0

Vendas no varejo crescem acima da inflação pelo 3º mês seguido, diz Cielo

mercados

Vendas no varejo crescem acima da inflação pelo 3º mês seguido, diz Cielo

As vendas no varejo em janeiro de 2022 cresceram 2,5% em comparação com igual mês de 2021, descontada a inflação de 10,38% no ano passado

Vendas no varejo crescem acima da inflação pelo 3º mês seguido, diz Cielo
maria-luiza

Atualizado há 3 meses

Ícone de compartilhamento

São Paulo, 17 de fevereiro – As vendas no varejo de janeiro de 2022 subiram acima da inflação pelo terceiro mês consecutivo. O resultado foi impulsionado por um 2021 mais fraco nesse período, pelo momento favorável e pelo abrandamento das medidas de isolamento, segundo a pesquisa Índice Cielo de Varejo Ampliado, ICVA.

As vendas no varejo em janeiro de 2022 cresceram 2,5% em comparação com igual mês de 2021, descontada a inflação de 10,38% no acumulado do ano passado, conforme cálculo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, o Índice Cielo do Varejo Ampliado registrou alta de 14,4%, informa o relatório.

“O comércio varejista se mantém em recuperação. É o terceiro mês seguido de alta nas vendas. Isso está relacionado com a volta gradativa à rotina, que foi bastante afetada pelo agravamento da covid-19 no fim de 2020 e nos primeiros meses do ano passado, mas também ao bom comportamento de alguns setores do varejo. Neste mês, por exemplo, podemos destacar positivamente o setor de Drogarias e Farmácias”, afirma o Head de Inteligência da Cielo, Pedro Lippi.

O macrossetor de Bens Não Duráveis acelerou em relação a dezembro, com destaque para os segmentos de Drogarias e Farmácias, descontada a inflação e com o ajuste de calendário.

Já os macrossetores de Bens Duráveis e Semiduráveis registraram desaceleração na passagem mensal, com destaque negativo para Móveis, Eletro e Departamento, que puxaram a queda na categoria; em Serviços, o vilão foi segmento de Turismo e Transporte.

O ICON, índice que reflete o setor de consumo na Bolsa de Valores brasileira, acumula ganhos de 3,8% desde o início do ano, mas ainda cai 24,5% nos últimos 12 meses.

Texto: Maria Luiza Dourado
Edição: Gustavo Boldrini e Stéfanie Rigamonti
Imagem: Vinicius Martins / Mover

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.