0

Guedes vê 'resultado extraordinário' para contas públicas em 2021

politica

Guedes vê 'resultado extraordinário' para contas públicas em 2021

O ministro Paulo Guedes rebateu críticas feitas à sua gestão, principalmente em torno da narrativa de "colapso" do arcabouço fiscal

Guedes vê 'resultado extraordinário' para contas públicas em 2021
gabriel-pontes

Atualizado há 4 meses

Ícone de compartilhamento

Brasília, 28 de janeiro – O ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou nesta sexta-feira a performance das contas públicas, em 2021, como um “resultado extraordinário”, em alusão ao déficit primário reportado pelo governo central, de R$35,8 bilhões, no melhor resultado fiscal desde 2014.

“Houve dúvidas, críticas, acusações de populismo fiscal, todas equivocadas a respeito das nossas contas”, afirmou em abertura da coletiva do Tesouro para comentar os dados referentes ao período. “Tivemos resultado extraordinário de déficit de 0,4% do PIB, de R$35 bilhões apenas.”

Guedes também rebateu críticas feitas à sua gestão, principalmente em torno da narrativa de “colapso” do arcabouço fiscal. Ele lembrou economistas que atribuíam a melhora das contas públicas ao aumento dos preços. “Não é inflação que resolve, é o controle das despesas. Veio uma recuperação em V, como eu dizia, voltou do fundo do poço com força.”

Em outro ponto, Guedes também voltou a criticar as projeções realizadas por economistas para o desempenho da atividade neste ano de 2022. “Já erraram três anos, vão errar o quarto”, afirmou. Para este ano, sobre reformas econômicas, afirmou que Correios e Eletrobras encontram-se “na pista” para serem privatizados.

“O Senado deve retomar a agenda e aprovar a privatização dos Correios”, projetou. Guedes afirma que este ano deve contar com a renovação de programas de crédito, como o Pronampe e o FGI.

Ainda em sua visão, a política fiscal encontra-se “forte”, enquanto a monetária está “no lugar”. Guedes destacou que os juros aqui já estão em patamar acima da inflação, enquanto outras autoridades monetárias dormem no volante.

Ainda segundo ele, quanto mais hesitante for a política monetária, maior a persistência de preços. Segundo o titular da pasta econômica, o Brasil é o único país do mundo a retornar aos níveis pré-pandêmicos em relação às políticas fiscais e monetária.

O ministro também voltou a comemorar o recebimento, pelo país, de carta-convite da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico para início do processo de adesão à entidade. Segundo ele, o país será o primeiro a alcançar todos os requisitos, em instrumentos normativos, para aderir formalmente à OCDE.

Texto: Gabriel Ponte
Edição: Renato Carvalho
Imagem: Mover

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.