inflação, visto que os riscos inflacionários mais amplos permanecem elevados.

Juros nos EUA

No exterior, o Federal Reserve, banco central americano, elevou ontem sua taxa de juros básica em 0,25 ponto percentual, também em linha com as expectativas do mercado, marcando a primeira alta desde 2018.

O presidente do Fed, Jerome Powell, afirmou que uma aceleração do aperto monetário pode ser necessária caso as leituras de inflação justifiquem um ritmo de alta maior, embora o comitê ainda não tenha tomado qualquer decisão a esse respeito.

Os bancos centrais no mundo seguem de olho nos desdobramentos do conflito no Leste Europeu, que continua trazendo volatilidade e incerteza para os preços das commodities e consequentemente para inflação. Neste momento, o contrato futuro do petróleo Brent avança 8,00%, cotado a U$105,86 o barril.

Texto: Gabriel Brondi e Stéfanie Rigamonti
Edição: Allan Ravagnani e Renato Carvalho
Imagem: Vinicius Martins / Mover

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.