TC Mover
Mover

Deputado reafirma denúncias da vacina Covaxin

Postado por: TC Mover em 25/06/2021 às 20:03
Deputado reafirma denúncias

São Paulo, 25 de junho – A sexta-feira, 25, teve um dos depoimentos mais aguardados e tumultuados da Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga a atuação do governo federal no combate ao coronavírus, conhecida como CPI da Covid. O deputado federal Luis Miranda afirmou que as denúncias dele e do irmão, Luis Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde, evitaram um prejuízo de R$45 milhões ao Brasil na tratativa de compras da vacina indiana Covaxin e reafirmou que levou o caso ao presidente Jair Bolsonaro.


Jair Bolsonaro foi avisado pessoalmente sobre irregularidades, afirmou o deputado

Depondo como convidado e em meio a diversas interrupções, o deputado chegou vestindo um colete a prova de balas. Ele disse que não denunciou o caso a intermediários e que optou por falar diretamente com o presidente Bolsonaro no dia 20 de março sobre as irregularidades no contrato de compras da vacina Covaxin. “Falei com o presidente Bolsonaro pessoalmente e ele prometeu levar o caso à Polícia Federal”.

Na quarta-feira, 30, Luis Miranda falou à CNN Brasil pela primeira vez sobre o caso. Em seguida, os senadores da comissão decidiram convidar os irmãos para prestarem esclarecimento sobre o episódio.

Já o irmão do deputado, o servidor Luis Ricardo Miranda, relatou que um colega, chamado “Rodrigo”, disse que gestores do Ministério estavam pedindo propina para a compra de vacina.


Presidente nega problemas na compra de imunizantes

O presidente Jair Bolsonaro negou qualquer problema de compra dos imunizantes e reagiu ordenando à Polícia Federal que investigue os depoentes. O desgate da CPI da Covid, somado à inflação e ao resultado da pesquisa do Ipec, que apontou o ex-presidente Lula com 49% das intenções de voto, com a possibilidade de vencer Bolsonaro ainda no primeiro turno, atingem o presidente em um momento de queda na popularidade e podem refletir em tempos mais difíceis para o governo.

Flávio Bolsonaro, filho do presidente, que acompanhava a CPI da Covid por videoconferência, pediu a palavra para responder a denúncia feita pela revista Veja. Segundo o veículo, o senador teria facilitado um encontro entre Francisco Maximiano, dono da empresa que negociou a Covaxin, a Precisa Medicamento, e o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, BNDES, Gustavo Montezano.

A companhia está no centro do episódio envolvendo supostas fraudes na compra da vacina Covaxin pelo governo federal. O senador admitiu que intermediou o encontro. Porém, ele afirmou que se tratava de um pedido de financiamento para outra empresa de Maximiano que oferecia serviços de internet.

Texto: Cíntia Thomaz
Edição: Angelo Pavini e Letícia Matsuura
Arte: Vinícius Martins / TC Mover


Leia também

Eletrobras descontará dias de greve contra privatização

Reforma do Imposto de Renda isentará 16 milhões de brasileiros, diz Paulo Guedes

Resumo da Semana: Oi (OIBR3), Ricardo Salles, HASH11

Mover Pro

Informação, análises e ideias de investimentos 24/7

Saiba Mais