0

Guru do conservadorismo, Olavo de Carvalho morre aos 74 anos

politica

Guru do conservadorismo, Olavo de Carvalho morre aos 74 anos

O presidente Jair Bolsonaro, cujo movimento conservador é influenciado por Olavo de Carvalho, homenageou o escritor em suas redes sociais

Guru do conservadorismo, Olavo de Carvalho morre aos 74 anos
leopoldo-vieira-teixeira

Atualizado há 4 meses

Ícone de compartilhamento

Brasília, 25 de janeiro – O escritor e influenciador de direita Olavo de Carvalho morreu nesta madrugada, oito dias após ser diagnosticado com covid-19 nos Estados Unidos. Ele tinha 74 anos de idade.

O presidente Jair Bolsonaro, cujo movimento conservador é influenciado por Carvalho, escreveu em rede social que o país “perde um dos maiores pensadores da história do nosso país”. Bolsonaro afirmou que “Olavo foi um gigante na luta pela liberdade e um farol para milhões de brasileiros”.

A filosofia de Carvalho chegou ao poder com a vitória de Bolsonaro em 2018, adaptou-se ao sistema com o Centrão, criou ruídos ao avanço da agenda liberal do ministro Paulo Guedes e foi posta em xeque pela pandemia. Na eleição deste ano, será julgada pelo viés negacionista da pandemia, estímulo a conflito com Poderes e impactos de ambos sobre a economia.

Confira a seguir outras notícias políticas que estão no radar do mercado nesta terça-feira.

PEC dos Combustíveis

O governo ainda discute internamente se incluirá o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, ICMS, no texto que pretende enviar ao Congresso na volta do recesso, diz o Valor Econômico. A tendência, na noite de ontem, era incluir o imposto estadual no texto.

Auxiliar de Lula

O economista André Lara Resende, um dos idealizadores do Plano Real, é um dos nomes cotados para assumir o Ministério da Economia em caso de vitória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmaram fontes ao Scoop by Mover.

Lula e o agronegócio

E em encontro com empresários do agronegócio na última quinta-feira, Lula disse que tem trabalhado para conquistar o apoio do PSD de Gilberto Kassab ainda no primeiro turno, relata a CNN Brasil.

Na avaliação de empresários do agronegócio que estiveram com Lula, o Brasil poderia estar vendendo mais para a China se não fossem ataques e má relação do governo federal com o país, segundo coluna de Guilherme Amado ontem no portal Metrópoles. O embargo da carne brasileira pela China foi citada como consequência que fez o setor perder milhões.

A necessidade de mais crédito para a expansão do agro também foi abordada, ao que Lula acenou com possibilidade afirmativa. Ante preocupação com ocupação de terras por movimentos como o dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, MST, Lula se colocou com capacidade de liderar a conversa, conforme a coluna do Metrópoles.

O ex-chanceler de Lula Celso Amorim disse à Reuters que as relações com a China terão impulso se o ex-presidente vencer eleição.

Texto: Leopoldo Vieira
Edição: Lucia Boldrini e Stéfanie Rigamonti
Imagem: Alan Santos / Wikimedia Commons

relatorios
image

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.

Receba todas as novidades do TC

Deixe o seu contato com a gente e saiba mais sobre nossas novidades, eventos e facilidades.